PARQUES DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA COMO NÚCLEO DA QUÁDRUPLA HÉLICE: uma proposta para o desenvolvimento regional de Mato Grosso - Brasil

a proposal for regional development of Mato Grosso - Brazil

Autores

DOI:

https://doi.org/10.13037/gr.vol39n116.7718

Palavras-chave:

Ecossistema de inovação, Quádrupla hélice, Parque Tecnológico Mato Grosso

Resumo

Os parques de ciência e tecnologia são estruturas para promoção do desenvolvimento regional a partir da interação entre atores da inovação. Por meio do estabelecimento de fluxos de conhecimento, que subsidiam a criação de inovações, atuam como núcleo da quádrupla hélice entre universidade, empresa, governo e sociedade nos ecossistemas de inovação. Este estudo teve como objetivo propor ações para o desenvolvimento do Parque Tecnológico Mato Grosso a partir do modelo de quádrupla hélice. Empregou-se uma estratégia de estudo de caso, que contou com pesquisa documental, realização de entrevistas em profundidade e um grupo focal. Os dados foram interpretados a partir de análise de conteúdo. Os resultados apontaram a ausência de um “jogador forte” para o estabelecimento de um ecossistema de inovação no território. Para isso, algumas ações foram sugeridas considerando os aspectos da região, de modo a permitir ao parque consolidar uma ação mais integrada entre os membros da quádrupla hélice.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Diogo Barbosa Leite, Escola Superior de Propaganda e Marketing (PPGA/ESPM)

Professor do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Mato Grosso - IFMT. É aluno do curso de Doutorado do Programa de Pós-Graduação em Administração da Escola Superior de Propaganda e Marketing - ESPM, na linha de pesquisa Inovação & Estratégia em Gestão Internacional. Recebeu o mestrado em Economia pelo Programa de Pós-Graduação em Economia da Universidade Federal de Mato Grosso, na linha de pesquisa em Desenvolvimento Regional e Sustentabilidade. MBA em Marketing e Vendas pela Universidade de Cuiabá e bacharel em Administração pela Universidade Federal de Mato Grosso. É administrador com registro ativo no Conselho Regional de Administração de Mato Grosso. Foi Professor Colaborador da Faculdade de Administração e Ciências Contábeis da Universidade Federal de Mato Grosso - FACC/UFMT e da Universidade Aberta do Brasil - UAB/UFMT. Na Revista Estudos e Pesquisas em Administração, da Universidade Federal de Rondonópolis, é membro do membro do conselho editorial. Participa de grupos de pesquisa, com foco em gestão da inovação, ecossistemas de inovação e tríplice hélice. Publicou trabalhos em periódicos nacionais e participou de eventos da área.

Carlos Marcelo Faustino da Silva, Universidade Federal de Santa Catarina (PPGEGC/UFSC).

Bacharel em Ciências Contábeis pela Universidade Federal de Mato Grosso (2017), tendo como TCC um estudo exploratório do ecossistema empreendedor local para a criação e estruturação de startups. Atualmente, Coordenador de Extensão do IFMT (campus Rondonópolis) e Gestor do Núcleo Criativa da Ativa Incubadora de Empresas, que foi um dos fundadores. Através do Núcleo Criativa desde 2019 conduz programas de pré-incubação no intuito de transformar projetos inovadores em empreendimentos, seja como spin-offs acadêmicas ou construindo nos discentes atuação empreendedora, além do desenvolvimento de outros projetos e ações na área de tecnologia, inovação, gestão e empreendedorismo. Responsável pela criação, estruturação e gestão do InspiraLab - Laboratório Maker aprovado no Edital Nº 35/2020 SETEC-MEC. Através do Núcleo Criativa da Ativa Incubadora instituiu parceria de cooperação técnica com o Colaborama - Laboratório de Inovação, Tecnologia e Gestão de Rondonópolis. Desenvolve ações locais voltadas para a comunidade de startups e o ecossistema de empreendedorismo e inovação, estudando sobre a participação da inovação nos setores públicos e suas contribuições para a sociedade.

https://orcid.org/0000-0003-0362-5762

Ricardo Tomaz Caires, Universidade Federal de Santa Catarina (PPGEGC/UFSC).

