Prevalência de Longitudinalidade e Fatores Associados no Cuidado às Crianças

Autores

DOI:

https://doi.org/10.13037/ras.vol19n68.6894

Palavras-chave:

Atenção Primária à Saúde, Saúde de Criança, Pesquisa sobre serviços de saúde.

Resumo

Introdução: A longitudinalidade é um dos princípios da Atenção Primária à Saúde (APS) estabelecida quando há uma relação de vínculo e confiança entre usuários e profissionais. Objetivo: Analisar a prevalência do atributo longitudinalidade na experiência do familiar e/ou cuidador de crianças associado aos fatores individuais e contextuais nos municípios que compõe a quarta Coordenadoria Regional de Saúde do estado do Rio Grande do Sul, Brasil. Método: Foi realizado um estudo transversal multinível com amostra composta por 1.059 familiares e/ou cuidadores de crianças que acessaram os serviços de Atenção Primária à Saúde. Para coleta de dados utilizou-se questionário de caracterização e o Instrumento de Avaliação da Atenção Primária à Saúde Brasil versão criança. Os dados foram analisados utilizando o programa estatístico STATA 14.0, onde realizou-se uma análise de regressão de Poisson multinível. Resultados: O estudo revelou que municípios de menor porte apresentaram menor prevalência do atributo, e que, quanto maior a cobertura vacinal maior a prevalência. Ainda, familiares/cuidadores que possuem plano de saúde reconhecem os serviços de APS como fonte regular de cuidado. O modelo final não mostrou associação estatisticamente significante com o atributo avaliado. Conclusão: Não houve distinção na prevalência de longitudinalidade entre os diferentes modelos de atenção e isso demostra que há necessidade de aprimorar o processo de trabalho das equipes de Saúde da Família, visto que este modelo deveria estar mais orientado para a longitudinalidade de que o modelo tradicional e misto.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

OPAS. Renovación de la Atención Primaria de Salud en las Américas. Brasil: Organização Panamericana de Saúde, 2005.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção em Saúde. Departamento de Atenção Básica. Manual do instrumento de avaliação da atenção primária à saúde: primary care assessment tool PACTool - Brasil. Brasília: Ministério da Saúde; 2010. 80 p.

Cunha EM, Giovanella L. Longitudinalidade/Continuidade do Cuidado: identificando dimensões e variáveis para a avaliação da Atenção Primária no contexto do sistema público de saúde brasileiro. Ciências e saúde Coletiva. 2011; 16(1): 1029-1042.

Starfield B. Atenção primária: equilíbrio entre necessidades de saúde, serviços e tecnologia. Brasília: UNESCO, Ministério da Saúde; 2002. 726 p.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Saúde da criança: crescimento e desenvolvimento / Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. – Brasília: Ministério da Saúde, 2012. 272 (Cadernos de Atenção Básica, nº 33) ISBN 978-85-334-1970-4

Morais JMO, Nogueira CMCS, Morais FRR. First contact access in primary health care for children from 0 to 9 years old. Rev Cuidado Fundamental. 2017; 9(3):848-856. DOI: 10.9789/2175-5361.2017.v9i3.848-856.

Silva AS, Fracolli L.A. Evaluation of child care in the Family Health Strategy. Rev. Bras. de Enfermagem. 2016; 69 (1): 54-61. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/0034-7167.2016690107i

Oliveira VC, Verissimo MOR. The practice of longitudinality in attendance of children’s health: comparison between distinct care models. Rev. Cogitare Enfermagem. 2015; 20 (1): 45-52.

Harzheim E, Starfield B, Rajmil L, Dardet CA, Stein AT. Consistência interna e confiabilidade da versão em português do Instrumento de Avaliação da Atenção Primária (PCATool-Brasil) para serviços de saúde infantil. Cad. Saúde Pública. 2006; 22 (8): 1649-1659.

