MOBILIDADE FUNCIONAL DE PACIENTES CRÍTICOS EM TERAPIA INTENSIVA: UM ESTUDO PILOTO

Autores

  • Jéssica Brenda Garcia Camargo Hospital de Base da Fundação Faculdade Regional de Medicina (FUNFARME) / Fisioterapeuta intensivista. https://orcid.org/0000-0002-0570-5857
  • Odete Mauad Cavenaghi Hospital de Base da Fundação Faculdade Regional de Medicina (FUNFARME) / Fisioterapeuta intensivista e Supervisor do Programa de Pós-graduação modalidade Aprimoramento Profissional em Fisioterapia em UTI Adulto. https://orcid.org/0000-0001-5041-8235
  • Juliana Rodrigues Correia Mello Hospital de Base da Fundação Faculdade Regional de Medicina (FUNFARME) / Fisioterapeuta intensivista, Supervisor do Programa de Pós-graduação modalidade Aprimoramento Profissional em Fisioterapia em UTI Adulto, Chefe do Serviço de Fisioterapia. http://orcid.org/0000-0002-9936-9558
  • Marcus Vinicius Camargo de Brito Hospital de Base da Fundação Faculdade Regional de Medicina (FUNFARME) / Fisioterapeuta intensivista e Supervisor do Programa de Pós-graduação modalidade Aprimoramento Profissional em Fisioterapia em UTI Adulto. https://orcid.org/0000-0002-6091-415X
  • Lucas Lima Ferreira Hospital de Base da Fundação Faculdade Regional de Medicina (FUNFARME) / Fisioterapeuta intensivista e Supervisor do Programa de Pós-graduação modalidade Aprimoramento Profissional em Fisioterapia em UTI Adulto http://orcid.org/0000-0002-7501-9828

DOI:

https://doi.org/10.13037/ras.vol18n63.6101

Palavras-chave:

Força muscular, fisioterapia, mobilidade precoce, unidades de terapia intensiva.

Resumo

Introdução: A fraqueza muscular adquirida é uma complicação que acomete de 30% a 60% dos pacientes internados nas unidades de terapia intensiva (UTI). Estratificar a funcionalidade do paciente crítico na admissão é uma importante ferramenta para estabelecer prognósticos funcionais. Objetivo: Avaliar e comparar a mobilidade funcional de pacientes críticos internados em UTI na admissão e na alta da unidade. Materiais e Métodos: Estudo piloto realizado na UTI Geral e UTI Neurocirúrgica de um hospital escola, em São José do Rio Preto, SP. Foram selecionados prospectivamente pacientes adultos entre 18 e 60 anos, sedados, em ventilação mecânica invasiva. Foram identificados dados sociodemográficos, clínicos e hemodinâmicos à admissão na unidade e aplicada a escala de mobilidade funcional em UTI (EMU), na admissão e na alta da unidade. Foi aplicada estatística inferencial com teste de Wilcoxon. O nível de significância foi p?0,05. Resultados: A amostra foi composta por 28 pacientes, maior prevalência (54%) do sexo masculino, com média de idade de 54,56±22,52 anos. A especialidade de internação mais prevalente foi a neurológica com 57%. Houve incremento significativo (p<0,0001) na comparação da mobilidade funcional entre admissão (0,25±0,44) e alta (2,21±1,77) da UTI. Conclusão: Essa amostra de pacientes críticos, internados em unidade de terapia intensiva sedados e em ventilação mecânica invasiva, evoluiu com melhora estatística significativa da mobilidade funcional na comparação entre a admissão e a alta da unidade. Contudo, em termos clínicos, não houve evolução na funcionalidade desta amostra de pacientes da admissão para a alta da UTI.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Odete Mauad Cavenaghi, Hospital de Base da Fundação Faculdade Regional de Medicina (FUNFARME) / Fisioterapeuta intensivista e Supervisor do Programa de Pós-graduação modalidade Aprimoramento Profissional em Fisioterapia em UTI Adulto.

Mestrado em Ciências da Saúde pela Faculdade de Medicina de São José do Rio Preto (FAMERP);

Especialização em Fisioterapia Respiratória pela Universidade Cidade de São Paulo (UNICID).

Juliana Rodrigues Correia Mello, Hospital de Base da Fundação Faculdade Regional de Medicina (FUNFARME) / Fisioterapeuta intensivista, Supervisor do Programa de Pós-graduação modalidade Aprimoramento Profissional em Fisioterapia em UTI Adulto, Chefe do Serviço de Fisioterapia.