Mestre Profissional em Propriedade Intelectual e Transferência de Tecnologia para a Inovação pela Universidade Estadual de Maringá (UEM) (2020). É especialista em Engenharia de Produção Enxuta pela Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUC-PR) (2015) e graduado em Engenharia de Produção (UEM) (2014). Tem experiência nas áreas de Gestão de Projetos, Planejamento Estratégico, Gestão Organizacional e principalmente em Inovação através de atividades relacionadas com: gestão de equipes, relacionamento institucional, prospecção tecnológica, promoção da Ciência e Tecnologia em pequenas e médias empresas (PME). Como professor convidado, ministra aulas em cursos de graduação e pós-graduação, atuando também em pesquisas nas seguintes áreas: Propriedade Intelectual, Políticas Públicas para Inovação, Lean Startup, Empreendedorismo e Inovação.

Clarissa Stefani Teixeira, Universidade Federal de Santa Catarina (PPGEGC/UFSC).

Pós-Doutora e Doutora em Engenharia de Produção pela Universidade Federal de Santa Catarina. É professora do Departamento de Engenharia do Conhecimento (EGC) da Universidade Federal de Santa Catarina. Professora no Programa de Pós-Graduação em Engenharia e Gestão do Conhecimento (Mestrado e Doutorado) e no Mestrado Profissional em Propriedade Intelectual e Transferência de Tecnologia para a Inovação (PROFNIT). Na área científica possui mais de 170 artigos publicados e é revisora de 14 periódicos nacionais e internacionais. Tem experiência em elaboração e gestão de projetos com órgãos de fomento e financiamento como: Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) e Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). Tem experiência na área pública atuando como Gerente de Ciência, Tecnologia e Inovação do Governo do Estado de Santa Catarina - Secretaria de Desenvolvimento Econômico Sustentável (SDS) na gestão e operação de projetos em âmbito Estadual e elaboração da Política Estadual de CT&I e implantação de habitats de inovação. Além disso, tem atuação no apoio de projetos com parcerias público-privadas e na implantação de laboratórios de inovação de governo, principalmente com experiência de mudança de cultura para a inovação em órgãos públicos e na implantação de processos de inovação aberta. Em meio empresarial teve atuação em gestão de habitats de inovação, construção de metodologias para habitats de inovação se associando a gestão de incubadoras, pré-incubadoras, centros de inovação, ambiente maker e coworking. Atuou como supervisora geral da reformulação do Portal do Professor - parceria UFSC e Ministério da Educação e participou da implantação do cluster de inovação na educação em Santa Catarina Coordena o projeto Fortalecimento de Habitats de Inovação que atua na ativação do ecossistema catarinense e na implantação dos 13 Centros de Inovação do Estado de Santa Catarina, da Rede de Inovação de Florianópolis e na implantação do Living Lab Florianópolis. É líder do grupo de pesquisa VIA Estação Conhecimento ? único grupo do Brasil certificado no CNPq com foco em habitats de inovação e empreendedorismo. (via.ufsc.br). O grupo é detentor de metodologias de orquestração de ecossistema, implantação e operação de ambiente maker, incubadoras, pré-incubadoras, espaços de inovação aberta com interação de startups e gamificação para a inovação. Tem experiência internacional e conexões com pesquisadores e ambientes de inovação de países como Espanha, Portugal, Colômbia, México, China, Itália, Argentina e Uruguai. Email: clastefani@gmail.com

Alexandre Augusto Biz, Universidade Federal de Santa Catarina (PPGEGC/UFSC).

Professor do Departamento de Engenharia do Conhecimento - UFSC. Professor Colaborador do Programa de Pós-Graduação em Engenharia e Gestão do Conhecimento - UFSC. Pós-Doutorado Empresarial CNPq realizado no Instituto Stela (2012). Doutor em Engenharia e Gestão do Conhecimento (UFSC, 2009). Mestre em Turismo e Hotelaria (UNIVALI, 2003) Graduado em Turismo e Hotelaria (UNIVALI, 1996). É líder do Grupo de Pesquisa - TURITEC. Coordenador do Laboratório de Destinos Turísticos Inteligentes ? LabDTI. Desenvolve pesquisas em Destinos Turísticos Inteligentes, Aplicações da Engenharia e Gestão do Conhecimento para o Turismo. Revisor de periódicos nacionais e internacionais. Coordenador Geral do Seminário Brasil Espanha de Inovação Tecnológica em Turismo <www.destinosinteligentes.com.br>.

Referências

ADÁN, C. El ABC de los parques científicos. Seminarios de la Fundación Española de Reumatología, v. 13, n. 3, p. 85-94, 2012. DOI: https://doi.org/10.1016/j.semreu.2012.05.001

ADNER, R. Match your innovation strategy to your innovation ecosystem. Harvard business review, v. 84, n. 4, 2006.

