CONSTRUÇÃO E VALIDAÇÃO DE UMA CARTILHA FISIOTERAPÊUTICA PARA O AUTOCUIDADO DE MULHERES NO PÓS-PARTO IMEDIATO

Autores

  • Marcela Godinho Miranda do Vale Universidade do Estado do Pará Centro de Ciências Biológicas e da Saúde Curso de Graduação em Fisioterapia Campus XII - Santarém https://orcid.org/0000-0001-5190-8893
  • Mírian Gabriela Laranjeira de Sousa Universidade do Estado do Pará Centro de Ciências Biológicas e da Saúde Curso de Graduação em Fisioterapia Campus XII - Santarém https://orcid.org/0000-0001-9255-3515
  • Jamyle Lopes Miranda Universidade do Estado do Pará Centro de Ciências Biológicas e da Saúde Curso de Graduação em Fisioterapia Campus XII - Santarém https://orcid.org/0000-0002-4565-1304
  • John Henry de Oliveira Vale Universidade do Estado do Pará Centro de Ciências Biológicas e da Saúde Curso de Graduação em Fisioterapia Campus XII - Santarém https://orcid.org/0000-0001-9772-6024

Palavras-chave:

Fisioterapia

Resumo

RESUMO

Introdução: A educação em saúde pressupõe uma combinação de oportunidades que favorecem a manutenção da saúde e sua promoção, e dentro dela se inserem as tecnologias educacionais empregadas no autocuidado, permitindo ao seu usuário a possibilidade de aprender como modificar sua realidade por méritos próprios. Objetivo: elaborar e validar uma tecnologia educativa, no formato de cartilha, para mediar os cuidados fisioterapêuticos que a puérpera terá consigo no período do puerpério imediato. Metodologia: Trata-se de uma pesquisa de abordagem quantitativa, de construção de Cartilha através de pesquisa bibliográfica, autorização e validação por meio de profissionais especialistas e puérperas através de questionário estruturado de avaliação da Cartilha. A pesquisa com as puérperas foi realizada no setor da Obstetrícia do Hospital Municipal de Santarém – PA. Para a análise de dados, foram utilizados graus de critérios de valorização como representados na escala de Likert, com grau de concordância maior que 80%. Resultados: O processo de validação contou com 28 avaliadores, sendo 13 juízes-especialistas e 15 público-alvo: puérperas. A avaliação dos juízes resultou em 98% de concordância quanto aos objetivos, 96% quanto à estrutura e 100% quanto à relevância da Cartilha. Já a avaliação das puérperas resultou em 97% quanto aos objetivos, 98% quanto ao estilo da escrita e 100% quanto aos itens organização, aparência e motivação. Conclusão: A Cartilha Educativa mostrou-se válida após avaliação dos juízes-especialistas e das puérperas como um meio de propagação de informações, transmissão de conhecimentos e promoção de ações que ajudam na integridade, na saúde e no bem-estar do público-alvo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marcela Godinho Miranda do Vale, Universidade do Estado do Pará Centro de Ciências Biológicas e da Saúde Curso de Graduação em Fisioterapia Campus XII - Santarém

Professora Substituta do Departamento de Ciências do Movimento Humano do curso de Fisioterapia da Universidade do Estado do Pará. Formado em Fisioterapia, Especialista em Educação em Saúde para Preceptores do SUS e Mestranda em Ensino e Saúde na Amazônia

Mírian Gabriela Laranjeira de Sousa, Universidade do Estado do Pará Centro de Ciências Biológicas e da Saúde Curso de Graduação em Fisioterapia Campus XII - Santarém

Acadêmica da Universidade do Estado do Pará

Jamyle Lopes Miranda, Universidade do Estado do Pará Centro de Ciências Biológicas e da Saúde Curso de Graduação em Fisioterapia Campus XII - Santarém

