Percepção dos profissionais de saúde em relação à implantação do Modelo de Atenção às Condições Crônicas

Autores

DOI:

https://doi.org/10.13037/ras.vol19n68.7411

Palavras-chave:

Doença Crônica, Modelos de Assistência à Saúde, Sistema Único de Saúde

Resumo

Introdução: as condições crônicas não transmissíveis representam a maior causa de morbimortalidade no Brasil. O Modelo de Atenção às Condições Crônicas foi implantado no estado do Paraná como estratégia de enfrentamento ao cuidado crônico. Objetivo: avaliar a implantação do Modelo de Atenção às Condições Crônicas por meio da percepção dos profissionais de saúde. Materiais e Métodos: estudo exploratório, descritivo, com abordagem qualitativa, realizado em um serviço de atenção primária à saúde e um serviço de atenção ambulatorial especializada em uma região de saúde do estado do Paraná. Participaram do estudo sete profissionais da atenção especializada e onze profissionais da atenção primária. Os dados foram coletados por meio de seis encontros de grupos focais, cujas discussões foram norteadas pelo instrumento de avaliação do modelo de atenção às condições crônicas (IEMAC ARCHO 36), sendo submetidos à análise de conteúdo temática proposta por Bardin. Resultados: os relatos dos profissionais permitiram analisar a estratégia de implantação de acordo com as seis dimensões propostas pelo modelo: organização do sistema de saúde; saúde compartilhada; modelo assistencial; autocuidado; apoio à tomada de decisão; e sistemas de informação. Identificou-se que a implantação do modelo apresenta fragilidades quanto aos indicadores de saúde, mapa de ações interprofissionais, plano de autocuidado apoiado e sistemas de informação. E, também, avanços relacionados à organização da rede de atenção, estratificação de risco e desmedicalização de idosos. Conclusão: para atingir a efetividade do Modelo de Atenção às Condições Crônicas, faz-se necessário o completo desenvolvimento de suas dimensões para a garantia da qualidade e a melhoria do cuidado crônico.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Laís Carolini Theis, Pontifícia Universidade Católica do Paraná

Doutoranda do Programa de Pós Graduação em Ciências da Saúde. Mestre em Saúde Coletiva. Graduação em Enfermagem. Pontifícia Universidade Católica do Paraná, Curitiba, PR, Brasil

Dhaniel Marinho Mikosz, Prefeitura Municipal de Balsa Nova

Enfermeiro. Prefeitura Municipal de Balsa Nova. Balsa Nova-PR, Brasil.

Saulo Vinícius Rosa, Pontifícia Universidade Católica da Paraná

Doutorando do Programa de Pós Graduação em Odontologia.Pontifícia Universidade Católica do Paraná. Mestre em Odontologia. Graduação em Odontologia. Curitiba, PR- Brasil.

Simone Tetu Moysés, Pontifícia Universidade Católica da Paraná

Doutora em Epidemiologia e Saúde Pública. Mestre em Odontologia Social. Graduação em Odontologia. Docente do Programa de Pós Graduação em Odontologia da Pontifícia Universidade Católica do Paraná, Curitiba,PR, Brasil.

Thyago Proença de Moraes, Pontifícia Universidade Católica da Paraná

Doutor em Ciências da Saúde. Mestre em Ciências da Saúde. Graduação em Medicina. Docente do Programa de Pós Graduação em Ciências da Saúde da Pontifícia Universidade Católica do Paraná, Curitiba, PR, Brasil

Referências

Ministério da Saúde (BR). Diretrizes para o cuidado das pessoas com doenças crônicas nas redes de atenção à saúde e nas linhas de cuidado prioritárias. Brasília: Ministério da Saúde. 2013[citado em 2020 set. 1]. Disponível em: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/diretrizes%20_cuidado_pessoas%20_doencas_cronicas.pdf

World Health Organization. Noncommunicable diseases progress monitor 2020. Geneva: World Health Organization. 2020 [citado em 2020 ago. 8]. Disponível em: https://www.who.int/publications/i/item/ncd-progress-monitor-2020

World Health Organization. Time to Delivery. Report of the WHO Independent High-Level Commission on Noncommunicable Diseases. Geneva: WHO. 2018 [citado em 2020 mai. 07]. Disponível em: https://apps.who.int/iris/bitstream/handle/10665/272710/9789241514163-eng.pdf

Malta DC, França E, Abreu DMX, Perillo RD, Salmen MC, Teixeira RA, et al. Mortalidade por doenças não transmissíveis no Brasil, 1990 a 2015, segundo estimativas do estudo de Carga Global de Doenças. São Paulo Med J. 2017;135(3):213-21. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1415-790X2015000600003&lng=en

Malta DC, Stopa SR, Szwarcwald CL, Gomes NL, Silva Júnior J B, Reis AAC dos. A vigilância e o monitoramento das principais doenças crônicas não transmissíveis no Brasil - Pesquisa Nacional de Saúde, 2013. Rev. bras. Epidemiol. 2015[citado em 2020 abr.14]; 18(Suppl 2):3-16. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/rbepid/v18s2/1980-5497-rbepid-18-s2-00003.pdf

Ministério da Saúde (BR). Vigitel Brasil 2019: vigilância de fatores de risco e proteção para doenças crônicas por inquérito telefônico: estimativas sobre frequência e distribuição sociodemográfica de fatores de risco e proteção para doenças crônicas nas capitais dos 26 estados brasileiros e no Distrito Federal em 2019. Brasília: Ministério da Saúde. 2020 [citado em 2020 set. 15]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/vigitel_brasil_2019_vigilancia_fatores_risco.pdf

