A UTILIZAÇÃO DE EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL E COLETIVA POR PROFISSIONAIS DE SAÚDE: REVISÃO INTEGRATIVA

Autores

  • FERNANDA FERREIRA DE SOUSA Centro Universitário Santo Agostinho
  • Isabele Alves De Sousa Centro Universitário Santo Agostinho
  • Luciane Marta Neiva De Oliveira Centro Universitário Santo Agostinho

DOI:

https://doi.org/10.13037/ras.vol16n58.5667

Palavras-chave:

Fisioterapia

Resumo

A transmissão de agentes infecciosos é um crítico agravante à saúde pública. As medidas de precaução-padrão são consideradas um conjunto de medidas adotadas como forma eficiente de redução dos riscos de infecção, incluindo a lavagem de mãos, o uso de equipamentos de proteção individual (EPI) e de proteção coletiva (EPC), manuseio apropriado de resíduos dos serviços de saúde e imunização. Objetivo: investigar através de uma revisão de literatura a utilização de EPI e EPC por profissionais de saúde, e o reconhecimento da importância desta pratica pelos mesmos, dentro do âmbito das medidas de precaução padrão para controle de infecções hospitalares. Metodologia: Esta pesquisa trata-se de uma revisão integrativa realizada nos meses de outubro e novembro de 2017, através das bases eletrônicas, LILACS, MEDLINE e SciELO, por meio do portal regional da biblioteca virtual em saúde (BVS). Resultados: foram selecionados 5 artigos de caráter transversal com base nos critérios de inclusão e exclusão, os  quais serviram de base para a coleta de informações relevantes para os resultados,e foram tabelados e expostos. Conclusão: o presente estudo estabelece que o uso de equipamentos de proteção individual e equipamentos de proteção coletiva por trabalhadores da área de saúde não é adotada de maneira eficaz, sugerindo à falta de adesão e conhecimento sobre as medidas de proteção padrão.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

FERNANDA FERREIRA DE SOUSA, Centro Universitário Santo Agostinho

área da sáude, com ênfase na saude coletiva dos profissionais de saúde.

Referências

Capelletti RV, Moraes AM. Waterborne Mcroorganisms and Biofilms Related to Hospital Infections: Strategies for Prevention and Control in Healthcare Facilities. J of Water and H 2015 Aug;14(1):52-67.

Padoveze MC, Fortaleza CMCB. Infecções Relacionadas à Assistência à Saúde: dDesafios para a Saúde Pública no Brasil. Rev Saúde Pública 2014 Jun;48(6):995-1001.

Valle ARMC, Moura MEB, Nunes BMVT, Figueiredo MLF. A Biossegurança sob o Olhar de Enfermeiros. Rev. enferm. UERJ, Rio de Janeiro, 2012 jul-set;20(3):361-7.

Cordeiro TMSC, Neto JNC, Cardoso MCB, Mattos AIS, Santos KOB, Araújo TM. Acidentes de trabalho com exposição à material biológico: Descrição dos casos na Bahia. R Epidemiol Control Infec, Santa Cruz do Sul, 2016 Abr; 6(2): 50-56.

Silva GS, Almeida AJ, Paula VS, Villar LM. Conhecimento e Utilização de Medidas de Precaução Padrão por Profissionais de Saúde. Esc Anna Nery 2012 jan-mar;16(1):103-10.

Rezende KCAD,Tipple AFV, Siqueira KM, Alves SB, Salgado TA,Pereira MV. Adesão à Higienização das Mãos e ao uso de Equipamentos de Proteção Pessoal por Profissionais de Enfermagem na Atenção Básica em Saúde. Cienc Cuid Saude 2012 Abr-Jun;11(2): 343-51.

Menegueti MG, Silvia RMC, Rodrigues FB , Laus AM. Avaliação dos Programas de Controle de Infecção Nosocomial em serviços de saúde. Rev Lat Am Enfermagem 2015 Jan-Fev; 23 (1): 98-105.

Oliveira AC, Paula AO. A percepção dos Profissionais de Saúde em Relação à Higienização das Mãos. J. res fundam care online 2017. Abr-jun; 9(2): 321-26.

Rodrigues PS, Sousa AFL, Magro MCS, Denise de Andrade D, Hermann PRS. Acidente Ocupacional entre Profissionais de Enfermagem Atuantes em Setores Críticos de um Pronto-Socorro. Esc Anna Nery 2017 Fev;21(2):1-6.

Nouetchognou JS ,Ateudjieu J , Jemea B , Mbanya D. Exposição acidental ao sangue e aos fluidos corporais entre os profissionais de saúde em um Hospital de Referência dos Camarões. BMC Res Notes 2016 Fev; 9: 94-103.

Stanganelli, NC, Perfeito RR, Vieira CC, Trevisan MJ, Vivan RPH; Gonçalves ARB. A Utilização de Equipamentos de Proteção Individual entre Trabalhadores de Enfermagem de um Hospital Público. Cogitare Enferm 2015 Abr-Jun; 20(2): 345-51.

La-Rotta EIG, Garcia CS, Barbosa F, Santos AF, Vieira GMM, Carneiro M. Avaliação do Nível de Conhecimento e Conformidade com as Precauções Padronizadas e o Padrão de Segurança (NR32) Entre Médicos de um Hospital Universitário Público, Brasil. Rev. bras. epidemiol São Paulo 2013 Set; 16(3): 786-97.

Figueiredo DA, Vianna RPT, Nascimento JA. Epidemiologia da Infecção Hospitalar em umaUnidade de Terapia Intensiva de um Hospital Público Municipal de João Pessoa-PB. R bras ci Saúde 2013; 17(3): 233-240.

Delage DGA , Silva GA. Prevenção e controle das infecções hospitalares: um desafio em instituições de saúde de juiz de fora. Ver Baiana de S Pública 2011 Dez; 35(4): 984-1000.

Souza ELV, Jennara Nascimento JC, Caetano JA, Ribeiro RCV. Uso dos equipamentos de proteção individual em unidade de terapia intensiva. Rev de Enf Ref 2011Jul; 1(4): 125-133.

Furlong M , Tanner MC , Goldman SM , Bhudhikanok GS, Blair A , Chade A, et al. O uso de luvas protectoras e hábitos de higiene modificam as associações de pesticidas específicos com doença de Parkinson. Environ Int 2015 Fev; (0): 144-150.

Arnoldo L, Cattani G, Fabbro E, Cookson B, Gallagher R, Hartemann R et al. Harmonizando e apoiando o treinamento de controle de infecção na Europa. 2015 Ags; 89(4): 351-56.

Puccini PT. Perspectivas do controle da infecção hospitalar e as novas forças sociais em defesa da saúde. Ciênc. saúde coletiva 2011 Jul;16 (7): 3043-49.

Ribeiro G, Pires DEP, Scherer MDA. Práticas de Biossegurança no Ensino Técnico de Enfermagem. Trab. Educ Saúde Rio de Janeiro 2016 Dez ;14(3): 871-88

Downloads

Publicado

2019-04-15

Edição

Seção

ARTIGOS DE REVISÃO

Artigos Semelhantes

1 2 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.