ADNER, R. Ecosystem as Structure: An Actionable Construct for Strategy. Journal of Management, v. 43, n. 1, p. 39–58, 2017. DOI: https://doi.org/10.1177/0149206316678451

BARDIN, L. Análise de Conteúdo. São Paulo: Edições 70, 2012.

BARREIRO, E. R. N.; RAMALHO, A. M. C. A importância dos PCTs para o desenvolvimento local e territorial: a experiência do Parque Tecnológico da Paraíba. Revista Política e Planejamento Regional, Rio de Janeiro, v. 3, n. 1, janeiro/junho 2016, p. 19-38, 2016.

BENCKE, F. F.; DORION, E. C. H.; PRODANOV, C. C.; OLEA, P. M. Community leadership and the Triple Helix model as determinants of the constitution of science parks: A Brazilian experience. Benchmarking, v. 27, n. 1, p. 21–40, 2019. DOI: https://doi.org/10.1108/BIJ-07-2018-0225

BORDINI, G. S.; SPERB, T. M. Psicologia em Estudo. Psicologia em Estudo, v. 16, n. 3, 2011. DOI: https://doi.org/10.1590/S1413-73722011000300011

BRUNING, C.; GODRI, L.; TAKAHASHI, A. R. W. Triangulação em estudos de caso: incidência, apropriações e mal-entendidos em pesquisas da área de administração. Administração: Ensino e Pesquisa, v. 19, n. 2, p. 277–307, 2018. DOI: https://doi.org/10.13058/raep.2018.v19n2.889

CARAYANNIS, E. G.; GRIGOROUDIS, E.; CAMPBELL, D. F.; MEISSNER, D.; STAMATI, D.. The ecosystem as helix: an exploratory theory-building study of regional co-competitive entrepreneurial ecosystems as Quadruple/Quintuple Helix Innovation Models. R&D Management, v. 48, n. 1, p. 148–162, jan. 2018. DOI: https://doi.org/10.1111/radm.12300

CARAYANNIS, E. G.; BARTH, T. D.; CAMPBELL, D. F. The Quintuple Helix innovation model: global warming as a challenge and driver for innovation. Journal of innovation and entrepreneurship, v. 1, n. 1, p. 1-12, 2012. DOI: https://doi.org/10.1186/2192-5372-1-2

CARAYANNIS, E. G.; CAMPBELL, D. F. J. 'Mode 3'and'Quadruple Helix': toward a 21st century fractal innovation ecosystem. International journal of technology management, v. 46, n. 3-4, p. 201-234, 2009. DOI: https://doi.org/10.1504/IJTM.2009.023374

CARAYANNIS, E. G.; RAKHMATULLIN, R. The quadruple/quintuple innovation helixes and smart specialization strategies for sustainable and inclusive growth in Europe and beyond. Journal of the Knowledge Economy, v. 5, n. 2, p. 212-239, 2014. DOI: https://doi.org/10.1007/s13132-014-0185-8

CHAMPENOIS, C.; ETZKOWITZ, H. From boundary line to boundary space: The creation of hybrid organizations as a Triple Helix micro-foundation. Technovation, v. 76–77, p. 28–39, ago. 2018. DOI: https://doi.org/10.1016/j.technovation.2017.11.002

COMPAGNUCCI, L.; LEPORE, D.; SPIGARELLI, F. Exploring the Foreign Exposure of Chinese Science Parks in a Triple Helix Model. Forum for Social Economics, v. 50, n. 3, p. 330-354, 2021. DOI: https://doi.org/10.1080/07360932.2020.1759440

COOKE, P. Regional innovation systems: Competitive regulation in the new Europe. Geoforum, v. 23, n. 3, p. 365–382, jan. 1992. DOI: https://doi.org/10.1016/0016-7185(92)90048-9

TEIXEIRA, M. C.; TEIXEIRA., C. S. Parques e suas tipologias: tecnológico, científico e tecnológico científico. In: DEPINÉ, A.; TEIXEIRA, C. S. Habitats de Inovação: conceito e prática. São Paulo: Perse, 2018, p. 115-131. Disponível em: <https://via.ufsc.br/wp-content/uploads/2018/05/HABITATS-DE-INOVACAO-conceito-e-pratica.pdf> Accessed 05 fev 2021.

