OS (DES)AVANÇOS NOS NÍVEIS DE INDICADORES DE COMPETITIVIDADE DE DESTINOS TURÍSTICOS INDUTORES BRASILEIROS: O CASO DE SÃO RAIMUNDO NONATO

Autores

DOI:

https://doi.org/10.13037/gr.vol35n104.4820

Resumo

O turismo vem crescendo bastante em todo o mundo e sendo enquadrado na perspectiva econômica. Nesse contexto, o desempenho de seus destinos passou a ser avaliado com o mesmo parâmetro de outras atividades do mercado: a competitividade. No Brasil, para atender à meta do Plano Nacional de Turismo de estruturar 65 destinos turísticos, de modo a deixá-los em condições de competir internacionalmente, foi realizado um diagnóstico de seus níveis de competitividade. Para tanto, foi feita uma pesquisa documental, com abordagem qualitativa, visando a análise comparativa dos resultados do "Estudo dos 65 destinos" e a construção da agenda do Ministério do Turismo (MTur). A competitividade dos 65 destinos turísticos foi mensurada por meio de um indicador de competitividade composto de 13 pilares. No presente estudo, foi analisado o caso do Município de São Raimundo Nonato, que contribuiu para demonstrar possíveis falhas entre os resultados do Estudo e as ações do MTur.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Deborah Moraes Zouain, Universidade do Grande Rio - UNIGRANRIO

Professora do PPGA/UNIGRANRIO

Airton Nogueira Pereira Júnior, Associação Brasileira de Empresas Aéreas (ABEAR)

Diretor de Relações Institucionais da Associação Brasileira das Empresas Aéreas - ABEAR

Luiz Alexandre Valadão de Souza, Universidade do Grande Rio - UNIGRANRIO

Doutorando no PPGA/UNIGRANRIO

André Luís Faria Duarte, Universidade do Grande Rio - UNIGRANRIO Comissão Nacional de energia Nuclear - CNEN

Analista em C&T na Comissão Nacional de Energia Nuclear - CNEN

Doutorando no PPGA/UNIGRANRIO

Downloads

Publicado

24-05-2019