ASSOCIAÇÃO DA ATIVIDADE FÍSICA DE LAZER E DO DESLOCAMENTO OCUPACIONAL COM A CAMINHADA E O CICLISMO: UM ESTUDO TRANSVERSAL COM BRASILEIROS ADULTOS

Dartel Ferrari Lima, Lohran Anguera Lima, Oldemar Mazzardo Júnior, Adelar Aparecido Sampaio, Michael Pereira da Silva, Arestides Pereira da Silva Júnior, Veronica Gabriela Silva Piovani, Maria das Graças Anguera

Resumo


Introdução: a caminhada e o ciclismo são os tipos principais de atividade física recreativa e de deslocamento por adultos brasileiros. Objetivo: associar, a partir de informações sociodemográficas e pessoais, a prática da atividade física recreativa e do deslocamento ativo com a caminhada e o ciclismo. Materiais e Métodos: estudo descritivo com amostra de adultos entrevistados pela Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico - Vigitel (2016). Resultados: 13.869 adultos (28,1% de homens e 24,8% de mulheres) relataram caminhar ou pedalar recreativamente; 9.607 adultos (20,1% de homens e 16,8% de mulheres) e 4.487 adultos (7,3% de homens e 9,2% de mulheres) relataram se deslocar a pé ou de bicicleta para o trabalho ou para a escola, respectivamente. Caminhar e pedalar se associou positivamente com maior força aos homens nos domínios recreativos e no deslocamento para o trabalhos, enquanto o deslocamento para a escola se associou mais fortemente às mulheres, principalmente as residentes nas regiões Norte e Nordeste. No conjunto da amostra, houve maior associação para os participantes com idade de 35 a 54 anos, com maior escolaridade (≥ 12 anos) e sem sobrepeso. A ocorrência de morbidades crônicas se associou com as atividades recreativas (Razão Chance: 1,43; IC95%: 1,25-1,65). Conclusões: a caminhada e o ciclismo são as principais atividade recreativas para 27% da população brasileira e está presente no cotidiano de 8,0% da população que se desloca ativamente para o trabalho e/ou escola.


Palavras-chave


Recreação; Exercício; Estilo de vida sedentário; Promoção de saúde; Doença Crônica; Monitoramento.

Texto completo:

PDF

Referências


Organização Mundial da Saúde [homepage na internet]. Physical activity for health: More active people for a healthier world: draft global action plan on physical activity 2018–2030. [acesso 23 jul 2018]. Disponível em: http://apps.who.int/gb/ebwha/pdf_files/WHA71/A71_18-en.pdf

Organização das Nações Unidas [homepage na internet]. Revision of World Urbanization Prospects 2018. [acesso 23 set 2018]. Disponível em: https://www.un.org/development/desa/publications/2018-revision-of-world-urbanization-prospects.htm

Russ LB, Webster CA, Beets MW, Phillips DS. Systematic Review and Meta-Analysis of Multi-Component Interventions Through Schools to Increase Physical Activity. Journal of Physical Activity and Health 2015;12(10): 1436-1446.

Department of Health and Human Services (USA). Physical Activity Guidelines for Americans, 2nd ed. Washington (DC): U.S. Department of Health and Human Services; 2018.

American College of Sport Medicine. ACMS Guidelines for Exercise Testing and prescription. 8th ed. Philadelphia: Williams & Wilkins; 2007.

Lima DF, Levy RB, Luiz OC. Recomendações para atividade física e saúde: consensos, controvérsias e ambiguidades. Rev Panam Salud Publica. 2014;36(3):164–70.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Análise em Saúde e Vigilância de Doenças não Transmissíveis. Vigitel - Brasil 2016: Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico. Brasília (DF): Ministério da Saúde; 2017.

World Health Organization [homepage na internet]. Epidemic of obesity and overweight linked to increased food energy supply – study. July 2015. [Acesso 03 fev 2018]. Disponível em: http://www.who.int/bulletin/releases/NFM0715/en/

Telford RM, Telford RD, Olive LS, Cochrane T, Davey R. Why Are Girls Less Physically Active than Boys? Findings from the LOOK Longitudinal Study. PLoS One 2016;11(3):e0150041.

Hands B, Parker H, Larkin D, Cantell M, Rose E. Male and Female Differences in Health Benefits Derived from Physical Activity: Implications for Exercise Prescription. J Womens Health, Issues Care 2016; 5:4.

