Prevalência de integralidade e fatores associados na saúde da criança em municípios da 4ª região de saúde do Rio Grande do Sul

Autores

DOI:

https://doi.org/10.13037/ras.vol19n67.7215

Palavras-chave:

atenção primária à saúde, Saúde de criança, Integralidade em Saúde, Pesquisa sobre Serviços de Saúde

Resumo

Objetivo: Investigar a prevalência do atributo integralidade e seus fatores associados à saúde da criança nos municípios da 4º Coordenadoria Regional de Saúde, Brasil. Materiais e Métodos: Foi realizado um estudo transversal multinível de caráter regional. A população foi composta por familiares/cuidadores de crianças que acessam os serviços de Atenção Primária. Para a coleta de dados, utilizou-se um questionário de caracterização e o Instrumento de Avaliação da Atenção Primária à Saúde Brasil versão criança. A análise de dados foi realizada através do programa Stata 14.0. Resultados: Do total de 1000 entrevistados, a prevalência da integralidade foi de 45% (Intervalo de Confiança: 41,9-48,1) no cenário avaliado. Crianças com faixa etária entre 12 a 18 anos apresentaram 30% menor prevalência do atributo integralidade quando comparadas com aquelas de até 5 anos de idade. Conclusão: Os responsáveis por crianças mais velhas procuram os serviços de saúde na Atenção Primária à Saúde de forma menos integral. A prevenção de agravos e doenças em crianças necessita de um conjunto de medidas a serem tomadas, que devem articular o cuidado para que haja menores limitações e mais oportunidades para crianças e suas famílias acessarem os serviços de saúde de forma integral, principalmente tratando-se de crianças mais velhas. Espera-se que este estudo contribua para a construção de novos alicerces e práticas em saúde relacionadas à integralidade na saúde da criança.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Starfield B. Atenção primária: equilíbrio entre necessidades de saúde, serviços e tecnologia. Brasília: UNESCO, Ministério da Saúde; 2002.

Mendes EV. A construção social da Atenção Primária à Saúde. Brasília: CONASS; 2015.

Ministério da Saúde (Brasil). Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Política Nacional de Atenção Básica. Brasília: Ministério da Saúde; 2012.

Carvalho JL, et al. Evaluation of child health care in primary health care: integrative review. International Journal of Development Research 2019; 09(03):26685-26691.

Donabedian A. The Quality of Medical Care. Science 1978; 200(4344):856-864.

Departamento de Atenção Básica (Brasil). Manual do instrumento de avaliação da atenção primária à saúde- Primary care assessment tool, PCATool. Brasília: Ministério da Saúde, 2020.

Ministério da Saúde (Brasil). Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Criança: orientações para implementação. Brasília: Ministério da Saúde; 2018.

Silva RMM, et al. A integralidade na assistência à saúde da criança na visão dos cuidadores. Saúde em Debate 2015; 39(106):718–29.

Streck MTH, et al. First contact access of the child to primary health care services: integrative review. International Journal of Development Research 2018; 8(10):23315-23321.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Diretoria de Pesquisa – DPE. Coordenação de População e Indicadores Sociais - COPIS. Nota: Estimativa da população residente com data de referência de 2010.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Diretoria de Pesquisa – DPE. Coordenação de População e Indicadores Sociais - COPIS. Nota: Estimativa da população residente com data de referencia 1º de julho de 2011.

Polit DF, Beck CT. Fundamentos de pesquisa em enfermagem: a avaliação de evidências para a prática da enfermagem. 9. ed. Porto Alegre: Artmed; 2019.

Diniz SGM, et al. Avaliação do atributo integralidade na atenção à saúde da criança. Revista Gaúcha de Enfermagem 2016; 37(4).

Centro de Defesa da Criança e do Adolescente Atualização da Lei nº 8.069, de 13 de julho de 1990. Dispõe sobre o Estatuto da Criança e do Adolescente. Rio de Janeiro: Centro de Defesa da Criança e do Adolescente; 2020.

Carnut L. Cuidado, integralidade e atenção primária: articulação essencial para refletir sobre o setor saúde no Brasil. Saúde em Debate 2017; 41(115):117786.

Ministério da Saúde (Brasil). Portaria nº 2.488, de 21 de outubro de 2011. Aprova a Política Nacional de Atenção Básica, estabelecendo a revisão de diretrizes e normas para a organização da Atenção Básica, para Estratégia de Saúde da Família (ESF) e o Programa de Agentes Comunitários de Saúde (PACS). Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília: Ministério da Saúde; 2011.

Sarti TD, et al. Qual o papel da Atenção Primária à Saúde diante da pandemia provocada pela COVID-19? Epidemiol. Serv. Saúde 2020; 29(2).

Damaceno NA, Bandeira D, Weiller TH. Avaliação do acesso de primeiro contato na atenção primária da 4ª Coordenadoria Regional de Saúde do Estado do Rio Grande do Sul. Biblioteca Lascasas, 2016; 12(2).

Starfield B, et al. Contribution of primary care to health systems and health. Milbank 2005; 83(1).

Araujo JP, et al. Assessment of the essential attributes of Primary Health Care for children. Rev Bras Enferm. 2018; 71(3):1366-72.

Pinheiro R. As práticas do cotidiano na relação oferta e demanda dos serviços de saúde: um campo de estudo e construção da integralidade. Os sentidos da integralidade na atenção e no cuidado à saúde 2001; 4.

Damasceno SS, et al. Saúde da criança no Brasil: orientação da rede básica à Atenção Primária à Saúde. Ciência & Saúde Coletiva 2016; 21(9):2961–73.

Reichert APS; Rodrigues PF; Albuquerque TM; Collet N; Minayo MCS.Vínculo entre enfermeiros e mães de crianças menores de dois anos: percepção de enfermeiros. Rev. Ciências e Saúde Coletiva 2016; 21(8):2375-2382.

Martins JS, et al. Estudo comparativo entre Unidades de Saúde com e sem Estratégia Saúde da Família por meio do PCATool. Revista Brasileira de Medicina de Família e Comunidade 2017; 11(38):1-13.

Sousa FGM, et al. Condições limitadoras para a integralidade do cuidado à criança na atenção básica de saúde. Texto & Contexto - Enfermagem 2011; 20:263–71.

Branquinho ID, Lanza FM. Saúde da criança na atenção primária: evolução das políticas brasileiras e a atuação do enfermeiro. Revista de Enfermagem do Centro-Oeste Mineiro 2018; 8.

Diez-Roux AV. Multilevel analysis in public health research. Annu Rev Public Health 2000; 21:171-92.

Publicado

19-04-2021

Edição

Seção

ARTIGOS ORIGINAIS

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)