World Health Organization. Prevention and control of non-communicable diseases: Formal meeting of Member States to conclude the work on the comprehensive global monitoring framework, including indicators, and a set of voluntary global targets for the prevention and control of non-communicable diseases. Report by the Director-General. 2012 [citado em 2020 mai. 07]. Disponível em: http://apps.who.int/gb/ebwha/pdf_files/EB132/B132_6-en.pdf

Ministério da saúde (BR). Plano de ações estratégicas para o enfrentamento das doenças crônicas não transmissíveis (DCTN) no Brasil 2011-2022. Brasília: Ministério da Saúde. 2011 [citado 2020 abr. 26]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/plano_acoes_enfrent_dcnt_2011.pdf

Mendes EV. Desafios do SUS. Brasília, DF: CONASS. 2019 [citado em 2020 mai. 12]. Disponível em: https://www.conass.org.br/biblioteca/desafios-do-sus/

Wagner EH. Organizing Care for Patients With Chronic Illness Revisited. Milbank Q. 2019 [citado em 2020 abr. 12]; 97(3): 659-64. Disponível em: https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/31424130

Dahlgren G, Whitehead M. European strategies for tackling social inequities in health: Levelling up Part 2. Copenhage. 2007 [citado 2020 jun. 14]. Disponível em: http://www.euro.who.int/__data/assets/pdf_file/0018/103824/E89384.pdf

Porter M, Kellogg M. Kaiser Permanente: an integrated health care experience. Rev Innovación Sanit y Atención Integr. 2008 [citado em 2020 jun. 26];1(1):1–8. Disponível em: https://www.sefap.org/media/upload/arxius/formacion/aula_fap_2010/bibliografia/Kaiser_2009.pdf

Evangelista MJ de O, Guimarães AM D’ÀN, Dourado EMR, Vale FLB do, Lins MZS, Matos MAB de et al . O Planejamento e a construção das Redes de Atenção à Saúde no DF, Brasil. Ciênc. saúde coletiva. 2019 [citado em 2020 mai. 16]; 24(6): 2115-2124. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/csc/v24n6/1413-8123-csc-24-06-2115.pdf

Dalcuche MG, Mendes EV. A integração em Rede da Atenção Primária (APS) com a Atenção Ambulatorial Especializada (AAE) no estado do Paraná. Espaço para a saúde. 2017[citado em 2020 jun. 16]; 18 (1): 31-37. Disponível em: http://espacoparasaude.fpp.edu.br/index.php/espacosaude/article/view/341

Nuño R, Fernández P, Mira JJ, Toro N, Contel JC, Guilabert M, Solas O. Desarrollo de IEMAC, un Instrumento para la Evaluación de Modelos Asistenciales ante la Cronicidad. Gac Sanit. 2013 [citado em 2020 abr. 14]; 27 (2): 128-34. Disponível em: https://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S0213911112002166

Santos ZFDG, Werneck RI. Avaliação de serviços de saúde como indutor do modelo de atenção e disponibilização de instrumento de autoavaliação para serviços de cuidado de condições crônicas IEMAC-ARCHO validado. [tese]. Curitiba: Pontifícia Universidade Católica do Paraná; 2020.

Bardin L. Análise de conteúdo. 1ª ed. São Paulo: Edições 70; 2016.

Andrade MV, Noronha K, Cardoso CS, Oliveira CDL, Calazans JA, Souza MN. Challenges and lessons from a primary care intervention in a Brazilian municipality. Rev. Saúde Pública. 2019 [citado em 2020 ago. 09] ; 53: 45.Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0034-89102019000100240&lng=en.

Pereira B dos S, Tomasi E. Instrumento de apoio à gestão regional de saúde para monitoramento de indicadores de saúde. Epidemiol. Serv. Saúde. 2016 Jun. [citado em 2020 ago.09]; 25(2):411-418.Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S2237-96222016000200411&lng=en.

Monnerat GL, Souza RG. Intersetorialidade e políticas sociais: um diálogo coma literatura atual. In: Monnerat GL, Almeida NLT, Souza RG. (orgs.) A intersetorialidade na agenda das políticas sociais. Campinas: Papel Social; 2014; 41-54.

Cavalcanti AM, Oliveira ACL. (Org.). Autocuidado apoiado: manual do profissional de saúde. Curitiba: Secretaria Municipal da Saúde; 2012.

Silva LAA da, Soder RM, Petry L, Oliveira IC. Educação permanente em saúde na atenção básica: percepção dos gestores municipais de saúde. Rev. Gaúcha Enferm. [Internet]. 2017 [citado em 2020 jul.17]; 38(1): e58779. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/rgenf/v38n1/0102-6933-rgenf-1983-144720170158779.pdf

Cruz A. Inovação na Atenção Especializada no Brasil. Rev Consensus [internet]. 2015[citado em: 2020 mai. 28]; v. 16, p.14-22. Disponível em: https://www.conass.org.br/biblioteca/pdf/revistaconsensus_16.pdf.

Pinheiro ALS, Andrade KTS, Silva D de O, Zacharias FCM, Gomide MFS, Pinto IC. Health management: the use of information systems and knowledge sharing for the decision making process. Texto contexto - enferm. 2016 [citado em 2020 ago. 20]; 25(3): e3440015. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/tce/v25n3/0104-0707-tce-25-03-3440015.pdf.

Publicado

30-06-2021