A VIOLÊNCIA OBSTÉTRICA COMO VIOLAÇÃO DO DIREITO À SAÚDE DA MULHER: UMA REVISÃO NARRATIVA

Autores

Palavras-chave:

Direitos sexuais e reprodutivos, Cesárea, Saúde da Mulher, Episiotomia.

Resumo

Introdução: A violência obstétrica se expressa como uma violação do direito à saúde feminina. Das mulheres que tiveram seus filhos em maternidades públicas e privadas brasileiras, 25% já foram submetidas a alguma forma de violência obstétrica, período no qual elas deveriam ser protagonistas e receber atendimentos adequados dos profissionais da saúde. Objetivo: Ressaltar a contradição existente entre os aparatos legais e a permanência da violação do direito à saúde da mulher. Materiais e Métodos: Foi realizada uma revisão narrativa nas bases de dados Pubmed, SciELO e Lilacs no período de 1999 a 2018, utilizando as combinações dos termos “Direitos reprodutivos”, “Cesárea”, “Saúde da Mulher” e “Episiotomia”. Abordou-se tanto os aparatos legais quanto os programas assistenciais voltados para a garantia de atendimentos adequados às mulheres e dos direitos dessas. Desenvolvimento: Apesar das consequências à integridade física, emocional e psíquica da mulher, foram identificadas práticas médicas como a episiotomia, o “ponto do marido”, a manobra de Kristeller e elevados números de cesarianas realizadas de forma indiscriminada e sem justificativas clínicas plausíveis, situações que reiteram os danos psicossociais e a vulnerabilidade da mulher. Conclusão: A necessidade de compreensão desse fenômeno complexo e de suas manifestações, aliada ao estabelecimento de sua definição em termos legais, torna-se relevante para conter não apenas a naturalização da violação do direito da mulher, mas também a perpetuação, na obstetrícia, de uma cascata de intervenções que rompe com a singularidade da atenção e do cuidado que esses indivíduos necessitam.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Lara Azevedo Teixeira, Universidade Federal de Uberlândia

Discente do curso de Graduação em Medicina

Layanne Cintra Soares, Universidade Federal de Uberlândia

Discente do curso de Graduação em Medicina

Veronica Perius de Brito, Universidade Federal de Uberlândia

Discente do curso de Graduação em Medicina

Alice Mirane Malta Carrijo, Universidade Federal de Uberlândia

Discente do curso de Graduação em Medicina

Marcela Gomes de Souza, Universidade Federal de Uberlândia

Discente do curso de Graduação em Medicina

Stefan Vilges de Oliveira, Universidade Federal de Uberlândia

Docente do Departamento de Saúde Coletiva da Faculdade de Mecinina

Referências

Venturi G, Godinho T. Mulheres brasileiras e gênero nos espaços público e privado: uma década de mudanças na opinião pública. São Paulo: Fundação Perseu Abramo/SESC-SP; 2013.

Ministério da Saúde (Brasil). Portaria no 1.459, de 24 de junho de 2011. Institui, no âmbito do Sistema Único de Saúde-SUS-a Rede Cegonha. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, 2011.

Ministério da Saúde (BR). Portaria nº. 569, de 1 de junho de 2000. Institui o Programa de Humanização no Pré-natal e Nascimento, no âmbito do Sistema Único de Saúde. Diário Oficial da União 2000;8 jun.

Ministério da Saúde. Programa de Assistência integral à saúde da mulher: bases de ação programática. Brasília, DF; 1984.

Ministério da Saúde (BR), Secretaria de Atenção à Saúde. Direitos sexuais e direitos reprodutivos: uma prioridade do governo. Brasília (DF); 2005.

Ministério da Saúde (BR), Secretaria de Atenção à Saúde. Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Mulher: princípios e diretrizes. Brasília (DF); 2004.

Ministério da Saúde (BR), Conitec. Diretriz Nacional de Assistência ao Parto Normal. Brasília (DF); 2016.

Ministério da Saúde (BR), Secretaria de Atenção à Saúde. Manual prático para implementação da Rede Cegonha. Brasília (DF); 2011.

Coelho EBS, Calvo MCM, Coelho CC. Saúde da mulher: um desafio em construção. Florianópolis: Editora da UFSC; 2006. p. 205-16.

Zanardo GLP, Uribe MC, Nadal AHR, Habigzang LF. Violência Obstétrica no Brasil: uma revisão narrativa. Psicologia. 2017;29(1):200-7.

Muniz BMV, Barbosa RM. Problematizando o atendimento ao parto: cuidado ou violência? In: Convenção Internacional de Saúde Pública, Havana, Cuba. 2012:3-7.

