HÁBITOS E HIPERTENSÃO: ESTUDO REALIZADO EM HIPERTENSOS DOS SERVIÇOS PÚBLICOS DE SAÚDE EM FEIRA DE SANTANA - BA

Silas Santos Carvalho, Bruno Rodrigues de Oliveira

Resumo


Introdução: Atualmente a hipertensão é um dos maiores problemas de saúde pública, reconhecida como grave fator de risco para as doenças cardiovasculares e co-responsável importante para as causas de óbito. Novas abordagens e produção de conhecimentos adicionais fazem-se oportunos e necessários, de modo a se obter maior controle dessa doença de impacto no campo da saúde pública. Objetivo: estimar o efeito do estilo de vida em indivíduos hipertensos atendidos em serviços públicos de saúde em Feira de Santana, Bahia. Materiais e Métodos: Estudo caso controle conduzido em indivíduos com idade mínima de 18 anos, atendidos em serviços de saúde pública no município de Feira de Santana, Bahia. O grupo caso foi formado pelos indivíduos com hipertensão, e os controles, por aqueles sem a doença. A coleta de dados foi realizada através de aplicação de questionário estruturado, consulta de prontuários e exame físico. A análise descritiva das variáveis de interesse empregou o teste Qui-quadrado de Pearson e teste T de Student, com significância de 5%. Resultados: Obteve-se uma amostra de 870 indivíduos (585 casos e 285 controles), com média de idade de 52,8 anos, a maioria dos hipertensos era do sexo masculino, com mais de 4 anos de estudo, residentes na zona urbana, não praticantes de atividade física, não fumantes e não etilistas. Conclusão: A aplicação da mudança do estilo de vida em indivíduos hipertensos tem efeito significativo e é indispensável, pois contribui com ações de intervenção efetivas na prevenção e tratamento do público atendido em unidades básicas de saúde.


Palavras-chave


Hipertensão, perfil de saúde, estilo de vida, epidemiologia

Texto completo:

PDF

Referências


Sociedade Brasileira de Cardiologia / Sociedade Brasilei¬ra de Hipertensão / Sociedade Brasileira de Nefrologia. VI Diretrizes Brasileiras de Hipertensão. Arq Bras Car¬diol. 2010;95(1)1-51.

American Heart Association. Heart disease and stroke statistics – 2013 update: a report from the American Heart Association. Circulation. 2013; 127. Disponível em: https://doi.org/10.1161/CIR.0b013e31828124ad .

Oliveira TL, Miranda LP, Fernandes OS, Caldeira AP. Eficácia da educação em saúde no tratamento não medicamentoso da hipertensão arterial. Acta paul enferm. 2013; 26 (2): 179 -84. Disponível em: https://dx.doi.org/10.1590/S0103-21002013000200012

Rapsomaniki E, Timmis A, George J, Pujades-Rodriguez M, Shah AD, Denaxas S, et al. Blood pressure and incidence of twelve cardiovascular diseases: lifetime risks, healthy life-years lost, and age-specific associations in 125 million people. Lancet. 2014; 383 (9932): 1899-911. Disponível em: https://doi.org/10.1016/S0140-6736(14)60685-1

Mancia G, Fagard R, Narkiewicz K, Redón J, Zanchetti A, Böhm M, et al. ESH/ESC Guidelines for the management of arterial hypertension: the Task Force for the management of arterial hypertension of the European Society of Hypertension (ESH) and of the European Society of Cardiology (ESC). Am J Hypertens. 2013; 31 (28): 1281-357. Disponível em: https://doi.org/10.1093/eurheartj/eht151

Sociedade Brasileira de Cardiologia. 7ª Diretriz Brasileira de Hipertensão Arterial. Arquivos Brasileiros de Cardiologia. Arq Bras Cardiol 2016; 107:1-83.

Ministério da Saúde, Brasil. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância de Doenças e Agravos Não Transmissíveis e Promoção da Saúde. Vigitel 2015: vigilância de fatores de risco e proteção para doenças crônicas por inquérito telefônico. Brasília: Ministério da Saúde; 2017.

Ministério da Saúde, Brasil. SIAB – Sistema de Informação da Atenção Básica. 2017. Disponível em: http://www2.datasus.gov.br/SIAB/index.php?area=04.

Lima LM, Schwartz E, Muniz RM, Zillmer JGV, Ludtke I. Perfil dos usuários do Hiperdia de três unidades básicas de saúde do sul do Brasil. Rev Gaucha Enferm. 2011; 32(2):323-9. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S1983-14472011000200016

Mendes TAB, Goldbaum M, Segri NJ, Barros MBA, César CLG, Carandina L. Factors associated with the prevalence of hypertension and control practices among elderly residents of São Paulo city, Brazil. Cad Saude Publica. 2013; 29(11):2275-86. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/0102-311x00151312

Silveira J. Fatores associados à hipertensão arterial sistêmica e ao estado nutricional de hipertensos inscritos no programa Hiperdia. Cad Saude Colet. 2013; 21(2):129-34. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S1414-462X2013000200005

Darnaud C, Thomas F, Pannier B, Danchin N, Bouchard P. Oral Health and Blood Pressure: The IPC Cohort. Am J Hypertens. 2015; 28(10):1257-61. Disponível em: https://doi.org/10.1093/ajh/hpv025

