ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM EM URGÊNCIA E EMERGÊNCIA OBSTETRÍCA: UM ESTUDO BIBLIOMÉTRICO

Leonardo Magela Lopes Matoso, Valéria Antônia de Lima

Resumo


Introdução: O período gestacional é um processo fisiológico e natural no qual produz uma gama de modificações locais e sistêmicas no organismo feminino. No entanto, às vezes algumas distorcias acontecem durante este processo ocasionando as urgências e emergências. Objetivo: Este estudo objetivou descrever a produção científica da enfermagem sobre as urgências e emergências obstétricas. Materiais e Métodos: Realizou-se estado da arte, de natureza descritiva, desenvolvida a partir de uma análise bibliométrica. Foram trabalhadas duas bases de dados, a saber: Biblioteca Virtual em Saúde (BVS) e a Biblioteca Digital Brasileira de Teses e Dissertações (BDTD). A busca aconteceu por meio das palavras urgências, emergência e obstetrícia. Optou-se por trabalhar textos completos e dos últimos 10 anos, na língua portuguesa e espanhola. Aplicados critérios de inclusão e analisados estudos pertinentes para a área elencou-se seis estudos, formando assim, o corpus deste trabalho. Resultados: Infere-se que a assistência de enfermagem se encontra alicerçada no processo de enfermagem, com destaque na realização da triagem; serviços burocráticos, na monitorização dos sinais vitais, na administração de medicamentos e controle de equipamentos. Os resultados revelaram a existência de poucos estudos sobre as urgências e emergências obstétricas. Conclusão: Desse modo, sugere-se que mais estudos sejam realizados sobre essa temática, uma vez que é de extrema necessidade apreender sobre a condução assistencial, perfil profissional e a percepção das gestantes nas nuances que circundam as urgências e emergências obstétricas.


Palavras-chave


Urgências, Emergência, Obstetrícia, Enfermagem.

Texto completo:

PDF

Referências


Silva SPC, Prates RCG, Campelo BQA. Parto Normal ou Cesariana? Fatores que influenciam na escolha da gestante. Revista de Enfermagem da Universidade Federal de Santa Maria (REUFSM). 2014;4(1):1-9.

Gama AS, Giffin KM, Angulo-Tuesta A, Barbosa GP, D'orsi E. Representações e experiências das mulheres sobre a assistência ao parto vaginal e cesárea em maternidades pública e privada. Cad Saúde Pública. 2009;25(11):2480-8.

Bittencourt F, Vieira J, Almeida ACCH. Concepção de gestantes sobre o parto cesariano. Cogitare Enfermagem. 2013;18(3):515-20.

Nascimento E, Hilsendeger B, Neth C, Belaver G, Bertoncello KC. Acolhimento com classificação de risco: avaliação dos profissionais de enfermagem de um serviço de emergência. REE [Internet]. 2011;13(4):597-03.

Rezende J. Obstetrícia Fundamental. 10ª ed. Rio de Janeiro: Koogan; 2006.

Silva MG, Marcelino MC, Rodrigues LSP, Toro RC, Shimo AKK. Violência obstétrica na visão de enfermeiros obstetras. Revista da Rede de Enfermagem do Nordeste (Rev Rene). 2014;15(4): 720-728.

Araújo EA, Oliveira VC, Silva WAC. Estudo bibliométrico da produção científica sobre a contabilidade gerencial. In: Anais do XII Semead. 2009;22(1):20-31.

Medina Gonzalez ME, Nip Fabero OJ, Rodriguez Reyna JC. Acretismo placentario como urgencia en el servicio de obstetricia: Presentación de casos. Revista Médica Electrónica. 2009;31(6):31-42.

Nomura RMY, Novoa VANY, Pimenta BSO, Nakamura UM, Moron AF. Validação de questionário para avaliar a vivência e autoconfiança nas emergências na assistência ao parto vaginal. Rev. Bras. Ginecol. Obstet. [Internet]. 2014;36(11): 519-524.

Santos JKS. Saúde da mulher: motivos de atendimento no serviço de urgência obstétrica às gestantes residentes nas áreas de atuação das ESF no Setor Habitacional do Sol Nascente, Ceilândia – DF, 2014-2015. [Dissertação de Mestrado]. 2016. Brasília: Universidade de Brasília; 2016, 78 p.

Brilhante AF, Vasconcelos CTM, Bezerra RA, Lima SKM, Castro RCMB, Fernandes AFC. Implementação do protocolo de acolhimento com classificação de risco em uma emergência. Revista da Rede de Enfermagem do Nordeste (Rev Rene). 2016;17(4):569-575.

Brasil. Ministério da Saúde. Manual de acolhimento e classificação de risco em obstetrícia. 1.ed. Brasília: Ministério da Saúde, 2014.

Ataide MM, Santos AAP, Oliveira e Silva JM, Sanches METL. Exame obstétrico realizado pela enfermeira: da teoria à prática. Enfermagem em Foco. 2016;7(2):67-71

Oyarzun EE, Kusanovic JP. Urgencias en obstetricia. Revista Médica Clínica Las Condes.2011;22(3):316-331.




DOI: https://doi.org/10.13037/ras.vol17n61.5913

Indexadores: 
A RAS utiliza o software iThenticate para detecção e prevenção de plágio