CRESWELL, J. W. Investigação Qualitativa e Projeto de Pesquisa: Escolhendo entre Cinco Abordagens. Porto Alegre: Penso Editora, 2014.

DOBROSAVLJEVIĆ, A.; ŽIVKOVIĆ, Ž. Potential impact of the science-technology park on the regional development. Serbian Journal of Management, v. 13, n. 2, p. 215-232, 2018. DOI: https://doi.org/10.5937/sjm13-15263

EISENHARDT, K. M. Building Theories from Case Study Research. The Academy of Management Review, v. 14, n. 4, p. 532, out. 1989. DOI: https://doi.org/10.2307/258557

ENAP; ENDEAVOR, 2022. Índice de Cidades Empreendedoras 2022. Disponível em: < https://repositorio.enap.gov.br/bitstream/1/6880/1/ICE2022_Atualizado-com-errata.pdf> Accessed 27 jul 2022.

ENDEAVOR, 2020. Índice de Cidades Empreendedoras 2020. Disponível em: <https://endeavor.org.br/ambiente/ice-2020/> Accessed 05 fev 2021.

ETZKOWITZ, H.; KLOFSTEN, M. The innovating region: toward a theory of knowledge‐based regional development. R&D Management, v. 35, n. 3, p. 243-255, 2005. DOI: https://doi.org/10.1111/j.1467-9310.2005.00387.x

ETZKOWITZ, H.; LEYDESDORFF, L. The dynamics of innovation: From National Systems and “mode 2” to a Triple Helix of university-industry-government relations. Research Policy, v. 29, n. 2, p. 109–123, 2000. DOI: https://doi.org/10.1016/S0048-7333(99)00055-4

ETZKOWITZ, H.; ZHOU, C. Hélice Tríplice: Inovação e empreendedorismo universidade-indústria-governo. Estudos Avancados, v. 31, n. 90, p. 23–48, 2017. DOI: https://doi.org/10.1590/s0103-40142017.3190003

ETZKOWITZ, H.; ZHOU, C. Innovation incommensurability and the science park. R and D Management, v. 48, n. 1, p. 73–87, 2018. DOI: https://doi.org/10.1111/radm.12266

FENG, L.; LU, J.; WANG, J. A Systematic Review of Enterprise Innovation Ecosystems. Sustainability, v. 13, n. 10, p. 5742, 20 maio. 2021. DOI: https://doi.org/10.3390/su13105742

FOGUESATTO, C. R. et al. What is going on recently in the innovation ecosystem field? A bibliometric and content-based analysis. International Journal of Innovation Management, v. 25, n. 07, 2021. DOI: https://doi.org/10.1142/S1363919621300014

FURLANETTI, T. Uma introdução aos Parques Científicos e Tecnológicos. Via Revista: Parques Científicos Tecnológicos e de Inovação: Novas configurações extramuros, ano 2, n. 2, p. 12, 2017.

GOMES, L. A. V.; FLECHAS, X. A.; FACIN, A. L. F.; BORINI, F. M. Ecosystem management: Past achievements and future promises. Technological Forecasting and Social Change, v. 171, n. November 2020, p. 120950, 2021. DOI: https://doi.org/10.1016/j.techfore.2021.120950

GOMES, L. A. DE V.; FACIN, A. L. F.; SALERNO, M. S.; IKENAMI, R. K. Unpacking the innovation ecosystem construct: Evolution, gaps and trends. Technological Forecasting and Social Change, v. 136, p. 30–48, 2018. DOI: https://doi.org/10.1016/j.techfore.2016.11.009

GRANSTRAND, O.; HOLGERSSON, M. Innovation ecosystems: A conceptual review and a new definition. Technovation, v. 90–91, p. 102098, 2020. DOI: https://doi.org/10.1016/j.technovation.2019.102098

HASCHE, N.; HÖGLUND, L.; LINTON, G. Quadruple helix as a network of relationships: creating value within a Swedish regional innovation system. Journal of Small Business & Entrepreneurship, v. 32, n. 6, p. 523-544, 2020. DOI: https://doi.org/10.1080/08276331.2019.1643134

HAUSER, G.; CAMPOS, H. A.; SOUZA, D. O.; SALVADORETTI, A. Parques Tecnológicos e centralidades urbanas: o caso do Tecnopuc Região Metropolitana de Porto Alegre. In: Encontro Nacional da Associação Nacional de Pós-graduação e Pesquisa em Planejamento Urbano e Regional, 18., 2019. Natal. Anais... Natal, 2019, p. 1-21.

HEATON, S.; SIEGEL, D. S.; TEECE, D. J. Universities and innovation ecosystems: A dynamic capabilities perspective. Industrial and Corporate Change, v. 28, n. 4, p. 921–939, 2019. DOI: https://doi.org/10.1093/icc/dtz038

HOU, H.; SHI, Y. Ecosystem-as-structure and ecosystem-as-coevolution: A constructive examination. Technovation, v. 100, n. September, p. 102193, 2021. DOI: https://doi.org/10.1016/j.technovation.2020.102193

IBGE, 2020. Mato Grosso. Disponível em: <https://www.ibge.gov.br/cidades-e-estados/mt.html> Accessed 05 fev. 2021.

JACOSKI, C. A.; FONTANELA, C.; PIRES, D. D. S. J.; CARLESSO, L.; HOSS; R. A. W. Regional development strategy-the case of the “Scientific and Technological Park Chapecó@”. REBRAE, v. 8, n. 3, p. 356-370, 2015.

JONGWANICH, J.; KOHPAIBOON, A.; YANG, C. H. Science park, triple helix, and regional innovative capacity: Province-level evidence from China. Journal of the Asia Pacific Economy, v. 19, n. 2, p. 333–352, 2014. DOI: https://doi.org/10.1080/13547860.2014.880285

KATO, D. S.; MARTINS, L. A.-C. P. A “sociologia de plantas”: Arthur George Tansley e o conceito de ecossistema (1935). Filosofia e História da Biologia, v. 11, n. 2, p. 189–202, 2016.

KIMATU, J. N. Evolution of strategic interactions from the triple to quad Helix innovation models for sustainable development in the era of globalization. Journal of Innovation and Entrepreneurship, v. 5, n. 1, p. 1-7, 2016. DOI: https://doi.org/10.1186/s13731-016-0044-x

LANGLEY, A.; ABDALLAH, C. Templates and Turns in Qualitative Studies of Strategy and Management. Research methodology in strategy and management, v. 6, p. 105‐140, 2011. DOI: https://doi.org/10.1108/S1479-8387(2011)0000006007

LINDELÖF, P.; LÖFSTEN, H. Science park location and new technology-based firms in Sweden–implications for strategy and performance. Small business economics, v. 20, n. 3, p. 245-258, 2003. DOI: https://doi.org/10.1023/A:1022861823493

MACGREGOR, S. P.; MARQUES-GOU, P.; SIMON-VILLAR, A. Gauging readiness for the quadruple helix: a study of 16 European organizations. Journal of the knowledge economy, v. 1, n. 3, p. 173-190, 2010. DOI: https://doi.org/10.1007/s13132-010-0012-9

MACHADO, H. V.; LAZZAROTTI, F.; BENCKE, F. F. Innovation models and technological parks: Interaction between parks and innovation agents. Journal of Technology Management and Innovation, v. 13, n. 2, p. 104–114, 2018. DOI: https://doi.org/10.4067/S0718-27242018000200104

MARTINS, B. V.; FACCIN, K.; ESPINDULA, E.; BALESTRIN, A. Understanding innovation ecosystems: a biomimetic approach. Revue Internationale d’Intelligence Economique, v. 11, n. 2, 2019.

MATO GROSSO, 2020. Geografia. Disponível em <http://www.mt.gov.br/geografia>. Accessed 05 fev. 2021.

MOORE, J. F. Predators and prey: a new ecology of competition. Harvard Bus. Rev., v. 71, n. 3, p. 75–86, 1993.

MOZZATO, A. R.; GRZYBOVSKI, D. Análise de conteúdo como técnica de análise de dados qualitativos no campo da administração: potencial e desafios. Revista de Administração Contemporânea, v. 15, n. 4, p. 731–747, ago. 2011. DOI: https://doi.org/10.1590/S1415-65552011000400010

MYOKEN, Y. Science parks and Triple-Helix innovation in UK and Japan. International Journal of Technoentrepreneurship, v. 2, n. 3-4, p. 261-274, 2011. DOI: https://doi.org/10.1504/IJTE.2011.043724

NAUWELAERS, C.; KLEIBRINK, A.; STANCOVA, K. The role of science parks in smart specialisation strategies. S3 Policy Brief Series, n. 08, p. 1-21, 2014.

NELSON, R. R. National Systems of Innovation: a comparative study. Oxford: Oxford University Press, 1993.

