ESTRATÉGIAS DE APRENDIZAGEM UTILIZADAS POR GERENTES NO DESENVOLVIMENTO DE SUAS COMPETÊNCIAS EM INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS

Autores

DOI:

https://doi.org/10.13037/gr.vol37n112.6104

Palavras-chave:

estratégias de aprendizagem no trabalho, desenvolvimento de competências gerenciais, instituições financeiras

Resumo

As estratégias informais de aprendizagem no trabalho podem ser entendidas como práticas que as pessoas utilizam para auxiliar na obtenção de conhecimentos em um contexto profissional específico (HOLMAN et al., 2001), e o desenvolvimento de competências, por sua vez, ocorre por meio da aprendizagem (SONNENTAG; NIESSEN; OHLY, 2004). Esta pesquisa tem como objetivo geral identificar as estratégias de aprendizagem no trabalho utilizadas por gerentes no desenvolvimento de suas competências em instituições financeiras pública e privada. O tipo de metodologia utilizado foi a pesquisa qualitativa interpretativa básica, e a coleta de dados se deu por meio de entrevistas semiestruturadas. Os resultados obtidos indicam que, tanto para os gerentes pertencentes ao banco público quanto para aqueles oriundos do banco privado, há uma preferência natural pela utilização da estratégia de aprendizagem busca por ajuda interpessoal, pois recorrer a pares ou a superiores hierárquicos é mais prático e rápido.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Sergio Santoro, Universidade de Coimbra

Mestre em Administração de Empresas pela Universidade Presbiteriana Mackenzie.

Doutorando em Gestão de Empresas pela Universidade de Coimbra.

Diógenes de Souza Bido, Universidade Presbiteriana Mackenzie

Doutor em Administração de Empresas pela Universidade de São Paulo.

Referências

ANBIMA. Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais. Available on: <http://certificacao.anbid.com.br/cpa10.asp>. Accessed on: 21/08/2016.

Antonello, C. S. (2011). Saberes no singular? A falsa fronteira entre aprendizagem formal e informal. In: Antonello, C. S., Godoy, A. S. (Orgs.) Aprendizagem organizacional no Brasil. Porto Alegre: Bookman, pp. 225-245.

Brandão, H. P., Borges-Andrade, J. E. (2007). Causas e efeitos da expressão de competências no trabalho: Para entender melhor a noção de competência. Revista de Administração Mackenzie, 8(3), 32-49.

Boyatzis, R. E. (1982). The competent manager. New York: Wiley.

Cheetham, G., Chivers, G. (1996). Towards a holistic model of professional competence. Journal of European Industrial Training, 20(5), 20-30.

Cheetham, G., Chivers, G. (1998). The reflective (and competent) practitioner. A model of professional competence which seeks to harmonise the reflective practitioner and competence- based ANBIMA. Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais. Available on: <http://certificacao.anbid.com.br/cpa10.asp>. Accessed on: 21/08/2016.

Antonello, C. S. (2011). Saberes no singular? A falsa fronteira entre aprendizagem formal e informal. In: Antonello, C. S., Godoy, A. S. (Orgs.) Aprendizagem organizacional no Brasil. Porto Alegre: Bookman, pp. 225-245.

Brandão, H. P., Borges-Andrade, J. E. (2007). Causas e efeitos da expressão de competências no trabalho: Para entender melhor a noção de competência. Revista de Administração Mackenzie, 8(3), 32-49.

Boyatzis, R. E. (1982). The competent manager. New York: Wiley.

Cheetham, G., Chivers, G. (1996). Towards a holistic model of professional competence. Journal of European Industrial Training, 20(5), 20-30.

Cheetham, G., Chivers, G. (1998). The reflective (and competent) practitioner. A model of professional competence which seeks to harmonise the reflective practitioner and competence- basedANBIMA. Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais. Available on: <http://certificacao.anbid.com.br/cpa10.asp>. Accessed on: 21/08/2016.

Antonello, C. S. (2011). Saberes no singular? A falsa fronteira entre aprendizagem formal e informal. In: Antonello, C. S., Godoy, A. S. (Orgs.) Aprendizagem organizacional no Brasil. Porto Alegre: Bookman, pp. 225-245.

Brandão, H. P., Borges-Andrade, J. E. (2007). Causas e efeitos da expressão de competências no trabalho: Para entender melhor a noção de competência. Revista de Administração Mackenzie, 8(3), 32-49.

Boyatzis, R. E. (1982). The competent manager. New York: Wiley.

Cheetham, G., Chivers, G. (1996). Towards a holistic model of professional competence. Journal of European Industrial Training, 20(5), 20-30.

Cheetham, G., Chivers, G. (1998). The reflective (and competent) practitioner. A model of professional competence which seeks to harmonise the reflective practitioner and competence- based approaches. Journal of European Industrial Training, 22(7), 267-276.

Cheetham, G., Chivers, G. (2005). Professions, competence and informal learning. Cheltenham, UK: Edward Elgar.

Closs, L., Antonello, C. S. (2014). Aprendizagem de gestores no contexto das transformações contemporâneas no mundo do trabalho. RCA - Revista de Ciências da Administração, 16(39), 146-163.

