AVALIAÇÃO DA SUSTENTABILIDADE DO PLANO DAS BACIAS DOS RIOS PIRAICABA, CAPIVARI E JUNDIAÍ 2020-2035: ANÁLISE DOS INDICADORES DE DISPONIBILIDADE E DEMANDAS HÍDRICAS

Autores

DOI:

https://doi.org/10.13037/gr.vol37n112.7505

Palavras-chave:

Avaliação de sustentabilidade, Bacias PCJ, Indicadores de Sustentabilidade, Disponibilidade hídrica, Demandas hídricas

Resumo

A água, recurso natural fundamental para a vida humana, está heterogeneamente distribuída no planeta. No âmbito das bacias hidrográficas dos rios Piracicaba, Jundiaí e Capivari, a preocupação com o atendimento das necessidades da população de forma perene e sustentável e melhorias das condições do balanço hídrico tem suscitado ações por parte das Agências reguladoras. O objetivo do trabalho é analisar os indicadores de disponibilidade e demandas hídricas das Bacias PCJ, visando apontar como o modelo de avaliação de sustentabilidade proposto por Gibson pode ser adotado a fim de garantir a sustentabilidade das bacias. A metodologia adotada é de natureza qualitativa, descritiva e exploratória com procedimento técnico documental. Conclui-se que o modelo de avaliação da sustentabilidade de Gibson pode contribuir para acompanhar a evolução das metas dos indicadores quanto à espacialização das demandas e do saldo hídrico.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Cibele Roberta Sugahara, Pontifícia Universidade Católica de Campinas - PUC Campinas

Doutora em Ciência da Informação. Universidade de São Paulo (USP).

Professora da Faculdade de Administração e Pesquisadora do Programa de Pós-Graduação em Sustentabilidade da Pontifícia Universidade Católica de Campinas - PUC Campinas.

Audrey Moretti Martins, Universidade de Araraquara - UNIARA

Professora da Universidade de Araraquara - UNIARA. Doutoranda em Engenharia Hidráulica e Saneamento na Universidade de São Paulo - EESC/USP. Mestre em Desenvolvimento Territorial e Meio Ambiente pela Universidade de Araraquara - UNIARA. Bacharel em Administração Pública pela Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho” - FCLAr/UNESP.

Lorena Braga Quintella Jucá, Universidade de São Paulo

Mestranda em Engenharia Hidráulica e Saneamento na Escola de Engenharia de São Carlos da Universidade de São Paulo (EESC/USP), São Carlos, São Paulo (SP), Brasil.

Bacharela em Engenharia Ambiental e Sanitária pela Universidade Federal de Alagoas - UFAL.

Duarcides Ferreira Mariosa, Pontifícia Universidade Católica de Campinas

Doutor em Sociologia. Professor e Pesquisador no Programa de Pós Graduação em Sustentabilidade da Pontifícia Universidade Católica de Campinas (PUC-Campinas), Campinas, São Paulo, Brasil.

Referências

AGÊNCIA DAS BACIAS PCJ. A construção do Plano de Bacias como um processo. 2020. Disponível em: https://plano.agencia.baciaspcj.org.br/o-plano. Acesso em: 16 out. 2020.

AGÊNCIA NACIONAL DE ÁGUAS (ANA). Manual de Usos Consuntivos da Água no Brasil. Brasília: ANA, 2019. Disponível em: http://snirh.gov.br/usos-da-agua/. Acesso em: 26 out. 2020.

AMORIM, W. A. C. et al. Capital humano e sustentabilidade: uma proposta de abordagem multidisciplinar. Gestão & Regionalidade, v. 31, n. 92, p. 151–163, 2015.

AYRES, R. U.; VAN DEN BERGH, J. C. J. M.; GOWDY, J. M. Viewpoint: weak versus strong sustainability, 98-103/3, Tinbergen Institute, 1998. Disponível em: Disponível em: https://papers.tinbergen.nl/98103.pdf. Acesso em: 26 nov. 2020.

CARVALHO, J. R. M.; CARVALHO, E. K. M. A.; CURI, W. F. Avaliação da sustentabilidade ambiental de municípios Paraibanos: uma aplicação utilizando o método Promethee II. Gestão & Regionalidade, v. 27, n. 80, p. 71-84, 2011.

