PREVALÊNCIA DE DEPRESSÃO EM MULHERES IDOSAS ASSISTIDAS NA ATENÇÃO BÁSICA

Hellen Cristina Almeida Abreu de Lara, Cristiana Alves de Melo, Evening da Cruz Silva, Izabel Aparecida da Silva, Jefferson Souza de Oliveira, Franciel Souza Santana

Resumo


Introdução: A depressão em idosas apresenta diversos fatores de risco como, precárias condições socioeconômicas e condições de saúde. Ela é frequentemente ignorada, pois, em geral, os profissionais de saúde veem os sintomas depressivos como manifestações normais decorrentes do processo do envelhecimento. Objetivo: Analisar a prevalência de sintomas de depressão em idosas cadastrados em uma Unidade Básica de Saúde do município de Várzea Grande, Mato Grosso. Método: Estudo transversal, realizado com pessoas de 60 anos ou mais, sexo feminino, com uso de um questionário com dados sociodemográficos, condições de saúde e a Escala de Depressão Geriátrica. A análise de dados foi feita por meio de medidas de frequência simples, absoluta e calculadas razões de prevalências brutas e ajustadas com intervalo de confiança de 95% no Programa Epiinfo 7.2. Resultados: A prevalência de depressão foi de 18,00%. O uso de medicamentos, grau de dependência, morte de familiares e alguém na família depressão foram associados a depressão em idosas na comunidade. Conclusão:Dessa forma, é necessário a detecção precoce dos sintomas depressivos em idosas e fatores associados, e considerar o sexo feminino como algo importe pois auxilia os profissionais da atenção básica a compreender a realidade e ainda minimizar os danos para a saúde e qualidade de vida dos idosos.


Palavras-chave


Enfermagem

Texto completo:

PDF

Referências


Dawalibi NW, Anacleto GMC, Witter C, Goulart RMM, Aquino RC. Envelhecimento e qualidade de vida: análise da produção científica da Scielo. 2013; Estud. Psicol. (Campinas), 30(3): 393-403.

Magalhães JM, Carvalho AMB, Carvalho SM, Alencar DC, Moreira WC, Parente ACM. Depressão em idosos na estratégia saúde da família: uma contribuição para a atenção primária. REME – Rev Min Enferm. 2016; 20:e947.

Lima AMM, Silva HS, Galhardoni R. Envelhecimento bem-sucedido: trajetórias de um constructo e novas fronteiras. Interface (Botucatu). 2008; 12(27): 795-807.

Duncan BB, Chor D, Aquino EML, Bensenor IM, Mill JG, Schmidt MI et al . Doenças crônicas não transmissíveis no Brasil: prioridade para enfrentamento e investigação. Rev. Saúde Pública. 2012; 46(Suppl 1): 126-134.

Pinto DM, Jorge MSB, Pinto AGA, Vasconcelos MGF, Cavalcante CM, Flores AZT et al. Projeto terapêutico singular na produção do cuidado integral: uma construção coletiva. Texto contexto - enferm. 2011; 20(3): 493-502.

Cavalcante FG, Minayo MCS, Mangas RMN. Diferentes faces da depressão no suicídio em idosos. Ciênc. saúde coletiva. 2013; 18(10): 2985-2.

Silva RM, Mangas RMN, Figueiredo AEB, Vieira LJES, Sousa GS, Cavalcanti AMTS et al . Influências dos problemas e conflitos familiares nas ideações e tentativas de suicídio de pessoas idosas. Ciênc. saúde coletiva. 2015; 20(6): 1703-1710.

Gonçalves AMC, Teixeira MTB, Gama JRA, Lopes CS, Silva GA, Gamarra CJ et al . Prevalência de depressão e fatores associados em mulheres atendidas pela Estratégia de Saúde da Família. J. bras. psiquiatr. 2018; 67(2): 101-109.

Rocha EN, Lucena AF. Projeto Terapêutico Singular e Processo de Enfermagem em uma perspectiva de cuidado interdisciplinar. Rev. Gaúcha Enferm. 2018; 39: e2017-0057.

Gonçalves VC, Andrade KL. Prevalência de depressão em idosos atendidos em ambulatório de geriatria da região nordeste do Brasil (São Luís-MA). Rev. bras. geriatr. Gerontol. 2010; 13(2): 289-299.

Ferreira PCS, Tavares DMS. Prevalência e fatores associados ao indicativo de depressão entre idosos residentes na zona rural. Rev. esc. enferm. USP. 2013; 47(2): 401-407.

Lara HCAA. A prevalência de depressão em idosos assistidos nas Unidades de Saúde da Família em Várzea Grande, Mato Grosso. Trabalho de Conclusão de Curso, Centro Universitário de Várzea Grande, Cuiabá, Mato Grosso, 2018.

Hellwig N, Munhoz TN, Tomasi E. Sintomas depressivos em idosos: estudo transversal de base populacional. Ciênc. saúde coletiva. 2016; 21(11): 3575-3584.

Teston EF, Carreira L, Marcon SS. Sintomas depressivos em idosos: comparação entre residentes em condomínio específico para idoso e na comunidade. Rev. bras. enferm. 2014; 67(3): 450-456.

Brasil ISPS, Pondé MP. Sintomas ansiosos e depressivos e sua correlação com intensidade da dor em pacientes com neuropatia periférica. Rev. Psiquiatr. 2009; 31(1): 24-31.

Teng CT, Humes EC, Demetrio FN. Depressão e comorbidades clínicas. Rev. psiquiatr. clín. [Internet]. 2005; 32(3): 149-159.

Oliveira JBA, Lopes RGC. O processo de luto no idoso pela morte de cônjuge e filho. Psicologia em Estudo. 2008; 13(2), 217-221.

Paradela EMP, Lourenço RA, Veras RP. Validação da escala de depressão geriátrica em um ambulatório geral. Rev. Saúde Pública. 2005; 39(6): 918-923.

Souza RA, Costa GD, Yamashita CH, Amendola F, Gaspar JC, Alvarenga MRM et al. Funcionalidade familiar de idosos com sintomas depressivos. Rev. esc. enferm. USP. 2014; 48(3): 469-476.

Marques MF, Lopes MJ. O cuidador familiar no olhar da pessoa com depressão. Revista Portuguesa de Enfermagem de Saúde Mental. 2015; (spe2): 51-56.

Gullich I, Duro SMS, Cesar JA. Depressão entre idosos: um estudo de base populacional no Sul do Brasil. Rev. bras. epidemiol. 2016; 19(4): 691-701.

Maciel ACC, Guerra RO. Prevalência e fatores associados à sintomatologia depressiva em idosos residentes no Nordeste do Brasil. J. bras. psiquiatr. [Internet]. 2006 [cited 2019 Dec 12] ; 55( 1 ): 26-33. A

Stopa SR, Malta DC, Oliveira MM, Lopes CS, Menezes PR, Kinoshita RT. Prevalência do autorrelato de depressão no Brasil: resultados da Pesquisa Nacional de Saúde, 2013. Rev. bras. epidemiol. 2015; 18(Suppl 2): 170-180.

Bretanha AF, Facchini LA, Nunes BP, Munhoz TN, Tomasi E, Thumé E. Sintomas depressivos em idosos residentes em áreas de abrangência das Unidades Básicas de Saúde da zona urbana de Bagé, RS. Rev. bras. epidemiol. 2015; 18(1): 1-12.




DOI: https://doi.org/10.13037/ras.vol18n64.6520

Indexadores: 
A RAS utiliza o software iThenticate para detecção e prevenção de plágio