SAÚDE MENTAL NA ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAUDE

Mauri Gonçalves Junior, Gabriela Camargo Tobias, Cristiane Chagas Teixeira

Resumo


Objetivo: Identificar as publicações referente a gestão do cuidado com o paciente em sofrimento mental na Atenção Primária à Saúde e as intervenções eficazes para o paciente em sofrimento psíquico. Método: Estudo de revisão integrativa da literatura, e para guiar esta pesquisa, formulou-se os seguintes questionamentos: o que se tem publicado sobre a gestão do cuidado com pacientes em sofrimento mental na Atenção Primária à Saúde? Quais são as intervenções eficazes no cuidado com paciente em sofrimento psíquico? Para a localização e seleção dos estudos, foi realizada pesquisa eletrônica nas seguintes bases de dados: Scielo, Cochrane, Lilacs e Medline/ PubMed, disponíveis no período compreendido entre 2007 a 2017. Resultados: Foram encontrados 18 estudos no período estudado. Os estudos apresentaram conceitos como “acolhimento” e “matriciamento”, ambos com fundamentos para o cuidado integral e resolutivo de paciente em sofrimento mental. Conclusão: O cuidado ao paciente em sofrimento mental, não necessita de inúmeros recursos tecnológicos/sofisticadas ou mudanças nos processos de trabalhos, pois, o foco do cuidado está na postura do profissional e da organização da rede de atenção psicossocial como espaço do transição para este paciente receber o cuidado que necessita.


Palavras-chave


Atenção Primária à Saúde; Saúde Mental; Assistência Centrada no Paciente.

Texto completo:

PDF

Referências


Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Saúde mental. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Brasília: Ministério da Saúde; 2013.

Nunes M, Juca VJ, Valentim CPB. Ações de saúde mental no Programa Saúde da Família: confluências e dissonâncias das práticas com os princípios das reformas psiquiátrica e sanitária. Cad Saúde Pública. 2007;23(10):2375-384.

Pratta EMM, Santos MA. O processo saúde-doença e a dependência química: interfaces e evoluções. Psic Teor e Pesq. 2009;25(2):203-11.

Anjos MA, Carvalho PAL, Sena ELS, Ribeiro RMC. Acolhimento da pessoa em sofrimento mental na atenção básica para além do encaminhamento. Cad Brasileiros de Saúde Mental. 2015;7(16):27-40.

Cardoso L, Galera SAF. Mental health care today. Rev Esc Enferm USP. 2011;45(3):685-9.

Nery Filho A, Lorenzo C, Diz F. Usos e usuários de substancias psicoativas: considerações bioéticas. In: Brasil, Secretária Nacional de Políticas sobre Drogas, Prevenção dos problemas relacionados ao uso de drogas: capacitação para conselheiros e lideranças comunitárias/Ministério da Justiça, Secretária Nacional de Políticas sobre Drogas, 6 ed. SENAD-MJ/NUTE-UFSC, Brasília: Ministério da Saúde; 2014.

Souza MT, Silva MD, Carvalho R. Revisão integrativa: o que é e como fazer. Einstein. 2010;8(1 Pt 1):102-06.

Goiás. Secretaria da Saúde (SES-GO). Superintendência de Educação em Saúde e Trabalho para o SUS (SEST-SUS). Escola Estadual de Saúde Pública “Cândido Santiago” (ESAP-GO-GO). Metodologia da Pesquisa e do Trabalho Científico. Aurélio de Melo Barbosa - Goiânia: ESAP-GO; 2017.

Baroni DPM, Fontana LM. Ações em saúde mental na atenção primária no município de Florianópolis, Santa Catarina. Mental. 2009;7(12):15-37.

Souza LGS, Menandro MCS, Couto LLM, Schimith PB, Lima RP. Saúde mental na estratégia saúde da família: revisão da literatura brasileira. Saude soc. 2012;21(4):1022-034.

Moura RFS, Silva CRC. Saúde Mental na Atenção Básica: Sentidos Atribuídos pelos Agentes Comunitários de Saúde. Psicol cienc prof. 2015;35(1):199-10.

Bezerra E, Dimenstein M. Os CAPS e o trabalho em rede: tecendo o apoio matricial na atenção básica. Psicol cienc prof. 2008;28(3):632-45.