COMISSÃO MUNDIAL SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO (CMMAD). Nosso futuro comum. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas, 1988.

CONSÓRCIO PROFILL-RHAMA PCJ. Relatório Final - Anexos: Plano de Recursos Hídricos das Bacias Hidrográficas dos rios Piracicaba, Capivari e Jundiaí, 2020 a 2035. Porto Alegre, 2020a. 569 p.

CONSÓRCIO PROFILL-RHAMA PCJ. Relatório Síntese: Plano de Recursos Hídricos das Bacias Hidrográficas dos rios Piracicaba, Capivari e Jundiaí, 2020 a 2035. Porto Alegre, 2020b. 125 p.

DIAMOND, Jared. Colapso: Como as Sociedades Escolhem o Fracasso ou o Sucesso. Rio de Janeiro: Editora Record, 2005.

GIBSON, R. B.; HASSAN, S.; HOLTZ, S.; TANSEY, J.; WHITELAW, G. Sustainability assessment: criteria and processes. London,Sterling, VA: Earthscan, 2005.

GIBSON, R. B. Beyond the pillars: sustainability assessment as a framework for effective integration of social, economic and ecological considerations in significant decision-making. Journal of Environmental Assessmnt Policy and Management, v. 8, n. 3 p. 259–280, 2006.

GIL, Antonio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. 4 ed. São Paulo: Atlas, 2008.

HACKING, T., GUTHRIE, P. A framework for clarifying the meaning of Triple Bottom-Line, Integrated, and Sustainability Assessment. Environmental Impact Assessment Review, v. 28, n. 2-3, p. 73-89, 2007.

HODGE, R. A.; HARDI, P.; BELL, D. V. J. Seeing change through the lens of sustainability. Beyond Delusion: Science and Policy Dialogue on Designing Effective Indicators of Sustainability Development. Costa Rica. The International Institute for Sustainable Development, 1999.

HUESEMANN, M. H. The failure of eco-efficiency to guarantee sustainability: Future challenges for industrial ecology. Environmental Progress, v. 23, n.4, p. 264-210, 2004.

KATES, R. W.; PARRIS, T. M.; LEISEROWITZ, A. A. What is sustainable development? Goals, indicators, values, and practice. Environment: Science and Policy for Sustainable Development, v. 47, n. 3, p. 8-21, 2005.

MEBRATU, D. Sustentabilidade e Sustentável Desenvolvimento: histórico e revisão conceitual. Ambiente Impacto Assess Rev., v. 18, 1998.

MEADOWS, Donella Hager. Indicators and information systems for sustainable development. A report to the balaton group. The Sustainable Institute. 1998.

MORRISON-SAUNDERS, A., POPE, J. Conceptualising and managing trade-offs in sustainability assessment. Environmental Impact Assessment Review, v. 38, p. 54-63, 2013.

MENEZES, U. G.; DIAS, V. V.; GOMES, C. M. O paradigma sustentável e a formulação de estratégias empresariais para a competitividade. Gestão & Regionalidade, v. 26, n. 78, p. 4-17, 2010.

NESS, B. et al. Categorising tools for sustainability assessment. Ecological Economics, 60, p. 498-508, 2007.

RICHARDSON, Roberto Jarry. Pesquisa social: métodos e técnicas. 4.ed., São Paulo: Atlas, 2017.

SARAIVA, P. et al. O uso de tecnologias como estratégia na construção de cidades mais inteligentes e sustentáveis. Gestão & Regionalidade, v. 35, n. 105, p. 184-199, 2019.

SARTORI, S.; LATRÔNICO, F.; CAMPOS, L. M. S. Sustentabilidade e Desenvolvimento Sustentável: uma taxonomia no campo da literatura. Ambiente & Sociedade, v. XVII, n. 1, p. 1-22, 2014.

SLIMANE, M. Role and relationship between leadership and sustainable development to release social, human, and cultural dimension. Social and Behavioral Sciences, v. 41, 2012.

SICHE, J. R. et al. Sustainability of nations by indices: Comparative study between environmental sustainability index, ecological footprint and the energy performance indices. Ecological Economics, v. 66, n.4, p. 628-637, 2008.

WCED. Our common Future. Oxford: Oxford University Press, 1987.

Publicado

2021-09-30

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)