REDES SOCIAIS DOS EMPREENDEDORES PARA A INOVAÇÃO: Estudo de casos múltiplos em micro e pequenas empresas

Autores

DOI:

https://doi.org/10.13037/gr.vol38n114.7082

Palavras-chave:

Redes Sociais Empreendedoras, Inovação, Inovação na pequena empresa, Empreendedorismo, Agentes Locais de Inovação

Resumo

Os empreendedores são agentes imersos em suas relações sociais, compostas por uma rede de diversos tipos de atores. Considerando que a inovação é fator determinante para a sobrevivência da pequena empresa, o empreendedor deve contar com os recursos obtidos nos seus relacionamentos sociais para que seja possível ações inovadoras. O objetivo deste estudo é verificar como as redes sociais dos empreendedores favorecem a implementação de inovações por meio da obtenção de recursos. Foi utilizado o método de estudo de casos múltiplos, que permite obter uma maior compreensão do contexto do fenômeno estudado. Foram selecionados seis casos de empresas de sucesso do Programa Agentes Locais de Inovação-ALI e coletadas evidências de entrevistas semiestruturadas com nove empreendedores e cinco agentes locais de inovação. Os resultados apontam que as empresas analisadas inovam com a adoção de novas tecnologias e que foram percebidas semelhanças entre elas devido à padronização da intervenção do programa ALI.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Gustavo Passos Fortes, Universidade Federal do Sul e Sudeste do Pará - UNIFESSPA / Universidade Federal de Goiás - UFG

Doutorando em Administração pela Universidade Federal de Goiás. Mestre em Administração de Empresas na Universidade Federal de Sergipe - UFS (2017), linha de pesquisa Empreendedorismo, pequenas empresas e inovação. Graduação em Administração pela Universidade Federal de Sergipe - UFS (2011). Professor Assistente lotado no ICSA - Instituto de Ciências Sociais Aplicadas na Universidade Federal do Sul e Sudeste do Pará - UNIFESSPA. Pesquisador membro do Laboratório de Pesquisa em Empreendedorismo e Inovação da UFG (LAPEI/UFG) Atação como consultor e instrutor credenciado ao SEBRAE/SE na Área de Planejamento empresarial: Sub-área Planejamento estratégico e Diagnóstico empresarial (2015-2017). Com experiência na área de Administração, no setor comercial, financeiro, empreendedorismo, Inovação e consultorias diversas na área de inovação e gestão. Atuação como Agente Local de Inovação, como bolsista pesquisador CNPq no Programa ALI do SEBRAE-PE. Atuando na transferência, desenvolvimento de implementação de inovações em pequenas empresas da regional do Vale do São Francisco. Interesse em pesquisa nos temas: Empreendedorismo, Gestão de Micro e Pequenas Empresas; Inovação; Estratégias empresariais; Educação empreendedora, Ecossistemas de inovação e empreendedorismo; Propriedade Intelectual e Industrial; Inovação tecnológica; Sistema de Inovação Local.

Rivanda Meira Teixeira, Universidade Federal do Paraná - UFPR

Possui Mestrado em Administração pela COPPEAD/UFRJ (1979) e Doutorado em Administração pela Cranfield University (1996). Pós- Doutorado em Gestão Turismo na Bournemouth University, Inglaterra e Strathclyde University, Escócia (2000-2001). Pós Doutorado em Empreendedorismo na HEC Canadá (2007), sob supervisão de Louis Jacques Filion. Pós Doutorado em Empreendedorismo na FGV-SP (2015), sob a orientação do prof Tales Andreassi. Atuou como professora do programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento em Meio Ambiente-PRODEMA da Universidade Federal de Sergipe- UFS de 1998 a 2003. Atuou como professora da Graduação e da Pós-Graduação em Administração da Universidade Federal do Paraná -UFPR no período de 2003 a 2009. Atuou como professora do Programa de Pós Graduação em Economia- da UFS de 2009 a 2012. Participou como coordenadora da elaboração do projeto de criação do Mestrado em Administração da UFS em 2010. Atuou como Coordenadora do Programa de Mestrado em Administração ?PROPADM da UFS de 2011 a 2013. Foi professora do Departamento de Administração e do PPGADM da UFPR de 2017 a 2020 e atualmente é professora Voluntária Permanente Sênior do Programa de Pós-Graduação em Administração- PPGADM da UFPR. Bolsista de Produtividade do CNPq, atuou como consultora ad-hoc da CAPES e do CNPQ de 1998 até o presente. É membro de Conselho Editorial e parecerista de diversos periódicos. Leciona as disciplinas de Empreendedorismo e Inovação no Mestrado e a disciplina Empreendedorismo Sustentável e Inovação no Doutorado em Administração da UFPR. Área de interesse em pesquisa atuais: Empreendedorismo e Inovação, Empreendedorismo Sustentável, Empreendedorismo Social, Aprendizagem Empreendedora, Redes Sociais Empreendedoras, Empreendedorismo em Turismo; Metodologias Qualitativas de Pesquisa em Administração.

Referências

ALDRICH, H.; ZIMMER, C. Entrepreneurship through social networks. In D. L. SEXTON, D. L.; SMILOR, R. W. (org.), The Art and Science of Entrepreneurship, p. 3-23, 1986.

BERENDS, H., JELINEK, M., REYMEN, I.; STULTIËNS, R. Product Innovation Processes in Small Firms: Combining entrepreneurial effectuation and managerial causation. Journal of Product Innovation Management, v.31, n.3, 616-635. 2014.

BIRLEY, S. The role of networks in the entrepreneurial process. Journal of Business Venturing, v.1., n.1, p. 107-117, 1985.

BRUSH, C. GREENE, P.; HART, P. From initial idea to unique advantage: the entrepreneurial challenge of constructing a resource base. Academy of Management Executive, v.15, n.1, p.64-80, 2001.

CRESWELL, J. W. W.. Projeto de pesquisa: métodos qualitativo, quantitativo e misto. 2. ed. Porto Alegre: Bookman. 2009.

DEPROPRIS, L. Types of innovation and inter-firm co-operation. Entrepreneurship and Regional Development, v. 14, p. 337–353. 2002

DUBINI, P.; ALDRICH, H. Personal and extended networks are central to the entrepreneurial process. Journal of Business Venturing, v. 6, p. 305–313. 1991

ELFRING, T., HULSINK, W. Networking by entrepreneurs: patterns of tie formation in emerging organizations. Organization Studies v. 28 n. 12, p. 1849–1872. 2007

FELDENS, M. A. ; MACCARI, E. A. ; GARCEZ, M. P. . Barreiras para a inovação em produtos nas pequenas e médias empresas de tecnologia no Brasil. BBR. Brazilian Business Review , v. 9,n. 3, p. 1-24, 2012.

FERGUSON, R.; SCHATTKE, K.; PAULIN, M. The social context for value co-creations in an entrepreneurial network. International Journal of Entrepreneurial Behavior & Research, v.. 22 n. 2 p. 199-214. 2016

FILATOTCHEV, I.; LIU, X.; BUCK, T.; WRIGHT, M. The export orientation and export performance of high-technology SMEs in emerging markets: the effects of knowledge transfer by returnee entrepreneurs. Journal of International Business Studies, v. 40, p. 1005-1021. 2009.

FREEMAN, C. The greening of technology and models of innovation, Technological forecasting and social change, v. 53, n.01, september 1996.

GRANOVETTER, M. Ação econômica e estrutura social: o problema da imersão. Revista Administração Eletrônica, n. 6 v. 1, 2007.

HITE, J. M. Evolutionary processes and paths of relationally embedded network ties in emerging entrepreneurial firms. Entrepreneurship Theory and Practice, v. 29, n. 1, p.113–144, 2005

HUANG, H. C.; LAI, M. C.; LO, K. W. Do founders’ own resources matter? The influence of business networks on start-up innovation and performance. Technovation. v. 32, p. 316-327. 2012

HUGGINS, R. Forms of network resource: Knowledge access and the role of inter-firm networks. International Journal of Management Reviews, v. 12, n. 3, p. 335–352. 2010

HUGGINS, R.; THOMPSON, P. Entrepreneurship, innnovation and regional growth: a network theory. Small Business Economics, v. 45, n. 1, p. 103-128, 2015.

JENSEN, K. W.; SCHOTT, T. Start-up firms’ networks for innovation and export: facilitated and constrained by entrepreneurs’ networking in private and public spheres. Soc. Netw. Anal. Min. v. 48, n 5 p.48-60, 2014.

LARSON, A.; STARR, J. A network model of organization formation. A network model of organizational formation. Entrepreneurship: Theory & Practice, v. 17 n. 2, p. 5-16, 1993.

LE, N.T.B.; NGUYEN, T.V. The impact of networking on bank financing: The case of small and medium-sized enterprises in Vietnam. Entrepreneurship Theory and Practice, v. 33, p. 867–887. 2009.

LEENDERS, R. T. A. J., DOLFSMA, W. A. Social Networks for Innovation and New Product Development. Journal of Product Innovation Management, v.33 n.2, p.123-131, (2016)

MALDONADO, M.; DIAS, N.; VARVAKIS, G. Managing innovation in small hightechnology firms: a case study in Brazil. Journal of technology management & innovation, v. 4, n. 2, p. 130-142, 2009.

NEWBERT, N., L.; TORNIKOSKI, E. T.; QUIGLEY, N. R. Exploring the evolution of supporter networks in the creation of new organizations. Journal of Business Venturing, v. 28, p. 281-298. 2013.

OCDE. Manual de Oslo: Proposta de Diretrizes para Coleta e Interpretação de Dados sobre Inovação Tecnológica. Brasília: Finep, tradução português, 2005.

OSTGAARD, T., A., BIRLEY, S. Personal networks and firm competitive strategy—a strategic or coincidental match? Journal of Business Venturing, v. 9, p. 281–305. 1994

PAREDES, B. J. B.; SANTANA, G. A. ; CUNHA, T. N. ; AQUINO, J. T. . Uma análise intrassetorial e intersetorial do grau de inovação de empresas de pequeno porte do estado de Pernambuco. Revista de Administração e Inovação, v. 12, p. 140-161, 2015.

PARTANEN, J., CHETTY, S. K., RAJALA, A. Innovation Types and Network Relationships. Entrepreneurship Theory and Practice, n. 38 v.5, 1027–1055, 2014

PITTAWAY, L., ROBERTSON, M., MUNIR, K., DENYER, D.; NEELY, A. (2004). Networking and innovation: A systemic review of the evidence. International Journal of Management Reviews, v.5, n.6, p 137–168. 2004

RAMANI, S. V.; MUKHERJEE, V. Can breakthrough innovations serve the poor (bop) and create reputational (CSR) value? Indian case studies. Technovation, v.35, n.5-6, p.295–305, 2014.

ROTHAERMEL, F.T.; DEEDS, D.L. Alliance type, alliance experience and alliance management capability in high-technology firms. Journal of Business Venturing, v.21, p.429–460. 2006

SAUNDERS, M.; LEWIS, P.; THORNHILL, A. Research methods for business students. 5 ed., London: Pearson Education Limited, 2009.

SCHOTT, T.; SEDAGHAT, M. Innovation embedded in entrepreneurs’ networks and national educational systems. Small Business Economics. v.43, n.2, p.463–476. 2014.

SERVIÇO BRASILEIRO DE APOIO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS – SEBRAE. Anuário do trabalho na micro e pequena empresa. 6. ed., p.284, 2014.

STAM, W.; ARZLANIAN, S.; ELFRING, T. Social capital of entrepreneurs and small firm performance: a meta-analysis of contextual and methodological moderators. Journal Bussines Venturing. V.29, n.1, p.152–173. 2014

STAMM, I.; LUBINSKI, C. Crossroads of family business research and firm demography: A critical assessment of family business survival rates. Journal of Family Business Strategy, n.2, p.117-127, 2011.

TAVARES, B.; FERREIRA, M. A. M.; LIMA, A. T. F. C. Identificação e agrupamento de fatores de relevância na investigação das práticas de gestão das micro e pequenas empresas. Revista de Negócios, v.14, n.4, p.11–27, 2009.

UKKO, J; SAUNILA, M. Facilitating innovation capability through performance measurement: A study of Finnish SMEs. Management Research Review, v. 36, n. 10, p. 991-1010. 2013

VALE, G. M. V; AMÂNCIO, R; WILKINSON, J. Empreendedorismo, inovação e redes: uma nova abordagem. RAE, v.7, n.1, 2008.

VALE, G. M. V.; Fatores Condicionantes do Empreendedorismo: Redes Sociais ou Classes Sociais? Organização e Sociedade - Salvador, v.22, n.75, p.583-602. 2015

VASCONCELOS, G.; REZENDE, S.; GUIMARÃES, L.; FACHIN, R. Mobilizando Relacionamentos e Acessando Recursos na Criação e Evolução de Novos Negócios. Organizações & Sociedade, v.14, p.113-134, 2007.

VRANDE, V; JONG, J. P. J; VANHAVERBEKE, W. ROCHEMONT, M. Open innovation in SMEs: Trends, motives and management challenges. Technovation. V.29. P.423–437. 2009.

YIN, R. K. Estudo de caso:planejamento e método. 5ed., Porto Alegre: Bookman, 2001.

Publicado

2022-05-27