Acadêmica da Universidade do Estado do Pará

John Henry de Oliveira Vale, Universidade do Estado do Pará Centro de Ciências Biológicas e da Saúde Curso de Graduação em Fisioterapia Campus XII - Santarém

Professor efetivo do Departamento de Ciências do Movimento Humano do curso de Fisioterapia da Universidade do Estado do Pará. Formado em Fisioterapia, Especialista em Saúde Pública e da Família, Docência Superior, Gestão Educacional, Preceptoria no SUS e Mestre em Ensino e Saúde na Amazônia

Referências

Domingues RMSM, Santos EM, Leal MC. Aspectos da satisfação das mulheres com a assistência ao parto: contribuição para o debate. Cad. Saúde Pública, 20(1), 2004; 52-62. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2004000700006

Burti JS, Cruz JPS, Silva, A.C.; Moreira, IL. Assistência ao puerpério imediato: o papel da fisioterapia. Revista Fac Med Sorocaba: 18(4): 193-8. 2016. DOI: https://doi.org/10.5327/Z1984-4840201625440

Giaretta DG, Fagundez F. Aspectos psicológicos do puerpério: Uma revisão. Psicologia. pt, [Internet] 2015 [cited 2018 Sep] p. 1-8. Available from: https://www.psicologia.pt/artigos/textos/A0922.pdf

Baracho E. Fisioterapia aplicada a saúde da mulher. Guanabara Koogan: Rio de Janeiro, 6ª ed. 2018, p. 552.

Garcia, E. S. G. F., Leite, E. P. R. C., & Nogueira, D. A. Assistência de enfermagem às puérperas em unidades de atenção primária. Rev Enferm UFPE online, 7(10), 2013; 5923-8. Available from: https://periodicos.ufpe.br/revistas/revistaenfermagem/article/download/12218/14811

Beleza ACS, Carvalho GP. A atuação fisioterapêutica no puerpério. Rev. Hispeci & Lema, Bebedouro/SP, (1), 2009; p. 1-6. Available from: http://www.unifafibe.com.br/revistasonline/arquivos/hispecielemaonline/sumario/12/19042010145924.pdf

Dias TMDC, Barbalho TCS, Moura ACA, Souza RJS, Sousa VPS, Viana EDSR. Recuperação da diástase de reto abdominal no período puerperal imediato com e sem intervenção fisioterapêutica. Fisioter Bras, 13(6), 2012; p. 39-44. Available from: http://www.academia.edu/download/45807783/Fisioterapia_fissura_anal.pdf#page=40

Buss PM. Promoção e educação em saúde no âmbito da Escola de Governo em Saúde da Escola Nacional de Saúde Pública. Cadernos de Saúde Pública, 15(Suppl. 2), 1999; S177-S185. DOI: https://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X1999000600018

Reberte LM, Hoga LAK, Gomes ALZ. O processo de construção de material educativo para a promoção da saúde da gestante. Revista Latino-Americana de Enfermagem, 20(1), 2012; p. 101-108. DOI: https://dx.doi.org/10.1590/S0104-11692012000100014

Carrara GL, Oliveira JP. Atuação do enfermeiro na educação em saúde durante o pré-natal: uma revisão bibliográfica. Rev Fafibe Online, 6, 2013; p. 96-109. Available from: http://www.unifafibe.com.br/revistasonline/arquivos/revistafafibeonline/sumario/28/11122013185545.pdf

Almeida MS, Silva IA. Necessidades de mulheres no puerpério imediato em uma maternidade pública de Salvador, Bahia, Brasil. Rev Esc Enferm USP. 2008;42(2):347-54.

