Desigualdade socioeconômicas associadas ao hábito de fumar em Brasileiros com 50 anos ou mais

Iniquidade de Gênero em Fumantes Brasileiros

Autores

Palavras-chave:

Gênero e Saúde, Fumar, Envelhecimento

Resumo

INTRODUÇÃO: O tabagismo é um fator de risco responsável pelo grande número de mortes em países da América do Sul, sendo um importante fator de risco para a ocorrência das doenças crônicas não transmissíveis, em especial as doenças circulatórias. Além disso, desigualdades injustas e evitáveis derivadas da posição social, papéis e expectativas entre homens e mulheres na sociedade são evidentes, e podem influenciar o hábito de fumar. OBJETIVOS: Estimar as diferenças entre fatores socioeconômicos e demográficos associados ao tabagismo de forma independente entre homens e mulheres brasileiros com idade superior a 50 anos. MÉTODOS: Trata-se de um estudo transversal, composto por 9.412 indivíduos. Fatores demográficos e socioeconômicos foram coletados através de questionários individual e domiciliar no ano de 2015. Razões de prevalências foram obtidas através de regressão de Poisson multivariada. RESULTADOS: Mulheres residentes na zona rural apresentaram uma prevalência 35% menor do hábito de fumar do que as que vivem na zona urbana. Também se observou que mulheres com nível de escolaridade maior que 12 anos de estudo apresentaram uma prevalência 28% menor quando comparadas as que estudaram até 3 anos. Em ambos os casos, homens não foram associados estatisticamente. CONCLUSÃO: Sugere-se que políticas públicas de saúde devem considerar a equidade de gênero como um critério para implementar políticas voltadas para a redução do hábito de fumar.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Orlando Luiz do Amaral Júnior, Programa de Pós-Graduação em Ciências Odontológicas. Universidade Federal de Santa Maria. Santa Maria, RS, Brasil.

Cirurgião Dentista, graduado pela Universidade Federal de Santa Maria (UFSM), no ano de 2018. Mestre em Ciências Odontológicas com ênfase em Saúde Coletiva e linha de pesquisa em epidemiologia e avaliação dos serviços, programas e políticas de saúde (PPGCO-UFSM).

Maria Laura Braccini Fagundes , Programa de Pós-Graduação em Ciências Odontológicas. Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, RS, Brasil.

Pós graduanda em Ciências Odontológicas com ênfase em Saúde Coletiva pela Universidade Federal de Santa Maria, orientada pela Professora Dra. Luisa Helena do Nascimento Tôrres. Especialista em Sistema Público de Saúde/ESF pela Universidade Federal de Santa Maria (2019). Participa do Projeto Sorria Santa Maria, onde atua como cirurgiã-dentista voluntária. Possui graduação em Odontologia pela Universidade Federal de Santa Maria (2016). Graduação Sanduíche como Bolsista do Programa Ciências sem Fronteiras nos Estados Unidos (Agência de fomento CAPES) na Western Kentucky University, Bowling Green, KY. Estágio de verão realizado na Beverly Hills Prestige Dental Group, Los Angeles, CA.

Gabriele Rissotto Menegazzo , Programa de Pós-Graduação em Ciências Odontológicas. Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, RS, Brasil.

Doutoranda Pós Graduanda em Ciências Odontológicas com ênfase em Saúde Coletiva pela Universidade Federal de Santa Maria, orientada pelo Professor Dr. Jessye Melgarejo do Amaral Giordani. Mestre em Ciências Odontológicas com ênfase em Odontopediatria e linha de pesquisa em Epidemiologia Bucal pelo Programa de Pós Graduação em Ciências Odontológicas da Universidade Federal de Santa Maria sob orientação do Professor Dr. Thiago Machado Ardenghi (PPGCO/UFSM-RS) (2018). Pós Graduanda em Odontopediatria pela Uningá/SM. Possui Graduação em Odontologia pela Universidade Federal de Santa Maria (UFSM-RS) (2015).

Jessye Melgarejo do Amaral Giordani , Programa de Pós-Graduação em Ciências Odontológicas. Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, RS, Brasil.