Especialista Profissional em Fisioterapia em Terapia Intensiva Adulto pela Associação de Fisioterapia Respiratória e Fisioterapia em Terapia Intensiva (ASSOBRAFIR);

Especialização lato sensu em Fisioterapia Cardiorrespiratória pela Faculdade de Medicina de São José do Rio Preto (FAMERP).

Lucas Lima Ferreira, Hospital de Base da Fundação Faculdade Regional de Medicina (FUNFARME) / Fisioterapeuta intensivista e Supervisor do Programa de Pós-graduação modalidade Aprimoramento Profissional em Fisioterapia em UTI Adulto

Fisioterapeuta intensivista e Supervisor do Programa de Pós-graduação modalidade Aprimoramento Profissional em Fisioterapia em UTI Adulto da Faculdade de Medicina de São José do Rio Preto (FAMERP);

Docente do Departamento de Fisioterapia da União das Faculdades dos Grandes Lagos (UNILAGO);

Mestrado em Fisioterapia pela Universidade Estadual Paulista "Julio de Mesquita Filho" (UNESP);

Especialização em Fisioterapia em Unidade de Terapia Intensiva Adulto pela Universidade Candido Mendes (UCAM);

Pós-graduado em Aprimoramento em Fisioterapia Hospitalar pela Faculdade de Medicina de São José do Rio Preto (FAMERP);

Graduado em Fisioterapia pela Fundação Educacional de Fernandópolis (FEF).

Referências

Silva APP, Maynard K, Cruz MR. Efeitos da fisioterapia motora em pacientes críticos: revisão de literatura. Rev Bras Ter Intensiva. 2010;22(1)85-91.

Korupolu R, Gifford JM, Needham DM. Early mobilization of critically ill patients: reducing neuromuscular complications after intensive care. Contemp Crit Care. 2009;6(9):1-11.

Hodgson C, Bailey M,Ward A,Harrold M, et al. Feasibility and inter-rater reliability of the ICU Mobility Scale. Heart & Lung.2014;43(2):19-24.

Lipshutz AKM & Grooper MA. Acquired neuromuscular weakness and early mobilization in the intensive care unit. Anesthesiology. 2013;118(1):202-15.

De Jonghe B, Sharshar T, Lefaucheur J, et al. Paresis acquired in the intensive care unit: a prospective multicenter study. JAMA.2002;288:2859-67.

Hermans G, Van den Berghe G. Clinical review: intensive care unit acquired weakness. Crit Care. 2015;19:274.

Hermans G, De Jonghe B, Bruyninckx F, Van den Berghe G. Clinical review: Critical illness polyneuropathy and myopathy. Crit Care. 2008;12(6):238.

Denehy L, Berney S. Physiotherapy in the intensive care unit. Phys Ther. 2006;11(1):49-56.

Li Z, Peng X, Zhu B, Zhang Y, Xi X. Active mobilization for mechanically ventilated patients: a systematic review. Arch Phys Med Rehabil. 2013;94(3):551-61.

Castro-Avila AC, Seron P, Fan E, Gaete M, Mickan S. Effect of early rehabilitation during intensive care unit stay on functional status: systematic review and meta-analysis. Plos One. 2015;10(7): e0130722. doi:10.1371/journal.pone.0130722.

Morris PE, Goad A, Thompson C, et al. Early intensive care unit mobility therapy in the treatment of acute respiratory failure. Crit Care Med.2008;36(8):2238-43.

Schweickert WD, Pohlman MC, Pohlman AS, Nigos C, Pawlik AJ, Esbrook CL, et al. Early physical and occupational therapy in mechanically ventilated, critically ill patients: a randomised controlled trial. Lancet. 2009;373:1874–82.

Adler J, Malone D. Early mobilization in the intensive care unit: a systematic review. Cardiopul Phys Ther Journal. 2012;23(1):5-13.

Kawaguchi YMF, ET AL. Perme Intensive Care Unit Mobility Score e ICU Mobility Scale: tradução e adaptação cultural para a língua portuguesa falada no Brasil. J Bras Pneumol. 2016;42(6):429-34.

Ferreira LL. Escalas de avaliação funcional em terapia intensiva: revisão de literatura. Rev. Aten. Saúde. 2018;16(56):108-114.