Neuwald MF, Alvarenga LF. Fisioterapia e educação em saúde: investigando um serviço ambulatorial do SUS. Boletim da Saúde, 19(02); 2005. Available from: http://www.boletimdasaude.rs.gov.br/download/20140521152235v19n2_12fisioterapia.pdf

Ribeiro SB, Lima KRP. A Importância do fisioterapeuta como agente educador de saúde na unidade básica de saúde da família. Revista Brasileira de Saúde Funcional, 2(2), 2015; 05. Available from: http://www.seer-adventista.com.br/ojs/index.php/RBSF/article/view/642/603

Teixeira E, Medeiros HP. Tecnologias na literatura de enfermagem: do reconhecimento ao desenvolvimento. Nietsche EA, Teixeira E, Medeiros HP. Tecnologias cuidativo-educacionais: uma possibilidade para o empoderamento do (a) enfermeiro (a), 2014; 57-73.

Souza VB, Silva JS, Barros MC, Freitas PSP. Tecnologias leves na saúde como potencializadores para qualidade da assistência às gestantes. Rev enferm UFPE online [internet], 2014; 1388-93. Available from: https://periodicos.ufpe.br/revistas/revistaenfermagem/article/viewFile/9824/10011

Nascimento MHM, Teixeira E. Tecnologia educacional para mediação ou acolhimento de “familiares cangurus” em unidade neonatal. Revista Brasileira de Enfermagem , 71 (Suppl. 3), 2018; p. 1290-1297. DOI: https://dx.doi.org/10.1590/0034-7167-2017-0156

Polit DF, Beck CT. Fundamentos de pesquisa em enfermagem: avaliação de evidências para a prática da enfermagem. Artmed Editora; 7 ed.; 2011.

Silva CPR, Lacerda RA. Validação de proposta de avaliação de programas de controle de infecção hospitalar. Revista de Saúde Pública, 45(1), 121-128. Epub December 10, 2010. DOI: https://dx.doi.org/10.1590/S0034-89102010005000052

Oliveira MS, Fernandes AFC, Sawada NO. Manual educativo para o autocuidado da mulher mastectomizada: um estudo de validação. Texto contexto - enferm. 17( 1 ): 2008; 115-123. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0104-07072008000100013.

Fernandes MVL, Lacerda RA, Hallage NM. Construção e validação de indicadores de avaliação de práticas de controle e prevenção de infecção do trato urinário associada a cateter. Acta paul. enferm; 19( 2 ): 2006; 174-189. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0103-21002006000200009.

Lima ACMACC, Bezerra KC, Sousa DMN, Rocha JF, Oriá MOB. Construção e Validação de cartilha para prevenção da transmissão vertical do HIV. Acta paul. enferm. 2017; 30( 2 ): 181-189. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/1982-0194201700028.

Abreu ACS, Marinho DF, Cardoso IBP. Tecnologia educativa para os cuidadores de pacientes submetidos a traqueostomia: estudo de validação. Rev. Aten. Saúde, São Caetano do Sul, v. 17, n. 59, p. 19-32, jan./mar., 2019. DOI: https://doi.org/10.13037/ras.vol17n59.5730

Vasconcelos SS; Gomes ILV; Barbalho EV; Gouveia SSV; Gouveia GPM. Validação de uma cartilha sobre a detecção precoce do transtorno do espectro autista. Rev. bras. promoç. saúde (Impr.) ; 31(4): 1-7, 21/12/2018. DOI: http://dx.doi.org/10.5020/18061230.2018.8767

Vieira ASM, Castro KVF, Canatti JR, Oliveira IAVF, Benevides SD; Sá KN. (2019). Validação de uma cartilha educativa para pessoas com dor crônica: EducaDor. BrJP, 2(1), 39-43. https://dx.doi.org/10.5935/2595-0118.20190008

Gonçalves BG, Hoga LAK. Tempo de amor e adaptação: promoção da saúde da mulher no pós-parto e do recém-nascido. 1ª Edição, São Paulo, EEUSP [Internet], 2016 [cited 2019 Oct 23]. Available from: http://www.ee.usp.br/cartilhas/cartilha_puerperio.pdf

Downloads

Publicado

26-10-2020

Edição

Seção

ARTIGOS ORIGINAIS