INTERFACE ENTRE A ATENÇÃO BÁSICA E A ESPECIALIZADA NA REDE DE SAÚDE BUCAL DO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE BRASILEIRO

Autores

DOI:

https://doi.org/10.13037/ras.vol19n68.6693

Palavras-chave:

Avaliação de Serviços de Saúde, Saúde Bucal, Atenção Básica, Especialidades Odontológicas.

Resumo

Objetivo: Verificar a interface entre a atenção básica (AB) e especializada no Sistema Único de Saúde (SUS). Métodos: Trata-se de um estudo multinível de abrangência nacional, que incluiu 927 centros de especialidades odontológicas (CEO) participantes do Programa de Melhoria do Acesso e da Qualidade (PMAQ-AB), considerando seu 2º ciclo de coleta. Resultados: Os dados foram submetidos as análises das frequências relativas e absolutas, também foi realizado regressão de Poisson Multinível (Stata 11©). Observou-se que 52,53% (IC 95% 49,31-55,75) dos CEO apresentam interface mínima e 34,51% (IC 95% 31,45-37,58) interface abrangente. Na análise ajustada em ambos os desfechos, as regiões Sul e Sudeste apresentaram maior prevalência do desfecho, o mesmo ocorreu para regiões com IDH mais alto. Conclusão: Portanto realizar planejamento, receber matriciamento e garantir acesso agendado, aumenta a probabilidade de interface mínima em 60%, 30% e 31%, respectivamente. Ficam evidenciadas as desigualdades existentes entre os serviços de saúde e necessidade de maiores investimentos na gestão dos serviços de saúde no Brasil.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maiara Mundstock Jahnke, Fundação Municipal de Saúde de Canoas. Canoas, RS, Brasil.

Cirurgiã Dentista de Equipe de Saúde da Família da Unidade de Saúde Fátima, Prefeitura Municipal de Canoas. Mestre em Saúde Bucal Coletiva pelo Programa de Pós Graduação da Faculdade de Odontologia, UFRGS. Especialista em Saúde Coletiva e da Família pela Residência Integrada em Saúde do Grupo Hospitalar Conceição. Experiência em Gestão de Programas de Avaliação da Qualidade de Serviços de Saúde (PMAQ e PMAQ-CEO). Graduada pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

Jessye Melgarejo do Amaral Giordani, Universidade Federal de Santa Maria. Programa de Pós Graduação em Ciências Odontológicas com ênfase em Saúde Coletiva.

Doutorado em Epidemiologia (2015) e Mestrado em Saúde Bucal Coletiva (2009) pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Residência Multiprofissional Integrada em Saúde Coletiva pela Universidade Federal de Santa Maria (2011). Graduação em Odontologia pela Universidade Federal de Santa Maria (2004). Atualmente é Professor Adjunto do Curso de Odontologia da UFSM. Atua principalmente em Saúde Coletiva, com ênfase em Epidemiologia.

Idiana Luvison, Grupo Hospitalar Conceição. Porto Alegre, RS, Brasil.

Possui graduação em Odontologia pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (1982), e especialização em Odontologia Social e Preventiva pela mesma Universidade (1985). É odontóloga do Hospital Nossa Senhora da Conceição S/A onde, além das atividades clínicas de cirurgiâ-dentista, é preceptora na Residência Integrada em Saúde, ministrando aulas aos residentes da ênfase Saúde da Família e Comunidade. Fez parte do corpo docente do Curso de Formação de Técnico em Saúde Bucal da Escola GHC. É coordenadora da macrorregional Sul do Programa de Melhoria do Acesso e Qualidade dos Centros de Especialidades Odontológicas (PMAQ-CEO). Foi assessora da Coordenação Nacional de Saúde bucal do Ministério da Saúde , tendo participado da elaboração da Política Nacional de Saúde Bucal. Tem experiência na área de Odontologia, com ênfase em Saúde Bucal Coletiva.

Nilcema Figueiredo, Departamento de Medicina Social da Universidade Federal de Pernambuco

Professora Associada da Área Acadêmica de Medicina Social (AAMS) da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE).

Orlando Luiz do Amaral Júnior, Universidade Federal de Santa Maria

Mestrando do Pós Graduação em Ciências Odontológicas com ênfase em Saúde Coletiva da Universidade Federal de Santa Maria

Fernando Neves Hugo, Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Porto Alegre. Programa de Pós-Graduação em Saúde Coletiva.

Professor Associado do Departamento de Odontologia Preventiva e Social da Faculdade de Odontologia da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (2008-). Professor Permanente do Programa de Pós-Graduação em Odontologia (2008-). Professor Colaborador do Programa de Pós-Graduação em Odontologia da UFMA (2011-).

Referências

As redes de atenção à saúde. / Eugênio Vilaça Mendes. Brasília: Organização Pan-Americana da Saúde, 2011. p 549.

Campos CEA. O desafio da integralidade segundo as perspectivas da vigilância da saúde e da saúde da família. Ciênc saúde coletiva. 2003;8(2):569–84.

Oliveira MA de C, Pereira IC. Atributos essenciais da Atenção Primária e a Estratégia Saúde da Família. Rev Bras Enferm. setembro de 2013;66(spe):158–64.

Casotti E, Contarato PC, Fonseca ABM, Borges PK de O, Baldani MH. Atenção em saúde bucal no Brasil: reflexões a partir da avaliação externa do PMAQ-AB. Saúde em Debate 2014 ;38(special).

Figueiredo N, Goes PSA de. Construção da atenção secundária em saúde bucal: um estudo sobre os Centros de Especialidades Odontológicas em Pernambuco, Brasil. Cad Saúde Pública. fevereiro de 2009;25(2):259–67.

Morris AJ, Burke FJT. Primary and secondary dental care: the nature of the interface. health policy. 191(12):5.

Austregésilo SC, Leal MC de C, Marques AP de O, Vieira J de CM, Alencar DL de. Acessibilidade a serviços de saúde bucal por pessoas idosas: uma revisão integrativa. Rev bras geriatr gerontol. março de 2015;18(1):189–99.

Goes PSA de, Figueiredo N, Neves JC das, Silveira FM da M, Costa JFR, Pucca Júnior GA, et al. Avaliação da atenção secundária em saúde bucal: uma investigação nos centros de especialidades do Brasil. Cad Saúde Pública. 2012;28(suppl):s81–9.

Pinto HA, Sousa ANA de, Ferla AA. O Programa Nacional de Melhoria do Acesso e da Qualidade da Atenção Básica: faces de uma política inovadora. Saúde em Debate [Internet]. 2014 [citado 14 de agosto de 2019];38(special). Disponível em: http://www.gnresearch.org/doi/10.5935/0103-1104.2014S027

Mattos GCM, Ferreira EF e, Leite ICG, Greco RM. A inclusão da equipe de saúde bucal na Estratégia Saúde da Família: entraves, avanços e desafios. Ciênc saúde coletiva. fevereiro de 2014;19(2):373–82.

Scherer CI, Scherer MD dos A. Advances and challenges in oral health after a decade of the “Smiling Brazil” Program. Rev Saúde Pública [Internet]. 2015 [citado 12 de setembro de 2019];49(0). Disponível em:http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0034 89102015000100411&lng=en&tlng=en

Flôres GM da S, Weigelt LD, Rezende MS de, Telles R, Krug SBF. Gestão pública no SUS: considerações acerca do PMAQ-AB. Saúde debate. janeiro de 2018;42(116):237–47.

Bastos LS, Oliveira R de VC de, Velasque L de S. Obtaining adjusted prevalence ratios from logistic regression models in cross-sectional studies. Cad Saúde Pública. março de 2015;31(3):487–95.

Spiegelman D. Easy SAS Calculations for Risk or Prevalence Ratios and Differences. American Journal of Epidemiology. 29 de junho de 2005;162(3):199–200.

Barros AJ, Hirakata VN. Alternatives for logistic regression in cross-sectional studies: an empirical comparison of models that directly estimate the prevalence ratio. BMC Med Res Methodol. dezembro de 2003;3(1):21.

Fuchs SC, Victora CG, Fachel J. Modelo hierarquizado: uma proposta de modelagem aplicada à investigação de fatores de risco para diarréia grave. Rev Saúde Pública. abril de 1996;30(2):168–78.

Machado FC de A, Silva JV, Ferreira MÂF. Factors related to the performance of Specialized Dental Care Centers. Ciênc saúde coletiva. abril de 2015;20(4):1149–63.

Neves M, Giordani JM do A, Hugo FN. Atenção primária à saúde bucal no Brasil: processo de trabalho das equipes de saúde bucal. Ciênc saúde coletiva. maio de 2019;24(5):1809–20.

Donabedian A. Evaluating the quality of medical care. Milbank Q. 1966. 2005;83(4):691-729.

Pilz C, Alegre P. Desafios e propostas para a informatização da Atenção Primária no Brasil na perspectiva de implantação do Prontuário Eletrônico do e-SUSAB. :74.

Bueno RE, Moysés ST, Bueno PAR. Determinantes sociais e saúde bucal de adultos nas capitais do Brasil. Rev Panam Salud Publica. 2014;7.

Buss PM, Pellegrini Filho A. Iniqüidades em saúde no Brasil, nossa mais grave doença: comentários sobre o documento de referência e os trabalhos da Comissão Nacional sobre Determinantes Sociais da Saúde. Cad Saúde Pública. setembro de 2006;22(9):2005–8.

Publicado

2021-06-30

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)