Perme C, Nawa RK, Winkelman C, Masud F. A tool to assess mobility status in critically ill patients: The Perme Intensive Care Unit Mobility Score. Methodist Debakey Cardiovasc J. 2014;10(1):41-9. http://dx.doi.org/10.14797/mdcj-10-1-41

Denehy L, de Morton NA, Skinner EH, Edbrooke L, Haines K, Warrillow S, et al. A physical function test for use in the intensive care unit: validity, responsiveness, and predictive utility of the physical function ICU test (scored). Phys Ther. 2013;9312:1638–45.

Corner EJ, Wood H, Englebretsen C, Thomas A, Grant RL, Nikoletou D, et al. The Chelsea critical care physical assessment tool (CPAx): validation of na innovative new tool to measure physical morbidity in the general adult critical care population; an observational proof-of-concept pilot study. Physiotherapy. 2013;99:33–41.

Thrush A, Rozek M, Dekerlegand J. The clinical utility of the functional status score for the intensive care unit (FSS-ICU) at a long-term acute care hospital: a prospective cohort study. Phys Ther. 2012;92:1536–45.

Kasotakis G, Schmidt U, Perry D, Grosse-Sundrup M, Benjamin J, Ryan C, et al. The surgical intensive care unit optimal mobility score predicts mortality and length of stay. Crit Care Med. 2012;40(4):1122–8.

Sessler CN, Gosnell M, Grap MJ, Brophy GT, O'Neal PV, Keane KA et al. The Richmond Agitation-Sedation scale: validity and reliability in adult intensive care patients. Am J Respir Crit Care Med. 2002; 166:1338-44.

Jones AE, Trzeciak S, Kline JA. The Sequential Organ Failure Assessment score for predicting outcome in patients with severe sepsis and evidence of hypoperfusion at the time of emergency department presentation. Crit Care Med. 2009;37(5):1649–54.

Dantas CM, Silva PFS, Siqueira HT, Pinto RMF, Matias S, Maciel C, et al. Influência da mobilização precoce na força muscular periférica e respiratória em pacientes críticos. Rev Bras Ter Intensiva. 2012;24(2):173-8.

Jesus FS, Paim DM, Brito JO, Barros IA, Nogueira TB, Martines BP, et al. Mobility decline in patients hospitalized in an intensive care unit. Rev Bras Ter Intensiva. 2016;28(2):114-9.

Borges JB, Ferreira DL, Carvalho SM, Martins AS, Andrade RR, Silva MA. Avaliação da intensidade de dor e da funcionalidade no pós-operatório recente de cirurgia cardíaca. Braz J Cardiovasc Surg. 2006;21(4):393-402.

Martinez BP, Bispo AO, Duarte AC, Gomes Neto M. Declínio funcional numa unidade de terapia intensiva. Rev Inspirar Mov e Saúde. 2013;5(1):1-5.

Cordeiro ALL, Brito AALR, Santana NMA, Silva INMS, Nogueira SCO, Guimarães ARF, et al. Análise do grau de independência funcional pré e na alta da uti em pacientes submetidos à cirurgia cardíaca. Rev Pesq Fisioter. 2015;5(1):21-7.

Covinsky KE, Palmer RM, Fortinsky RH, Counsell SR, Stewart AL, Kresevic D, et al. Loss of independence in activities of daily living in older adults hospitalized with medical illnesses: increased vulnerability with age. J Am Geriatr Soc. 2003;51(4):451-8.

Dietrich C, Leães CGS, Veiga GM, Rodrigues CS, Cunha LS, Santos LJ. Funcionalidade e qualidade de vida de pacientes internados na unidade de terapia intensiva. ASSOBRAFIR Ciência. 2014;5(1):41-51.

França EE, Ferrari F, Fernandes P, Cavalcanti R, Duarte A, Martinez BP, et al. Fisioterapia em pacientes críticos adultos: recomendações do Departamento de Fisioterapia da Associação de Medicina Intensiva Brasileira. Rev Bras Ter Intensiva. 2012;24(1):6-22.

Fermiano NTC, Cavenaghi OM, Correia JR, Brito MVC, Ferreira LL. Avaliação dos níveis álgicos de pacientes críticos em terapia intensiva, antes, durante e após sessão de fisioterapia respiratória: um estudo piloto. Sci Med. 2017;27(2):ID26647.

Downloads

Publicado

24-03-2020