Prata NISS, Groisman D, Martins DA, Rabello ET, Mota FS, Jorge MA, et al. Saúde mental e atenção básica: território, violência e o desafio das abordagens psicossociais. Trab educ saúde. 2017;15(1):33-53.

Scardoelli MGC, Waidman MAP. "Grupo" de artesanato: espaço favorável à promoção da saúde mental. Esc Anna Nery. 2011;15(2):291-99.

Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Política Nacional de Atenção Básica. Brasília: Ministério da Saúde; 2012.

Minas Gerais. Secretaria de Estado de Saúde. Atenção em Saúde Mental. Marta Elizabeth de Souza. Belo Horizonte; 2006.

Moreira MIB, Onocko-Campos RT. Ações de saúde mental na rede de atenção psicossocial pela perspectiva dos usuários. Saude soc. 2017;26(2):462-74.

Rodrigues ES, Moreira MIB. A interlocução da saúde mental com atenção básica no município de Vitoria/ES. Saude Soc. 2012;21(3):599-11.

Lemke RA, Silva RAN. Itinerários de construção de uma lógica territorial do cuidado. Psicologia & Sociedade. 2013;25(n.spe. 2):9-20.

Saffer DA, Barone LR. Em busca do comum: o cuidado do agente comunitário de saúde em Saúde Mental. Physis. 2017;27(3):813-33.

Lemke RA, Silva RAN. Um estudo sobre a itinerância como estratégia de cuidado no contexto das políticas públicas de saúde no Brasil. Physis. 2011;21(3):979-004.

Vecchia MD, Martins STF. Desinstitucionalização dos cuidados a pessoas com transtornos mentais na atenção básica: aportes para a implementação de ações. Interface Comunic, Saúde, Educ. 2009;13(28):151-64.

Costa FRM, Lima VV, Silva RF, Fioroni LN. Desafios do apoio matricial como prática educacional: a saúde mental na atenção básica. Interface Comunic, Saúde, Educ. 2015;19(54):491-02.

Ministério da Saúde (BR). Portaria nº 3.088, de 23 de dezembro de 2011. Institui a Rede de Atenção Psicossocial para pessoas com sofrimento ou transtorno mental e com necessidades decorrentes do uso de crack, álcool e outras drogas, no âmbito do Sistema Único de saúde (SUS). Diário Oficial da União, Brasília: Ministério da Saúde; 2011.

Bezerra E, Dimenstein M. Os Caps e o trabalho em rede: tecendo o apoio matricial na atenção básica. Psicol Cienc Prof. 2008;28(3):632-45.

Motta CCL, More CLOO, Nunes CHSS. O atendimento psicológico ao paciente com diagnóstico de depressão na Atenção Básica. Ciênc saúde coletiva. 2017;22(3):911-20.

Delfini PSS, Sato MT, Antoneli PP, Guimarães POS. Parceria entre CAPS e PSF: o desafio da construção de um novo saber. Ciênc saúde coletiva. 2009;14(Suppl 1):1483-492.

Vecchia MD, Martins STF. Concepções dos cuidados em saúde mental por uma equipe de saúde da família, em perspectiva histórico-cultural. Ciênc saúde coletiva. 2009;14(1):183-93.

Abreu S, Miranda AAV, Murta SG. Programas Preventivos Brasileiros: Quem Faz e como É Feita a Prevenção em Saúde Mental? Psico-USF. 2016;21(1):163-77.

Paiva PC, Torrenté MON, Landim FLP, Branco JGO, Tamboril BCR, Cabral ALT. Psychological distress and community approach to the voice of the community health agente. Rev Esc Enferm USP. 2016;50(n. spe):139-44.

Baroni DPM; Fontana LM. Ações em saúde mental na atenção primária no município de Florianópolis, Santa Catarina. Mental. 2009;7(12):15-37.

Guia prático de matriciamento em saúde mental. Ministério da Saúde: Centro de Estudo e Pesquisa em Saúde Coletiva. Brasília: Ministério da Saúde; 2011.




DOI: https://doi.org/10.13037/ras.vol17n60.5582

Indexadores: