Capacidade funcional, etiologia e local anatômico da lesão no acidente vascular cerebral

Autores

  • Natália Rosa e Souza Universidade Federal do Triângulo Mineiro
  • Luis Paulo Caldeira Universidade Federal de Uberlândia
  • Omar Pereira de Almeida Neto Universidade Federal de Uberlândia
  • Maria Elizabeth Roza Pereira Universidade Federal de Uberlândia

DOI:

https://doi.org/10.13037/ras.vol14n49.3766

Palavras-chave:

acidente vascular cerebral, manifestações neurológicas, estatísticas de sequelas e incapacidade

Resumo

Introdução: Apesar dos avanços tecnológicos e científicos cerebrovasculares, o acidente vascularcerebral (AVC) ainda é sinônimo de morbimortalidade e incapacidade funcional. Objetivos: Descrevero perfil clínico e socioeconômico e a capacidade funcional de pacientes pósAVC, assim como o tipo eo local anatômicos do acometimento. Método: Estudo transversal, quantitativo e descritivo, realizadono ambulatório de neurologia da Universidade Federal de Uberlândia. Após o consentimento dosparticipantes, foram realizadas entrevistas clínicas e sociodemográficas e aplicação da Escala de AVC dosNational Institutes of Health e do Índice de Barthel Modificado. Este estudo foi aprovado pelo comitêde ética da instituição, sob nº 277.825. Resultados: Foram recrutados 14 pacientes. O tipo de AVCmais prevalente foi o hemorrágico (64,28%), acometendo o lobo frontal (42,85%), seguido do loboparietal (28,59%). A maioria dos indivíduos era independente para se locomover (64,28%), porém comdificuldades para realização de atividades de vida diária (78,57%). A Escala de AVC dos National Institutesof Health evidenciou acometimento moderado (57,14%). Conclusão: A relação entre o AVC do tipohemorrágico e a capacidade funcional relaciona-se com déficits neurológicos mais graves, em regiões comolobos cerebrais frontal e parietal.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Natália Rosa e Souza, Universidade Federal do Triângulo Mineiro

Enfermeira. Especialista em Saúde do Adulto e Nefrologia. Professora na Escola Técnica em Saúde da Universidade Federal de Uberlândia - MG.

Luis Paulo Caldeira, Universidade Federal de Uberlândia

Médico. Cirurgião Geral. Hospital de Clínicas de Uberlândia

Omar Pereira de Almeida Neto, Universidade Federal de Uberlândia

Enfermeiro. Doutorando em Atenção à Saúde. Docente na Faculdade de Medicina da Universidade Federal de Uberlândia

Maria Elizabeth Roza Pereira, Universidade Federal de Uberlândia

Enfermeira. Docente na Faculdade de Medicina da Universidade Federal de Uberlândia

Referências

Pompeu SMAA, Pompeu JE, Rosa M, Silva MR. Correlação entre função motora, equilíbrio e força respiratória pós acidente vascular cerebral. Rev Neurocienc. 2011;19(4):614-20.

Gomes-Neto M. Aplicação da escala de qualidade de vida especifica para AVE (EQVE-AVE) em hemiplégicos agudos: propriedades psicométricas e sua correlação com a classificação internacional de funcionalidade, incapacidade e saúde [dissertação de mestrado]. Belo Horizonte: Universidade Federal de Minas Gerais; 2007.

Johnston S, Mendis S, Mathers CD. Global variation in stroke burden and mortality: estimates from monitoring, surveillance, and modelling. Lancet Neurol. 2009;8(4):345-54.

André C. Manual de AVC. 2. ed. Rio de Janeiro: Revinter; 2006.

Parahybama VR. Diferenciais sociodemográficos no declínio funcional em mobilidade física entre idosos no Brasil. Ciênc Saúde Colet. 2008;13(4):1257-64.

Cincura C, Pontes-Neto OM, Neville IS, Mendes HF, Menezes DF, Mariano DC, et al. Validation of the National Institutes of Health Stroke Scale, modified Rankin Scale and Barthel Index in Brazil: the role of cultural adaptation and structured interviewing. Cerebrovasc Dis. 2009;27(2):119–22.

Minosso JSM, Amendola F, Alvarenga MRM, Oliveira MAC. Validação, no Brasil, do Índice de Barthel em idosos atendidos em ambulatórios. Acta Paul Enferm. 2010;23(2):218-23.

Jauch EC, Saber JL, Adams HP, Bruno A, Connors JJ, Demaerschalk BM, et al. Guidelines for the early management of patients with acute ischemic stroke: a guideline for healthcare professionals from the American Heart Association/American Stroke Association. Stroke. 2013 Mar;44(3):870-947.

Walter J, Grave MTQ, Périco E. Avaliação das habilidades psicomotoras e da motricidade global em paciente portadora da doença de Huntington. ConScientiae Saúde. 2009;8(4):655-63.

Fonseca JS, Martins GA. Curso de estatística. 6. ed. São Paulo: Atlas; 2006.

Sidney S, Rosamond WD, Howard VJ, Luepker RV. The “heart disease and stroke statistics—2013 update” and the need for a national cardiovascular surveillance system. Circulation. 2013 Jan;127(1):21-3.

Kelly-Hayes M, Beiser A, Kase CS, Scaramucci A, D’Agostino RB, Wolf PA. The influence of gender and age on disability following ischemic stroke: the Framingham study. J Stroke Cerebrovasc Dis. 2003 May-Jun;12(3):119-26.

Minelli C, Fen LF, Minelli DP. Stroke incidence, prognosis, 30-day, and 1-year case fatality rates in Matão, Brazil: a population-based prospective study. Stroke. 2007 Nov;38(11):2906-11.

_________________________

Confort AB, Suely KN, Marie, LG, Cohen, MS. Estimulação magnética transcraniana. Arq Neuro-Psiquiatr. 2003 mar;61(1):146-52.

Cohen S, Herbert, TB. Health psychology: psychological factors and physical disease from the perspective of human psychoneuroimmunology. Annu Rev Psychol. 1996;47(1):113-42.

Ellison CG. Introduction to symposium: religion, health and well-being. Journal for the Scientific Study of Religion. 1998;37(4):692-4.

Kiecolt-Glaser JK, McGuire L, Robles TF, Glaser R. Emotions, morbidity, and mortality: new perspectives from psychoneuroimmunology. Annu Rev Psychol. 2002;53:83-107.

Ottoboni C, Fontes SV, Fukujima MM. Estudo comparativo entre a marcha normal e a de pacientes hemiparéticos por acidente vascular encefálico: aspectos biomecânicos. Rev Neurociências. 2002;10(1):10-6.

Kubota JT, Banaji MR, Phelps EA. The neuroscience of race. Nature Neurosci. 2012;15:940-8.

Downloads

Publicado

14-06-2016

Edição

Seção

ARTIGOS ORIGINAIS

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)