IBGE. Diretoria de |Pesquisa – DPE. Coordenação de População e Indicadores Sociais - COPIS. NOTA: Estimativa da população residente com data de referencia 1º de julho de 2011.

Wolkers PCB, Macedo JCB, Rodrigues CM, Furtado MCC, Mello DF. Primary care for children with type 1 diabetes mellitus: perspective of caregivers. Rev.Acta paulista enfermagem. 2017; 30 (5):451-457. DOI http://dx.doi.org/10.1590/1982- 0194201700066)

Silva CB, Paula CC, Lopes LFD, Harzheinm E, Magnago TSBS, Schimith MD. Health care for children and adolescents with HIV: a comparison of services. Rev.Brasileira de Enfermagem. 2016; 69 (3): 522-531. DOI:10.1590/0034-7167.2016690315i

Harzheim E, Pinto LF, Hauser L, Soranz D. Assessment of child and adult users of the degree of orientation of Primary Healthcare in the city of Rio de Janeiro, Brazil. Rev. Ciências e Saúde Coletiva. 2016; 21 (5):1399-1408. DOI: 10.1590/1413-81232015215.26672015

Fracolli LA, Muramatsu MJ, Gomes MFP, Nabão FRZ.. Rev. o mundo da Saúde. 2015; 15(39): 54-61. Evaluation of the Primary Healthcare attributes in a municipality located in the countryside of São Paulo State – Brazil. DOI: 10.15343/0104-7809.201539015461

Brasil. Organização Pan-Americana da Saúde inovando o papel da Atenção primária nas redes de Atenção à Saúde: resultados do laboratório de inovação em quatro capitais brasileiras. Conselho Nacional de Secretários Estaduais de Saúde; Conselho nacional de Secretários Municipais de Saúde. Brasília: Organização Pan Americana da saúde, 2011. ISBN: 978-85-7967-066-4.

Streck MTH, Gomes BCF, Carvalho JL. Soder AB, Weiller TH, Damaceno AN. First contact access of the child to primary health care services: integrative review. International Journal Of Development Research. 2018; v.8 (10): 23315-23321. ISSN: 2230-9926.

Finkler AL,Viera CS, Tacla MT, Toso BR . O acesso e a dificuldade na resolutividade do cuidado da criança na atenção primária à saúde. Rev. Acta Paulista de Enfermagem. 2014; 27(6): 548-5. DOI http://dx.doi.org/10.1590/1982- 0194201400089

Rivera C, Felló G, Berra S. La experiencia de continuidad con el proveedor de atención primaria en escolares. Rev Bras Med Fam Comunidade. 2013; 8(29):227-34.

Kessler M, Lima SBS, Weiller TH, Lopes LFD, Ferraz L, Thumé E. Longitudinality in Primary Health Care: a comparison between care models. Rev Bras Enferm. 2018; 71 (3):1063-71. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/0034-7167-2017-0014

Frank BRB; Viera CS; Ross C; Obregón PL; Toso BRGO. Avaliação da longitudinalidade em unidades de Atenção Primária à Saúde. Rev. Saúde e Debate. 2015; 39 (105): 400-410. DOI: 10.1590/0103-110420151050002008

Reichert APS; Rodrigues PF; Albuquerque TM; Collet N; Minayo MCS.Vínculo entre enfermeiros e mães de crianças menores de dois anos: percepção de enfermeiros. Rev. Ciências e Saúde Coletiva. 2016; 21(8): 2375-2382. DOI: 10.1590/1413-81232015218.07662016

Silva AS, Baitelo TC, Fracolli LA. Avaliação da Atenção Primária à Saúde: a visão de usuários e profissionais sobre a Estratégia de Saúde da Família. Rev. Latino Americana de Enfermagem. 2015; 15. (23): 979-87. DOI: 10.1590/0104-1169.0489.2639

Diez-Roux AV. Multilevel analysis in public health research. Annu Rev Public Health. 2000;21:171-92. DOI:10.1146/annurev.publhealth.21.1.171

Publicado

2021-06-30

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)