Edwards ES, Sackett SC. Psychosocial Variables Related to Why Women are Less Active than Men and Related Health Implications. Supplementary Issue: Health Disparities in Women. First Published 2016;4(9)(Suppl 1):47-56.

Lima DF, Piovani VGSP, Lima LA. Prática de futebol recreativo entre adultos residentes nas capitais brasileiras, 2011-2015. Epidemiol. Serv. Saúde 2018; 27(2):1-10.

Hallal PC. Atividade física e saúde no Brasil: pesquisa, vigilância e políticas. Cad. Saúde Pública 2014;30(12):2487-2489.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Síntese de indicadores sociais: uma análise das condições de vida da população brasileira: 2016/IBGE, Coordenação de População e Indicadores Sociais. Rio de Janeiro: IBGE; 2016.

Hardman CM, Barros SSH, Oliveira ESA, Nahas MV, Barros MVG. Inatividade nos deslocamentos para o trabalho e fatores associados em industriários. Saúde Soc. São Paulo 2013;22(3):760-772, 2013.

Silva SG, Duca GF, Silva KSS, Oliveira ESA, Nahas MV. Deslocamento para o trabalho e fatores associados em industriários do sul do Brasil. Rev. Saúde Pública 2012;46(1):180-184.

Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Resumo técnico: Censo da Educação Superior 2015. 2. ed. Brasília (DF); 2018.

Lima DF, Lima LA; Luiz, OC. Daily physical activity of Brazilian carriers of arterial hypertension: a transversal analysis. Colombia Médica 2017;48(2): 82-87.

WRI Brasil [homepage na internet]. 20 ações para impulsionar o transporte ativo no Brasil. [acesso 23 jul 2018]. Disponível em: https://wribrasil.atavist.com/20-acoes-para-fomentar-o-transporte-ativo-no-brasil.

National Center for Safe Routes to School. The Walking School Bus: Combining Safety, Fun and the Walk to School. North Carolina (USA). University of North Carolina Highway Safety Research Center; 2009.

Lima DF, Lima LA, Mazzardo O, Anguera MG, Piovani VGS, Junior APS, et al. O padrão da atividade física no lazer de brasileiros idosos. Caderno de Educação Física e Esporte 2018;16(2):39-49. |

Proper KI, Hildebrandt VH. Physical activity among Dutch workers: differences between occupations. Prev Med 2006;43:42-45.

Vancea LA, Barbosa JMV, Menezes AS, Santos CM. Associação entre atividade física e percepção de saúde em adolescentes: revisão sistemática. Revista Brasileira de Atividade Física & Saúde 2011;16(3):246-54.

Cardoso AS, Mazo GZ, Salin MS, Santos CAX. Percepção subjetiva de saúde e nível de atividade física de idosos Rev. Bras. Geriatr. Gerontol 2008;11(1):81-91.

British Heart Foundation (UK). Physical activity and your heart. London. BHF; 2013.

Kesaniemi A, Riddoch CJ, Reeder B, Blair SN, Sorensen TI. Advancing the future of physical activity guidelines in Canada: an independent expert panel interpretation of the evidence. International Journal of Behavioral Nutrition and Physical Activity 2010;7:41-54.

Pereira LP, Sichieri R, Segri NJ, Silva RMVG, Ferreira MG. Self-reported dyslipidemia in central-west Brazil: prevalence and associated factors. Ciência & Saúde Coletiva 2015; 20(6): 1815-1824.

Gill JM, Hardman AE. Exercise and postprandial lipid metabolism: an update on potential mechanisms and interactions with high-carbohydrate diets (review). J Nutr Biochem 2003;14(3):122-32.

Aoyagi Y, Park H, Park S, Shephard RJ. Habitual physical activity and health-related quality of life in older adults: interactions between the amount and intensity of activity. Qual Life Res 2010;19(3): 333-338.

Centers for Desiase Control and Prevention [homepage na internet]. Behavioral Risk Factor Surveillance System. [acesso 14 ago 2018]. Disponível em: https://www.cdc.gov/brfss/

Monteiro CA, Florindo AA, Claro RM, Moura EC. Validade de indicadores de atividade física e sedentarismo obtidos por inquérito telefônico. Rev Saúde Pública 2008;42(4):575-81.




DOI: https://doi.org/10.13037/ras.vol17n62.5923

Indexadores: