PERFIL SOCIODEMOGRÁFICO DA MORTALIDADE DA POPULAÇÃO IDOSA NO NORDESTE BRASILEIRO

Bruna dos Reis Perreira, Ivia Mayana Oliveira de Jesus, Maísa Mônica Flores Martins

Resumo


Introdução: O envelhecimento populacional tem ocorrido de maneira radical e bastante acelerada principalmente nos países em desenvolvimento como o Brasil, esse processo de mudança do perfil demográfico representa um grande desafio para esses países, que precisam rapidamente inserir o tema do envelhecimento populacional na formulação de políticas públicas e de pensar em soluções de reorganização social e de saúde suficientes para atender as necessidades dessa nova realidade populacional. Objetivo: Este estudo tem por objetivo caracterizar o perfil de mortalidade da população idosa do nordeste brasileiro. Materiais e Métodos: O presente projeto trata-se de um estudo ecológico, espaço-temporal, de caráter descritivo a partir de dados secundários de mortalidade da população idosa do nordeste brasileiro, no período de 2006 a 2016. As fontes de dados constituirão de dados contidos nos diversos sistemas de informações disponíveis no Departamento de Informática do Sistema Único de Saúde (DATASUS). Resultados: Foi identificado a partir desse estudo que, o perfil de mortalidade da população idosa   é caracterizado principalmente pela sobrecarga das Doenças e Agravos Não Transmissíveis (DANT), e de outros problemas e agravos a saúde como as doenças infecciosas e parasitárias e a desnutrição, que revelam o grau de privação socioeconômica e sanitária que tornam os idosos desta região ainda mais vulneráveis e com mínimas chances de envelhecer ativamente e com qualidade de vida. Conclusão: Conclui-se que, essas informações são instrumentos imprescindíveis para o monitoramento das condições de vida e saúde, na orientação de estratégias de prevenção desses eventos, além de possibilitar o reconhecimento das demandas e padrões de serviços de saúde da população idosa para o planejamento, elaboração e avaliação de políticas de saúde.

Palavras-chave


Idoso; Indicadores de morbimortalidade; Epidemiologia.

Texto completo:

PDF

Referências


Miranda GMD, Mendes ACG, Silva ALA. O envelhecimento populacional brasileiro: desafios e consequências sociais atuais e futuras. Rev. Brasileira de Geriatria e Gerontologia. 2016;19(3):507-19.

Veras R. Envelhecimento populacional contemporâneo: demandas, desafios e inovações. Revista Saúde Pública. 2009;43(3):548-54.

Medeiros WR. Mortalidade em idosos longevos e" mais jovens" no Brasil. 2015.108F. [Tese Doutorado em Saúde Coletiva] - Centro de Ciências da Saúde, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2015.

Carvalho JAM, Garcia RA. O envelhecimento da população brasileira: um enfoque demográfico. Cad. Saúde Pública. 2003;19(3):725-733.

Coelho Filho JM, Ramos LR. Epidemiologia do envelhecimento no Nordeste do Brasil: Resultados de inquérito domiciliar. Revista de Saúde Pública. 1999;33(5):445-453.

Lima-Costa MF, Barreto SM. Tipos de estudos epidemiológicos: conceitos básicos e aplicações na área do envelhecimento. Epidemiologia e Serviços de Saúde. 2003;12(4):189-201.

Ministério da Saúde (BR). DATASUS. Acessado em: 30 maio 2018.Disponível em: http://datasus.saude.gov.br/datasus.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Censo 2000 [Internet]. Rio de

Janeiro: IBGE; 2014. Disponível em: http://www.ibge.gov.br. Acesso em: 22 maio 2018.

Virtuoso JF, Balbé GP, Mazo GZ, Pereira MGS, Santos FS. Morbidade e mortalidade da população idosa de Florianópolis: um estudo comparativo entre homens e mulheres. Revista Brasileira de Geriatria e Gerontologia. 2010;13(2)215-223. Disponível em: http://www.redalyc.org/pdf/4038/403838793006.pdf. Acesso em: 22 out. 2017.

Dantas I. C. et al. Perfil de morbimortalidade e os desafios para a atenção domiciliar do idoso brasileiro. Revista Kairós: Gerontologia. 2017; 20(1): 93-108. Disponível em: https://revistas.pucsp.br/index.php/kairos/article/view/2176-901X.2017v20i1p93-108/22192. Acesso em: 18 de nov. 2017.

Jorge MHPM, Dantas IC, Junior Pinto, EP, Medeiros KKAS, Souza EA. A mortalidade de idosos no Brasil: a questão das causas mal definidas. Epidemiol. Serv. Saúde. 2008;17(4): 2170-281. Disponível em: https://revistas.pucsp.br/index.php/kairos/article/view/2176-901X.2017v20i1p93-108/22192. Acesso em: 22 out. 2017.

Lima-Costa MF, Matos DL, Camargos VP, Macinko, J. Tendências em dez anos das condições de saúde de idosos brasileiros: evidências da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (1998, 2003, 2008). Ciência & saúde coletiva. 2011; 16(9):3689-3696. Disponível em: https://www.scielosp.org/pdf/csc/2011.v16n9/3689-3696/pt. Acesso em: 14 de nov. 2017.

Organização Mundial da Saúde(BR). Relatório Mundial de Saúde: atenção primária em saúde. Agora mais do que nunca. Brasília: OMS, 2008. Disponível em: http://www.who.int/eportuguese/publications/whr08_pr.pdf?ua=1>. Acesso em: 10 out. 2017.

Martins AB, D’Avila OP, Hilgert JB, Hugo FN. Atenção Primária a Saúde voltada as necessidades dos idosos: da teoria à prática. Ciência & Saúde Coletiva. 2014; 19(8):3403-3416. Disponível em: https://www.scielosp.org/pdf/csc/2014.v19n8/3403-3416/pt. Acesso em: 18 de nov. 2017.

Chaimowicz F. Epidemiologia e o envelhecimento no Brasil. In: Freitas, EV. Tratado de geriatria e gerontologia. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2006.

Mathias TAF, Aidar T. Diferencial de mortalidade na população idosa em um município da região Sul do Brasil, 1979-2004. Cien. Cuid. Saúde. 2010;9(1): 44-51. Disponível em: http://periodicos.uem.br/ojs/index.php/CiencCuidSaude/article/view/10529/5735. Acesso em: 18 de nov. 2017.




DOI: https://doi.org/10.13037/ras.vol18n64.6273

Indexadores: 
A RAS utiliza o software iThenticate para detecção e prevenção de plágio