COBERTURA DAS CAMPANHAS DE VACINAÇÃO ANTIRRÁBICA ANIMAL

Autores

  • Murilo Stefan Gebrim Universidade Estadual de Goiás. Escola Estadual de Saúde Pública Cândido Santiago
  • Gabriela Camargo Tobias Instituto de Patologia Tropical e Saúde Pública.
  • Cristiane Chagas Teixeira Faculdade de Enfermagem. Universidade Federal de Goiás.

DOI:

https://doi.org/10.13037/ras.vol17n61.5607

Palavras-chave:

Vacinas Antirrábicas, Imunização, Notificação de Doenças, Saúde Pública.

Resumo

Objetivo: analisar a cobertura vacinal nas campanhas antirrábica em Senador Canedo, Goiás, Brasil, no período de 2012 a 2017. Materiais e métodos: estudo descritivo, sobre a cobertura de vacinação antirrábica. A população em estudo compreendeu todos os cães e gatos que foram vacinados no período de 2012 a 2017. As informações foram obtidas pelo DATASUS e os dados foram organizados e analisados em Programa Microsoft® Excel. Resultados: no período estudado a cobertura vacinal total do intervalo de 2012 a 2017 foi de 88,5% para cães e 88,1% para gatos. O ano de maior cobertura vacinal foi o de 2012 para cães e 2017 para gatos, com 112,2% e 105%, respectivamente, onde as metas estabelecidas foram ultrapassadas. Conclusão: diante da letalidade de 100% dos casos da raiva e o alto custo na assistência preventiva às pessoas expostas ao vírus, torna-se essencial o esforço das secretarias municipais de saúde para realizarem as campanhas vacinais para eliminação e controle deste agravo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Murilo Stefan Gebrim, Universidade Estadual de Goiás. Escola Estadual de Saúde Pública Cândido Santiago

Médico Veterinário. Especialista em Atenção Primária à Saúde. Universidade Estadual de Goiás. Escola Estadual de Saúde Pública Cândido Santiago. Goiânia (GO), Brasil.

Gabriela Camargo Tobias, Instituto de Patologia Tropical e Saúde Pública.

Enfermeira. Mestre em Enfermagem. Doutoranda pelo Programa de Pós-Graduação em Medicina Tropical da Universidade Federal de Goiás. Goiânia (GO), Brasil.

Cristiane Chagas Teixeira, Faculdade de Enfermagem. Universidade Federal de Goiás.

Enfermeira. Mestre em Enfermagem. Doutoranda pelo Programa de Pós-Graduação em Enfermagem da Faculdade de Enfermagem da Universidade Federal de Goiás. Goiânia (GO), Brasil.

Referências

Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância Epidemiológica. Normas técnicas de profilaxia da raiva humana / Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde, Departamento de Vigilância Epidemiológica. Brasília: Ministério da Saúde; 2014.

Reichman, MLAB. Controle de populações de animais de estimação. Reichman, MLAB, Figueiredo ACC, Pinto HBF, Nunes VFP. Manual Técnico do Instituto Pasteur: São Paulo; 2000.

Hatz CF, Kuenzli E, Funk M. Rabies: relevance, prevention, and management in travel medicine. Infect Dis Clin North Am. 2012;26(3):739-53.

História da Cidade. Senador Canedo – GO [Internet] 2018. [cited 2018 Abr 17]. Available from: https://www.senadorcanedo.go.gov.br/a-cidade/historia-da-cidade/

DATASUS - Departamento de Informática do Sistema Único de Saúde. Brasília: Ministério da Saúde [Internet] 2018. [cited 2018 Abr 17]. Available from: http://www2.datasus.gov.br/DATASUS/index.php?area=02

SINAN - Sistema de Informação de Agravos de Notificação. Brasília: Ministério da Saúde [Internet] 2018. [cited 2018 Abr 17]. Available from: http://www.portalsinan.saude.gov.br/o-sinan

Campanha Nacional de Vacinação Antirrábica. Brasília: Ministério da Saúde [Internet] 2017. [cited 2018 Abr 14]. Available from: http://pni.datasus.gov.br/consulta_antirabica_17_selecao.asp?enviar=ok&sel=doses01&UF=GO

Campanha de Vacinação contra a raiva. Goiânia: Superintendência de Vigilância em Saúde [Internet] 2018. [cited 2018 Abr 14]. Available from: http://www.visa.goias.gov.br/post/ver/223870/campanha-de-vacinacao-contra-raiva-sera-nesse-sabado-dia-23-09

Ministério da Saúde (BR). Conselho Nacional de Saúde. Resolução n° 466, 2012. Diretrizes e Normas regulamentadoras de pesquisa envolvendo seres humanos. Brasília: Ministério da Saúde; 2012.

