GASTOS PÚBLICOS ENVOLVIDOS NO TRATAMENTO DE NEOPLASIAS DA COLUNA VERTEBRAL E MEDULA ESPINHAL EM CIDADES DE MINAS GERAIS

Autores

DOI:

https://doi.org/10.13037/ras.vol18n64.6350

Palavras-chave:

Medicina

Resumo

Introdução: O diagnóstico e tratamento das neoplasias do sistema nervoso tem mostrado aumento da relevância epidemiológica nos sistemas de saúde. Apesar disso, há pouco material científico sobre os impactos financeiros destas neoplasias. Objetivo: Analisar os gastos públicos envolvidos no tratamento de neoplasias da coluna vertebral e medula espinhal nas cidades de Belo Horizonte, Juiz de Fora, Uberlândia e Montes Claros, pertencentes a Minas Gerais, Brasil. Materiais e Métodos: Pesquisa descritiva, sistemática, transversal e quantitativa. Dados coletados referentes a 2008-2017, sobre gastos públicos com procedimentos hospitalares relacionados às neoplasias na plataforma DATASUS. Amostra composta pela população dos quatro municípios estudados acometida pelas neoplasias. Indivíduos de ambos os sexos residentes nesses locais, acometidos pela afecção, de todas as idades foram incluídos. Resultados e Conclusões: A cidade de Belo Horizonte teve gasto total de R$2.069.823,04 com procedimentos relacionados às neoplasias da coluna vertebral e medula espinhal, enquanto Juiz de Fora, Uberlândia e Montes Claros, tiveram, respectivamente, R$240.481,51, R$165.057,45 e R$432.930,98. Tal gasto correspondeu a 0,05% dos gastos hospitalares totais em Belo Horizonte. A porcentagem direcionada por Juiz de Fora, Uberlândia e Montes Claros, foi, de, respectivamente: 0,028%,0,0238% e 0,0657%. Portanto, o impacto econômico para o sistema público de saúde é mínimo. Entretanto, é evidente a influência das neoplasias na taxa de mortalidade e nos anos potenciais de vida perdidos. Logo, os indicadores de saúde contribuem para que o governo crie medidas governamentais coerentes, embasadas e mais eficientes.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

CÉSAR FELIPE GUSMÃO SANTIAGO

Graduação em medicina pela Universidade Estadual de Montes Claros (Unimontes). Residência médica em neurocirurgia pela Santa Casa de Belo Horizonte. Fellowship em Estrasburgo, França. Título de neuro-oncologista pelo Instituto de Ensino e Pesquisa do Hospital Sírio Libanês. Membro titular da Sociedade Brasileira de Neurocirurgia. Neurocirurgião e preceptor da residência de Neurocirurgia do Hospital Santa Casa da Misericórdia de Montes Claros; Montes Claros; Minas Gerais; Brasil.

Referências

- Medrano MF, Garza PA. Astrocitoma de grau III intramedular em paciente de 21 meses: descrição de um caso. Revista Pediatria Atenção Primária 2015; 17(66), e133-e136.

- Joaquim AF, Ghizoni E, Tedeschi H, Pereira EB, Giacomini LA. Radiocirurgia estereotáxica para metástases de coluna vertebral: revisão de literatura. Einstein (São Paulo) 2013; 11(2):247-255.

- Joaquim AF, Maturana FAP, Anderle DV, Zambelli HJL, Maldaun MVC. Metástases na coluna vertebral. Revista Neurociências 2007; 15(3):240-245.

- Grimm S, Chamberlain M C. Adult primary spinal cord tumors. Journal Expert Review of Neurotherapeutics 2009; 9(10):1487–1495.

- Duong L M, McCarthy B J, McLendon RE, Dolecek TA, Kruchko C, Douglas LL, Ajani Ua. Descriptive epidemiology of malignant and nonmalignant primary spinal cord, spinal meninges, and cauda equina tumors, United States, 2004-2007. Cancer 2012; 118(17):4220-4227.

- Mechtler L L, Nandigam K. Spinal Cord tumors: new viewsand future directions. Neurologic Clinics 2013; 31(1):241–268.

- Batista M, Pina R, Fonseca I, Saldannha MH. Ependimoma intramedular: Revisão da literatura A propósito de um caso clínico. Casos Clínicos em Medicina Interna 2009, 16(3):147-151.

- Koeller KK, Rosenblum RS, Morrison AL. Neoplasms of the Spinal Cord and Filum Terminale: Radiologic-Pathologic Correlation. AFIP ARCHIVES 2000, 20(6):1721-1749.

- Fisher CG, Goldschlager T, Boriani S, Varga PP, Fehlings MG, Bilsky MH, Dekutoski MB, Luzzati A, Williams RP, Berven S, Chou D, Reynolds JJ, Quraishi NA, Rhines LD, Bettegowda C, Gokaslan ZL. A novel scientific model for rare and of tenn eglected neoplastic conditions. Evid Based Spine Care J 2013; 4(2):160–162.

- Falavigna A, Rigghesso NO, Ioppi AEE, Grasselli J. Metástases do Segmento Torácico e Lombar da Coluna Vertebral. Arquivos Neuropsiquiatria 2011; 65(3B):889-895.

- Barzilai O, Fisher, CG, Bilsky MH. State of the Art Treatment of Spinal Metastatic Disease. Neurosurgery 2018; 82(6):757-769.

- Choi D, Bilsky MB, Fehlings M, Fisher C, Gokaslan Z. Spine Oncology – Metastatic Spine Tumors. Neurosurgery 2017; 80(3S):S131-S137.

- Neto JAN, Fontes BPC, Macedo RD'A, Simões CE. Patients with spinal metastasis submitted to neurological decompression and stabilization. Coluna/Columna 2016; 15(3): 230-234.

- Brasil JPN, Takayanagui OM. Tratado de Neurologia da Academia Brasileira de Neurologia. 1ª Edição. Rio de Janeiro: Elsevier; 2013. p.1239.

- Silva DKV, Pessoa ET, Veloso HH. Dificuldades Financeiras e seus Impactos no Tratamento de Pacientes com Câncer: uma Realidade Vivenciada no Projeto Ero. Revista Saúde & Ciência (online) 2018; 7(2):157-169.

- Melione LPR, Mello-Jorge MHP. Gastos do Sistema Único de Saúde com internações por causas externas em São José dos Campos, São Paulo, Brasil. Cadernos de Saúde Pública 2008; 24(8):1814-1824.

- Filho OBA, Rigotti JIR, Campos J. Os níveis hierárquicos das cidades médias de Minas Gerais. Revista Ra'e Ga 2007; 13:7-18.

- Brasil - Ministério da Saúde. Gabinete do Ministro. Portaria nº 874, de 16 de maio de 2013. Institui a Política Nacional para a Prevenção e Controle de Neoplasias na Rede de Atenção à Saúde das Pessoas com Doenças Crônicas no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). Gabinete do Ministro, 2013; 16 de maio.

Downloads

Publicado

23-07-2020