Gonçalves R, Aguiar CA, Merighi MAB, Jesus MCP. Vivenciando o cuidado no contexto de uma cada de parto: o olhar das usuárias. Rev Esc Enferm USP. 2011;45(1):62-70.

Rother ET. Revisão sistemática X revisão narrativa. Acta paul enferm. 2007; 20(2):V-VI.

Brasil. Lei nº 11.108, de 7 de abril de 2005. Altera a Lei n. 8.080, de 19 de setembro de 1990, para garantir às parturientes o direito à presença de acompanhante durante o trabalho de parto, parto e pós-parto imediato, no âmbito do Sistema Único de Saúde-SUS. Diário Oficial da União; 8 abr.

Serviço Nacional de Saúde. Parto: Novas recomendações da OMS. [acesso em 16 de maio de 2020]. Disponível em: https://www.sns.gov.pt/noticias/2018/02/20/parto-novas-recomendacoes-da-oms.

Viana IO, Quintão A, Andrade CRA, Ferreira FA, Dumont RD, Ferraz FO, et al. Episiotomia e suas complicações: revisão da literatura. Rev Med Minas Gerais 2011; 21(2): 43-46.

Myers-Helfgott MG, Helfgott AW. Routine use of episiotomy in modern obstetrics. Should it be performed? Obstet Gynecol Clin North Am. 1999; 26:305-25.

Mattar R, Aquino MMA, Mesquita MRS. A prática da episiotomia no Brasil. Rev Bras Ginecol Obstet. 2007;29(1):1-2

Organização Mundial da Saúde (OMS). Assistência ao parto normal: um guia prático. Genebra;1996.

Dengo VAR, Silva RDS, Souza SRRK, Aldrighi JD, Wall ML, Cancela FZV. A episiotomia na percepção de puérperas. Cogitare Enferm 2016; 21(3): 01-08.

São Bento PAS, Santos RS. Realização da episiotomia nos dias atuais à luz da produção científica: uma revisão. Escola Anna Nery. 2006;10(3):552-9.

Fundo das Nações Unidas para a Infância. Quem espera, espera [acesso em 17 maio 2020]. Disponível em: https://www.unicef.org/brazil/media/3751/file/Quem_espera_espera.pdf.

Novo JLVG, Pellicciari CR, Camargo LA, Bálsamo SB, Novo NF. Indicações de partos cesáreos em hospitais de atendimento ao Sistema Único de Saúde: baixo e alto riscos. Rev Fac Cienc Med Sorocaba. 2017; 19(2):67-71.

Aguiar JM, d'Oliveira AF, Schraiber LB. Violência institucional, autoridade médica e poder nas maternidades sob a ótica dos profissionais de saúde. Cad Saude Publica 2013;29(11):2287-96.

Conselho Nacional de Secretarias Municipais de Saúde. Portaria nº 353, de 14 de fevereiro de 2017. Aprova as Diretrizes Nacionais de Assistência ao Parto Normal [acesso em 16 de Abril de 2018]. Disponível em: www.conasems.org.br/wpcontent/uploads/2017/02/portaria353.pdf.

Leal MDC, Pereira APE, Domingues RMSM, Filha MMT, Dias MAB, Nakamura-Pereira M, et al. Intervenções obstétricas durante o trabalho de parto e parto em mulheres brasileiras de risco habitual. Cad Saúde Pública 2014; 30(1): 17-32.

Fundo das Nações Unidas para a Infância. Guia dos direitos da gestante e do bebê [acesso em 19 maio 2020]. Disponível em: https://www.unicef.org/brazil/media/2351/file/Guia_dos_Direitos_da_Gestante_e_do_Bebe.pdf.

Nucci M, Nakano AR, Teixeira LA. Ocitocina sintética e a aceleração do parto: reflexões sobre a síntese e o início do uso da ocitocina em obstetrícia no Brasil. História, Ciências, Saúde. 2018;25(4):979-98.

Ministério Público do Estado do Acre. Direito das mulheres no parto [acesso em 19 maio 2020]. Disponível em: https://www.mpac.mp.br/wp-content/uploads/cartilha-Direito-das-mulheres-no-parto.pdf.

Diniz SG, Chacham AS. O 'corte por cima' e o 'corte por baixo': o abuso de cesáreas e episiotomias em São Paulo. Questões Saúde Reprod. 2006;1(1):80-91.

Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo. Código de Ética Médica. São Paulo: Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo; 2001.

Downloads

Publicado

26-10-2020

Edição

Seção

ARTIGOS DE REVISÃO