Ministério da Saúde (BR). Ofício Circular GVE XIV nº 185/2015. Declaração do MS de que não tem prazo definido para receber as doses da vacina antirrábica canina/felina. Brasília: Ministério da Saúde; 2015.

Moretti GMA. Estudo da campanha de vacinação contra a raiva em cães e gatos em área do município de São Paulo [Dissertação]. São Paulo: Universidade de São Paulo; 2013.

Miranda CFJ, Silva JA, Moreira ÉC. Raiva humana transmitida por cães: áreas de risco em Minas Gerais, Brasil, 1991-1999. Cad Saúde Pública. 2003;19(1):91-9.

Cardoso JM. Comunicação, saúde e discurso preventivo: reflexos a partir de uma leitura das campanhas nacionais de Aids veiculadas pela TV (1987-1997) [Dissertação]. Rio de Janeiro: Escola de Comunicação-CFCH, Universidade Federal do Rio de Janeiro; 2002.

Paranhos NT, Silva EA, Bernardi F, Mendes MCNC, Junqueira DMAG, Souza IOM, et al. Estudo das agressões por cães, segundo tipo de interação entre cão e vítima, e das circunstâncias motivadoras dos acidentes, município de São Paulo, 2008 a 2009. Arq Bras Med Vet Zootec. 2013;65(4):1033-040.

Secretaria Estadual de Saúde. Governo do Estado de Pernambuco. PE Vacina Cães e Gatos contra a Raiva, Recife – PE [Internet] 2018. [cited 2018 Abr 14]. Available from: http://portal.saude.pe.gov.br/noticias/secretaria-executiva-de-vigilancia-em-saude/pe-vacina-caes-e-gatos-contra-raiva

Oliveira AVB, Agra da Silva R, Gomes AAB. Campanha Nacional de Vacinação Contra Raiva Animal nos Municípios da Microrregião de Catolé do Rocha – PB, no período e 2007 a 2006. Rev Verde. 2010;5(1):101-09.

Ministério da Saúde (BR). Fundação Nacional de Saúde. Encontro Nacional dos Coordenadores de Zoonoses. Relatório Anual. Brasília: Ministério da Saúde; 2002.

WHO - World Health Organization. World Society for Protection of Animals. Guidelines for the dog population management. Genebra; 1992.

IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Cidades. [Internet] 2010. [cited 2018 Abr 21]. Available from: http://www.cidades.ibge.gov.br/xtras/perfil.php?lang=&codmun=230015&searc h=ceara|acarape|infograficos:-informacoes-completas

Moutinho FFB, Nascimento ER, Paixão RL. Raiva no Estado do Rio de Janeiro, Brasil: análise das ações de vigilância e controle no âmbito municipal. Ciênc saúde coletiva. 2015;20(2):577-86.

Silva MNG, Mistieri MLA, Júnior WSF, Centeno LVP, Pascon JPE, Lubeck I, et al. Projeto “melhor amigo” na conscientização da guarda responsável de animais de estimação. Rev Ciênc Ext. 2013;9(3):43-52.

Saraiva DS, Thomaz EBAF, Caldas AJM. Raiva humana transmitida por cães no Maranhão: avaliação das diretrizes básicas de eliminação da doença. Cad Saúde Colet. 2014;22(3):281-91.

Oliveira VMR, Pereira PLL, Silva JA, Miranda CFJ, Rodrigues KO, Rodrigues TO, et al. Mordedura canina e atendimento antirrábico humano em Minas Gerais. Arq Bras Med Vet Zootec. 2012;64(4):891-98.

Ministério da Saúde (BR). Nota Informativa nº 26-SEI/2017-CGPNI/DEVIT/SVS/MS. Que informa sobre alterações no esquema de profilaxia da raiva humana pós-exposição e orienta quanto à correta utilização da via intradérmica nas situações em que esta for recomendada. Brasília: Ministério da Saúde; 2017.

Downloads

Publicado

09-12-2019