COBERTURA DAS CAMPANHAS DE VACINAÇÃO ANTIRRÁBICA ANIMAL

Murilo Stefan Gebrim, Gabriela Camargo Tobias, Cristiane Chagas Teixeira

Resumo


Objetivo: analisar a cobertura vacinal nas campanhas antirrábica em Senador Canedo, Goiás, Brasil, no período de 2012 a 2017. Materiais e métodos: estudo descritivo, sobre a cobertura de vacinação antirrábica. A população em estudo compreendeu todos os cães e gatos que foram vacinados no período de 2012 a 2017. As informações foram obtidas pelo DATASUS e os dados foram organizados e analisados em Programa Microsoft® Excel. Resultados: no período estudado a cobertura vacinal total do intervalo de 2012 a 2017 foi de 88,5% para cães e 88,1% para gatos. O ano de maior cobertura vacinal foi o de 2012 para cães e 2017 para gatos, com 112,2% e 105%, respectivamente, onde as metas estabelecidas foram ultrapassadas. Conclusão: diante da letalidade de 100% dos casos da raiva e o alto custo na assistência preventiva às pessoas expostas ao vírus, torna-se essencial o esforço das secretarias municipais de saúde para realizarem as campanhas vacinais para eliminação e controle deste agravo.


Palavras-chave


Vacinas Antirrábicas; Imunização; Notificação de Doenças; Saúde Pública.

Texto completo:

PDF

Referências


Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância Epidemiológica. Normas técnicas de profilaxia da raiva humana / Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde, Departamento de Vigilância Epidemiológica. Brasília: Ministério da Saúde; 2014.

Reichman, MLAB. Controle de populações de animais de estimação. Reichman, MLAB, Figueiredo ACC, Pinto HBF, Nunes VFP. Manual Técnico do Instituto Pasteur: São Paulo; 2000.

Hatz CF, Kuenzli E, Funk M. Rabies: relevance, prevention, and management in travel medicine. Infect Dis Clin North Am. 2012;26(3):739-53.

História da Cidade. Senador Canedo – GO [Internet] 2018. [cited 2018 Abr 17]. Available from: https://www.senadorcanedo.go.gov.br/a-cidade/historia-da-cidade/

DATASUS - Departamento de Informática do Sistema Único de Saúde. Brasília: Ministério da Saúde [Internet] 2018. [cited 2018 Abr 17]. Available from: http://www2.datasus.gov.br/DATASUS/index.php?area=02

SINAN - Sistema de Informação de Agravos de Notificação. Brasília: Ministério da Saúde [Internet] 2018. [cited 2018 Abr 17]. Available from: http://www.portalsinan.saude.gov.br/o-sinan

Campanha Nacional de Vacinação Antirrábica. Brasília: Ministério da Saúde [Internet] 2017. [cited 2018 Abr 14]. Available from: http://pni.datasus.gov.br/consulta_antirabica_17_selecao.asp?enviar=ok&sel=doses01&UF=GO

Campanha de Vacinação contra a raiva. Goiânia: Superintendência de Vigilância em Saúde [Internet] 2018. [cited 2018 Abr 14]. Available from: http://www.visa.goias.gov.br/post/ver/223870/campanha-de-vacinacao-contra-raiva-sera-nesse-sabado-dia-23-09

Ministério da Saúde (BR). Conselho Nacional de Saúde. Resolução n° 466, 2012. Diretrizes e Normas regulamentadoras de pesquisa envolvendo seres humanos. Brasília: Ministério da Saúde; 2012.

Ministério da Saúde (BR). Ofício Circular GVE XIV nº 185/2015. Declaração do MS de que não tem prazo definido para receber as doses da vacina antirrábica canina/felina. Brasília: Ministério da Saúde; 2015.

Moretti GMA. Estudo da campanha de vacinação contra a raiva em cães e gatos em área do município de São Paulo [Dissertação]. São Paulo: Universidade de São Paulo; 2013.

Miranda CFJ, Silva JA, Moreira ÉC. Raiva humana transmitida por cães: áreas de risco em Minas Gerais, Brasil, 1991-1999. Cad Saúde Pública. 2003;19(1):91-9.

Cardoso JM. Comunicação, saúde e discurso preventivo: reflexos a partir de uma leitura das campanhas nacionais de Aids veiculadas pela TV (1987-1997) [Dissertação]. Rio de Janeiro: Escola de Comunicação-CFCH, Universidade Federal do Rio de Janeiro; 2002.

Paranhos NT, Silva EA, Bernardi F, Mendes MCNC, Junqueira DMAG, Souza IOM, et al. Estudo das agressões por cães, segundo tipo de interação entre cão e vítima, e das circunstâncias motivadoras dos acidentes, município de São Paulo, 2008 a 2009. Arq Bras Med Vet Zootec. 2013;65(4):1033-040.

Secretaria Estadual de Saúde. Governo do Estado de Pernambuco. PE Vacina Cães e Gatos contra a Raiva, Recife – PE [Internet] 2018. [cited 2018 Abr 14]. Available from: http://portal.saude.pe.gov.br/noticias/secretaria-executiva-de-vigilancia-em-saude/pe-vacina-caes-e-gatos-contra-raiva

Oliveira AVB, Agra da Silva R, Gomes AAB. Campanha Nacional de Vacinação Contra Raiva Animal nos Municípios da Microrregião de Catolé do Rocha – PB, no período e 2007 a 2006. Rev Verde. 2010;5(1):101-09.

Ministério da Saúde (BR). Fundação Nacional de Saúde. Encontro Nacional dos Coordenadores de Zoonoses. Relatório Anual. Brasília: Ministério da Saúde; 2002.

WHO - World Health Organization. World Society for Protection of Animals. Guidelines for the dog population management. Genebra; 1992.

IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Cidades. [Internet] 2010. [cited 2018 Abr 21]. Available from: http://www.cidades.ibge.gov.br/xtras/perfil.php?lang=&codmun=230015&searc h=ceara|acarape|infograficos:-informacoes-completas

Moutinho FFB, Nascimento ER, Paixão RL. Raiva no Estado do Rio de Janeiro, Brasil: análise das ações de vigilância e controle no âmbito municipal. Ciênc saúde coletiva. 2015;20(2):577-86.

Silva MNG, Mistieri MLA, Júnior WSF, Centeno LVP, Pascon JPE, Lubeck I, et al. Projeto “melhor amigo” na conscientização da guarda responsável de animais de estimação. Rev Ciênc Ext. 2013;9(3):43-52.

Saraiva DS, Thomaz EBAF, Caldas AJM. Raiva humana transmitida por cães no Maranhão: avaliação das diretrizes básicas de eliminação da doença. Cad Saúde Colet. 2014;22(3):281-91.

Oliveira VMR, Pereira PLL, Silva JA, Miranda CFJ, Rodrigues KO, Rodrigues TO, et al. Mordedura canina e atendimento antirrábico humano em Minas Gerais. Arq Bras Med Vet Zootec. 2012;64(4):891-98.

Ministério da Saúde (BR). Nota Informativa nº 26-SEI/2017-CGPNI/DEVIT/SVS/MS. Que informa sobre alterações no esquema de profilaxia da raiva humana pós-exposição e orienta quanto à correta utilização da via intradérmica nas situações em que esta for recomendada. Brasília: Ministério da Saúde; 2017.




DOI: https://doi.org/10.13037/ras.vol17n61.5607

Indexadores: 
A RAS utiliza o software iThenticate para detecção e prevenção de plágio