OH, D. S; PHILLIPS, F.; PARK, S.; LEE, E. Innovation ecosystems: A critical examination. Technovation, v. 54, p. 1–6, 2016. DOI: https://doi.org/10.1016/j.technovation.2016.02.004

PARQUE TECNOLÓGICO DE MATO GROSSO, 2021a.Parque Tecnológico de Mato Grosso. Disponível em: <https://parquetecnologicomt.com.br/> Accessed 05 fev. 2021.

PARQUE TECNOLÓGICO DE MATO GROSSO, 2021b. Modelo Conceitual. Disponível em: <https://parquetecnologicomt.com.br/modelo-conceitual/> Accessed 05 fev. 2021.

PHILLIPS, M. A.; RITALA, P. A complex adaptive systems agenda for ecosystem research methodology. Technological Forecasting and Social Change, v. 148, p. 119739, nov. 2019. DOI: https://doi.org/10.1016/j.techfore.2019.119739

PIQUÉ, J. M.; MIRALLES, F.; BERBEGAL-MIRABENT, J. Areas of innovation in cities: the Evolution of 22@ Barcelona. International Journal of Knowledge-Based Development, v. 10, n. 1, p. 3-25, 2019. DOI: https://doi.org/10.1504/IJKBD.2019.10019576

REDE INOVA MT, 2021. Inova MT Rede de Inovação de Mato Grosso. Disponível em: < https://www.redeinovamt.com.br/institucional/> Accessed 06/12/2020.

RIBEIRO, A. C.; DEMO, G.; SANTOS, C. D. DOS. Grupo focal: aplicações na pesquisa nacional em administração. PRETEXTO, v. 22, n. 2, p. 108–128, 2021.

RITALA, P.; ALMPANOPOULOU, A. In defense of ‘eco’ in innovation ecosystem. Technovation, v. 60–61, n. February, p. 39–42, 2017. DOI: https://doi.org/10.1016/j.technovation.2017.01.004

ROMAN, M.; VARGA, H.; CVIJANOVIC, V.; REID, A. Quadruple Helix models for sustainable regional innovation: Engaging and facilitating civil society participation. Economies, v. 8, n. 2, p. 48, 2020. DOI: https://doi.org/10.3390/economies8020048

SCARINGELLA, L.; RADZIWON, A. Innovation, entrepreneurial, knowledge, and business ecosystems: Old wine in new bottles? Technological Forecasting and Social Change, v. 136, p. 59–87, nov. 2018. DOI: https://doi.org/10.1016/j.techfore.2017.09.023

SECITECI, 2020. Plano de Negócios Parque Tecnológico de Mato Grosso: inovação tecnologia estratégia negócios.

SOENARSO, W. S.; NUGRAHA, D.; LISTYANINGRUM, E. Development of science and technology park (stp) in indonesia to support innovation-based regional economy: Concept and early stage development. World Technopolis Review, v. 2, n. 1, p. 32-42, 2013. DOI: https://doi.org/10.7165/wtr2013.2.1.32

STAKE, R. The art of case study research. Thousand Oaks: Sage, 1995.

TANSLEY, A. G. The Use and Abuse of Vegetational Concepts and Terms. Ecology, v. 16, n. 3, p. 284–307, jul. 1935. DOI: https://doi.org/10.2307/1930070

THOMAS, E.; FACCIN, K.; ASHEIM, B. T. Universities are orchestrators of developing regional innovation ecosystems in emerging economies. Growth and Change, v. 52, n. 2, p. 770–789, 17 jun. 2021. DOI: https://doi.org/10.1111/grow.12442

WILLIS, A. J. The ecosystem: An evolving concept viewed historically. Functional Ecology, v. 11, n. 2, p. 268–271, 1997. DOI: https://doi.org/10.1111/j.1365-2435.1997.00081.x

YIN, R. K. Estudo de Caso: Planejamento e Métodos. Porto Alegre: Bookman, 2010.

Publicado

2023-01-09

Como Citar

Barbosa Leite, D., Marcelo Faustino da Silva, C., Tomaz Caires, R., Stefani Teixeira, C., & Augusto Biz, A. (2023). PARQUES DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA COMO NÚCLEO DA QUÁDRUPLA HÉLICE: uma proposta para o desenvolvimento regional de Mato Grosso - Brasil: a proposal for regional development of Mato Grosso - Brazil. Gestão & Regionalidade, 39(116). https://doi.org/10.13037/gr.vol39n116.7718