Conte, D. L., Bido, D. S., Godoy, A. S. (2011). Estratégias de Aprendizagem Informal de Enfermeiros. In: Encontro da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração – EnANPAD, 35, 2011, Rio de Janeiro. Anais... Rio de Janeiro: ANPAD.

Durand, T. (2000). L’alchimie de la competénce. Revue Française de Gestion, 127(1), 84-102.

Eraut, M., Steadman, S., Cole, G., Marquand, J. (1994). Ethics in occupational standards, NVQs and SVQs. Sheffield: Employment Department.

Fortuna, E. (2005). Mercado Financeiro: Produtos e Serviços. 16ª Edição. Rio de Janeiro: Qualitymark.

Freitas, I. A., Brandão, H. P. (2006). Trilhas de aprendizagem como estratégia de TD&E. In: Borges-Andrade, J. E., Abbad, G., Mourão, L. (Orgs.). Treinamento, desenvolvimento e educação em organizações e trabalho: Fundamentos para a gestão de pessoas. Porto Alegre: Artmed-Bookman, pp. 97-113.

Godoi, C. K., Mattos, P. L. C. L. (2006). Entrevista qualitativa: Instrumento de pesquisa e evento dialógico. In: Godoi, C. K., Bandeira-de-Mello, R., Silva, A. B. (Orgs.). Pesquisa Qualitativa em Estudos Organizacionais: Paradigmas, Estratégias Hito, S. C. (2011). Aprendizagem da Função Gerencial em Bancos. Dissertação de Mestrado. São Paulo: Universidade Presbiteriana Mackenzie, Centro de Ciências Sociais e Aplicadas.

Holman, D., Epitropaki, O., Fernie, S. (2001). Understanding learning strategies in the workplace: A factor analytic investigation. Journal of Occupational and Organizational Psychology, 74(5), 675-681.

Holman, D., Totterdell, P., Axtell, C., Stride, C., Port, R., Svensson, R., Zibarras, L. (2012). Job design and the employee innovation process: The mediating role of learning strategies. Journal of Business Psychology, 27, 177-191.

Jessup, G. (1991). Outcomes: NVQs and the emerging model of education and training. London: The Falmer Press.

King, N. (2004). Using templates in the thematic analysis of text. In: Cassell, C., Symon, G. Essential guide to qualitative methods in organizational research. London: Sage Publications, pp. 256-270.

Klemp, G. O. (1980). The assessment of occupational competence. Report to the National Institute of Education, Washington, D.C.

Le Boterf, G. (1999). Competénce et navigation professionnelle. Paris: Éditions d’Organisation.

Marsick, V. J., Watkins, K. E. (2001). Informal and Incidental Learning. New Directions for Adult and Continuing Education, 89, 25-34.

McClelland, D. C., Dailey, C. (1972). Improving officer selection for the foreign service. Boston: McBer.

Ozar, D. T. (1993). Building awareness of ethical standards. In: Curry, L., Wergin, J. F. (Orgs.). Educating Professionals. San Francisco: Jossey-Bass, pp. 148-177.

Pantoja, M. J. (2004). Estratégias de aprendizagem no trabalho e percepções de suporte à aprendizagem contínua: Uma análise multinível. Tese de Doutorado não publicada – Brasília: Universidade de Brasília, Instituto de Psicologia.

Ruas, R. L. (2003). Mestrado modalidade profissional: Em busca da identidade. Revista de Administração de Empresas, 43(2), 55-63.

Schön, D. (1983). The reflective practitioner: How professionals think in action. London: Temple Smith.

Schroder, H. M. (1989). Managerial competencies: The key to excellence. Dubuque: Kendall-Hunt, IA.

Silva, A. B. (2009). Como os gerentes aprendem? São Paulo: Saraiva

Silva, L. L., Lisboa, E. F., Ferreira, L. B., Versiani, A. F., Sousa, P. R., Cordeiro, M. L. (2020). As instituições financeiras e sua relação com as fintechs no Brasil. Economia e Gestão, 20(55), 24-37.

Sonnentag, S., Niessen, C., Ohly, S. (2004). Learning at work: training and development. In: Cooper, C. L., Robertson, I. T. (Eds.). International Review of Industrial and Organizational Psychology. London: John Wiley and Sons, v. 19, pp. 249-289.

Sparr, J. L., Knipfer, K., Willems, F. (2017). How leaders can get the most out of formal training: The significance of feedback-seeking and reflection as informal learning behaviors. Human Resource Development Quarterly, 28(1), 29-54.

Ulrich, D. (2000). Recursos humanos estratégicos. São Paulo: Futura.

Ushiro, E. J., Bido, D. S. (2016). Estratégias de aprendizagem em função da finalidade para o aprendizado: Um estudo com trabalhadores da linha de produção de uma empresa do ramo automotivo. REAd – Revista Eletrônica de Administração, 83(1), 166-192.

Warr, P., Allan, C. (1998). Learning strategies and occupational training. In: Cooper, C. L., Robertson, I. T. (Eds.). International Review of Industrial and Organizational Psychology. Chichester: Wiley, v. 13, pp. 83-120.

Warr, P., Downing, J. (2000). Learning strategies, learning anxiety and knowledge acquisition. British Journal of Psychology, 91(3), 311-333.

Publicado

2021-09-30

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)