Kawabata Y, Ekuni D, Miyai H, Kataoka K, Yamane M, Mizutani S, et al. Relationship between prehypertension/hypertension and periodontal disease: a prospective cohort study. Am J Hypertens. 2016;29(3): 388-96. Disponível em: https://doi.org/10.1093/ajh/hpv117

Ollikainen E, Saxlin T, Tervonen T, uominen AL, Knuuttila M, Jula A, et al. Association between periodontal condition and hypertension in a non-smoking population aged 30–49 years: results of the Health 2000 Survey in Finland. J Clin Periodontol. 2014; 41(12):1132–1138. Disponível em: https://doi.org/10.1111/jcpe.12316

Ahn YB, Shin MS, Byun JS, Kim HD. The association of hypertension with periodontitis is highlighted in female adults: results from the Fourth Korea National Health and Nutrition Examination Survey. J Clin Periodontol. 2015; 42 (11): 998-1005. Disponível em: https://doi.org/10.1111/jcpe.12471

Rivas-Tumanyan S, Campos M, Zevallos JC, Joshipura KJ. Periodontal disease, hypertension and blood pressure among older adults in Puerto Rico. J Clin Periodontol. 2013; 84(2):203–211. Disponível em: https://doi.org/10.1902/jop.2012.110748

Radovanovic CAT, Santos LA, Carvalho MDB, Marcon SS. Hipertensão arterial e outros fatores de risco associados às doenças cardiovasculares em adultos. Rev. Latino-Am. Enfermagem. 2014;22(4):547-53

Ikeda N, Inoue M, Isso H, Ikeda S, Satoh T, Noda M, et al. Adult mortality attributable to preventable risk factors for non-communicable diseases and injuries in Japan: a comparative risk assessment. PLoS Med. 2012;9(1):e1001160.

Carvalho SS, Silva TMA, Coelho JMF. Contribuições do tratamento não farmacológico para Diabetes Mellitus tipo 2. Rev Epidemiol Control Infect. 2015; 5(2):59-64. Disponível em: Disponível em: http://dx.doi.org/10.17058/reci.v5i2.5616

López NJ, Quintero A, Casanova PA, bieta CI, Baelum V, López R. Effects of periodontal therapy on systemic markers of inflammation in patients with metabolic syndrome: a controlled clinical trial. J Periodontol. 2012; 83(3):262-278. Disponível em: https://doi.org/10.1902/jop.2011.110227

Jahangiry L, Shojaeizadeh D, Montazeri A, Najafi M, Mohammad K, Abbasalizad Farhangi M. Modifiable lifestyle risk factors and metabolic syndrome: opportunities for a Web-Based Preventive Program. J Res Health Sci. 2014;14(4):303-307.

Liu YL, Lu CW, Shi L, Liou YM, Lee LT, Huang KC. Low intensive lifestyle modification in young adults with metabolic syndorme a communit-based interventional study in Taiwan. Medicine (Baltimore). 2015; 94 (22): e916. Disponível em: https://10.1097/MD.0000000000000916

Rao DP, Dai S, Lagacé C, Krewski D. Metabolic syndrome and chronic disease. Chronic Dis Inj Can. 2014; 34 (1): 36-45.

Rao DP, Dai S, Lagacé C, Krewski D. Metabolic syndrome and chronic disease. Chronic Dis Inj Can. 2014; 34 (1): 36-45.

Gondim RM, Farah BQ, Santos CF, Ritti-Dias RM. O tabagismo e o fumo passivo estão relacionados com a variabilidade da frequência cardíaca em adolescentes homens? Einstein. 2015;13(1):27-33

Reza CG, Nogueira MS. O estilo de vida de pacientes hipertensos de um programa de exercício aeróbio: estudo na cidade de Toluca, México. Esc Anna Nery Rev Enferm. 2008; 12 (2): 265 - 70.

Iwashima Y, Kokubo Y, Ono T, Yoshimuta Y, Kida M, Kosaka T, et al. Additive interaction of oral health disorders on risk of hypertension in a japanese urban population: The Suita Study. Am J Hypertension. 2014; 27(5). Disponível em: https://doi.org/10.1093/ajh/hpt227

Damázio LCM, Filho GRS, Pereira ACL, Leão TLO, Ferreira LC, Mourão FN. Os efeitos de um programa de atividade física na pressão arterial e frequência cardíaca de pacientes hipertensos e deficientes físicos. Rev. Aten. Saúde. 2019;17(59):81-87. Disponível em: https://doi.org/10.13037/ras.vol17n59.5836

Miranda SS, Carvalho S, Andrade TM, Coelho JMF, Gomes-Filho IS. Atividade física e o controle glicêmico de pacientes com diabetes mellitus tipo II. Rev Bras Pesq Saúde. 2015; 17(3):33-40. Disponível em: http://periodicos.ufes.br/RBPS/article/view/14134/9963

Andrade SSA, Stopressão arterialSR, Brito AS, Chueri PS, Szwarcwald CL, Malta DC. Prevalência de hipertensão arterial autorreferida na população brasileira: análise da Pesquisa Nacional de Saúde, 2013. Epidemiol Serv Saúde. 2015; 24(2):297-304. Disponível em: https://doi.org/10.5123/S1679-49742015000200012




DOI: https://doi.org/10.13037/ras.vol18n64.6369

Indexadores: 
A RAS utiliza o software iThenticate para detecção e prevenção de plágio