Professor Adjunto do Curso de Odontologia da UFSM. Tutor da Residência Multiprofissional em Saúde Pública da UFSM. Orientador de mestrado e doutorado no Programa de Pós-graduação em Ciências Odontológicas da UFSM. Atua principalmente em Saúde Coletiva, com ênfase em Epidemiologia na investigação dos determinantes sociais de saúde.

Referências

Krieger N. Theories for social epidemiology in the 21st century: an ecosocial perspective. International Journal of Epidemiology. agosto de 2001;30(4):668–77.

US National Institute of Aging. World Health Organization. Global health and aging. Bethesda: National Institutes of Health; 2011. (NIH Publication, 11-7737).

World Health Organization (WHO). Global status report on noncommunicable diseases 2010 [Internet]. Geneva: WHO; 2011.

Lim SS, Vos T, Flaxman AD, Danaei G, Shibuya K, Adair-Rohani H, et al. A comparative risk assessment of burden of disease and injury attributable to 67 risk factors and risk factor clusters in 21 regions, 1990–2010: a systematic analysis for the Global Burden of Disease Study 2010. The Lancet. 2012;380(9859):2224–60.

Corsi DJ, Boyle MH, Lear SA, Chow CK, Teo KK, Subramanian SV. Trends in smoking in Canada from 1950 to 2011: progression of the tobacco epidemic according to socioeconomic status and geography. Cancer Causes Control. 2014;25(1):45–57.

Abdulrahim S, Jawad M. Socioeconomic differences in smoking in Jordan, Lebanon, Syria, and Palestine: A cross-sectional analysis of national surveys. El Bcheraoui C, organizador. PLoS ONE. 2018;13(1):e0189829.

Kenney BA, Holahan CJ, Holahan CK, Brennan PL, Schutte KK, Moos RH. Depressive symptoms, drinking problems, and smoking cessation in older smokers. Addictive Behaviors. 2009;34(6–7):548–53.

Cherepanov D, Palta M, Fryback DG, Robert SA. Gender differences in health-related quality-of-life are partly explained by sociodemographic and socioeconomic variation between adult men and women in the US: evidence from four US nationally representative data sets. Qual Life Res. 2010;19(8):1115–24.

Pinto M, Bardach A, Palacios A, Biz A, Alcaraz A, Rodriguez B, et al. Carga do tabagismo no Brasil e benefício potencial do aumento de impostos sobre os cigarros para a economia e para a redução de mortes e adoecimento. Cad Saúde Pública. 2019;35(8):e00129118.

Reitsma MB, Fullman N, Ng M, Salama JS, Abajobir A, Abate KH, et al. Smoking prevalence and attributable disease burden in 195 countries and territories, 1990–2015: a systematic analysis from the Global Burden of Disease Study 2015. The Lancet. 2017;389(10082):1885–906.

Lima-Costa MF, de Andrade FB, Souza PRB de, Neri AL, Duarte YA de O, Castro-Costa E, et al. The Brazilian Longitudinal Study of Aging (ELSI-Brazil): Objectives and Design. American Journal of Epidemiology. 2018;187(7):1345–53.

Malta DC, Iser BPM. Tendencias temporales en el consumo de tabaco en las capitales brasileñas, según datos de VIGITEL, 2006 a 201. Cad Saúde Pública. 2013;11.

Andrade FB de, Antunes JLF, Souza Junior PRB de, Lima-Costa MF, Oliveira CD. Life course socioeconomic inequalities and oral health status in later life. Rev saúde pública. 2019;52(Suppl 2):7s.

IBGE. Censo Demográfico 2016 – Características Gerais da População. Resultados da Amostra. IBGE, 2016.

Fry K, Firestone R, Chakraborty N. Measuring equity with nationally representative wealth, quintiles. Washington (DC): PSI; 2014. Wealth-Quintile-Guide.

Amos A. From social taboo to “torch of freedom”: the marketing of cigarettes to women. Tobacco Control. 2000;9(1):3–8.

Gil-Lacruz AI, Gil-Lacruz M, Leeder S. Women and smoking — Prices and health warning messages: Evidence from Spain. Addictive Behaviors. 2015;45:294–300.

Bilal U, Beltrán P, Fernández E, Navas-Acien A, Bolumar F, Franco M. Gender equality and smoking: a theory-driven approach to smoking gender differences in Spain. Tob Control. 2016;25(3):295–300.

World Health Organization (WHO). WHO report on the global tobacco epidemic, 2013. Enforcing bans on tobacco advertising, promotion and sponsorship. Geneva: WHO 2013. Disponível em: Disponível em: http://apps.who.int/iris/bitstream/10665/85380/1/9789241505871_eng.pdf?ua=1 . (Acessado em 31 de maio de 2020).

Vargas MA, Oliveira BF de. Estratégias de diversificação em áreas de cultivo de tabaco no Vale do Rio Pardo: uma análise comparativa. Rev Econ Sociol Rural. 2012;50(1):175–92.

Reis MM dos, Oliveira APN de, Turci SRB, Dantas RM, Silva V dos SP da, Gross C, et al. Conhecimentos, atitudes e práticas de agricultoras sobre o processo de produção de tabaco em um município da Região Sul do Brasil. Cad Saúde Pública. 2017;33(suppl 3).

Saleeon T, Siriwong W, Maldonado-Pérez H, Robson M. Green Tobacco Sickness among Thai Traditional Tobacco Farmers, Thailand. Int J Occup Environ Med. 2015;6(3):169–76.

Park S-J, Lim H-S, Lee K, Yoo S-J. Green Tobacco Sickness Among Tobacco Harvesters in a Korean Village. Safety and Health at Work. 2018;9(1):71–4.

Meucci RD, Fassa AG, Faria NMX, Fiori NS. Chronic low back pain among tobacco farmers in southern Brazil. International Journal of Occupational and Environmental Health. 2015;21(1):66–73.

Monteiro C. Population-based evidence of a strong decline in the prevalence of smokers in Brazil (1989-2003). Bull World Health Organ. 2007;85(7):527–34.

Malta DC, Oliveira TP, Vieira ML, Almeida L, Szwarcwald CL. Uso e exposição à fumaça do tabaco no Brasil: resultados da Pesquisa Nacional de Saúde 2013. Epidemiol Serv Saúde. 2015;24(2):239–48.

Szklo AS, Levy D, Souza MC de, Szklo M, Figueiredo VC, Perez C, et al. Changes in cigarette consumption patterns among Brazilian smokers between 1989 and 2008. Cad Saúde Pública. 2012;28(11):2211–5.

Peixoto SV, Firmo JOA, Lima-Costa MF. Factors associated to smoking habit among older adults (The Bambuí Health and Aging Study). Rev Saúde Pública. 2005;39(5):746–53.

Ji M, Hofstetter CR, Hovell M, Irvin V, Song YJ, Lee J, et al. Smoking cessation patterns and predictors among adult Californians of Korean descent. Nicotine & Tobacco Research. 2005;7(1):59–69.

Peixoto SV, Firmo JOA, Lima-Costa MF. Condições de saúde e tabagismo entre idosos residentes em duas comunidades brasileiras (Projetos Bambuí e Belo Horizonte). Cad Saúde Pública. 2006;22(9):1925–34.

Sex differences in morbidity and mortality. 2005;42(2):26.

Malmusi D, Artazcoz L, Benach J, Borrell C. Perception or real illness? How chronic conditions contribute to gender inequalities in self-rated health. The European Journal of Public Health. 2012;22(6):781–6.

Krieger N. Discrimination and Health Inequities. Int J Health Serv. 2014;44(4):643–710.

Farrelly MC, Bray JW, Pechacek T, Woollery T. Response by Adults to Increases in Cigarette Prices by Sociodemographic Characteristics. Southern Economic Journal. 2001;68(1):156.

Reitsma MB, Fullman N, Ng M, Salama JS, Abajobir A, Abate KH, et al. Smoking prevalence and attributable disease burden in 195 countries and territories, 1990–2015: a systematic analysis from the Global Burden of Disease Study 2015. The Lancet. 2017;389(10082):1885–906.

Publicado

2021-01-27

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)