A utilização da escala de disponibilidade para educação interprofissional em saúde nas publicações nacionais

Autores

DOI:

https://doi.org/10.13037/ras.vol19n67.7325

Palavras-chave:

Educação Interprofissional, Educação Superior, Relações Interprofissionais

Resumo

for Interprofessional Learning Scale (RIPLS), destaca-se pela eficiência na avaliação e direcionamento de iniciativas de Educação Interprofissional (EIP). Objetivo: Este trabalho objetivou analisar a utilização dessa escala nas pesquisas nacionais. Materiais e Métodos: O levantamento de artigos foi feito no Pubmed, Periódicos Capes, SCIELO e LILACS utilizando os descritores “Educação Interprofissional”, “Educação Superior”, “Relações Interprofissionais”, “Trabalho em equipe”, e “RIPLS”. Resultados e Conclusões: Foram identificados 7 artigos que indicam uma tendência de utilização da RIPLS para avaliar iniciativas de EIP na graduação e educação permanente em saúde, sendo escassas as pesquisas sobre a disponibilidade ao longo da formação. Há divergências na versão da RIPLS aplicada e nos métodos de análise, fatos que dificultam a comparação dos estudos. Sugere-se o uso da versão validada dessa ferramenta, a apresentação dos resultados em gráficos e/ou tabelas, e uso de análises estatísticas que garantam a exploração e comparação dos dados.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Organização Mundial da Saúde. Marco para Ação em Educação Interprofissional e Prática Colaborativa. Genebra; 2010. Disponível em: http://www.fnepas.org.br/oms_traduzido_2010.pdf. Acesso em: 25 jan. 2020.

Peduzzi M, Norman I, Coster S, Meireles E. Adaptação transcultural e validação da Readiness for Interprofessional Learning Scale no Brasil. Rev. Esc. Enferm. USP 2015; 49:7-15.

Parsell G, Bligh J. The Development of a Questionnaire to Assess the Readiness of Health Care Students for Interprofessional Learning (RIPLS). Med. educ.1999; 33:95-100.

Oishi A, Haruta J, Yoshimi K, Goto M, Yoshida K, Yoshimoto H. Cross-cultural adaptation of the professional version of the Readiness for Interprofessional Learning Scale (RIPLS) in Japanese. J. interprof. care. 2017; 31:85-90.

Pype P, Deveugele M. Dutch Translation and Validation of the Readiness for Interprofessional Learning Scale (RIPLS) in a Primary Healthcare Context. Eur. J. Gen. Pract. 2016; 22:225-31.

Freitas ALP, Rodrigues SG. A avaliação da confiabilidade de questionários: uma análise utilizando o coeficiente alfa de Cronbach. XII Simpósio de Engenharia de Produção – SIMPEP. Bauru: UNESP, 2005.

Aguilar-da-Silva RH, Scapin LT, Batista NA. Avaliação da formação interprofissional no ensino superior em saúde: aspectos da colaboração e do trabalho em equipe. Avaliação (Campinas; Sorocaba) 2011; 16:167-84.

Souto TS, Batista SH, Batista NA. A Educação interprofissional na formação em psicologia: olhares de estudantes. Psicol. ciênc. prof. 2014; 34:32-45.

Rossit RAS, Freitas MAO, Batista SSHS, Batista NA. Construção da identidade profissional na educação interprofissional em saúde: percepção de egressos. Interface (Botucatu, Online). 2018; 22:1399-1410.

Tompsen NN, Meireles E, Peduzzi M, Toassi, RFC. Educação Interprofissional na graduação em Odontologia: experiências curriculares e disponibilidade de estudantes. Rev. odontol. UNESP (Online) 2018; 45:309-20.

Nuto SAS, Lima Júnior FCM, Camara AMCS, Gonçalves CBC. Avaliação da disponibilidade para aprendizagem interprofissional de estudantes de ciências da saúde. Rev. bras. educ. méd. 2017; 41:50-7.

Oliveira VF, Bittencourt MF, Pinto IFN, Lucchetti ALG, Ezequiel OS, Lucchetti G. Comparison of the Readiness for Interprofessional Learning and the rate of contact among students from nine different healthcare courses. Nurse educ. today 2018; 63:64-8.

Padula MGC, Aguilar-da-Silva RH. Professional profile of dentists who are members of the Family Health Strategy city of Marilia, São Paulo: the challenge of interprofessional work. Rev. odontol. UNESP (Online) 2014; 43:52-60.

Peixoto LS, Gonçalves LC, Costa TD, Tavares CMM, Cavalcanti ACD, Cortez EA. Educação permanente, continuada e em serviço: desvendando seus conceitos. Enferm. glob. 2013; 29:324-40.

Casanova IA, Batista NA, Moreno LR. A Educação Interprofissional e a prática compartilhada em programas de residência multiprofissional em Saúde. Interface (Botucatu, Online) 2018; 22:1325-37.

Cadastro Nacional de Cursos e Instituições de Educação Superior. Brasil: Ministério da Educação [Acesso em: 10 fev. 2020]. Disponível em: http://emec.mec.gov.br/.

Neves DCA, Gonçalves C, Favaro TCP. Pós-graduação e Residência Multiprofissional em Saúde HC-UFG: a produção do serviço social. R. Katál. 2017; 20:225- 33.

Rapchak ME, Nolfi DA, Turk MT, Marra L, O’Neil CK. Implementing an interprofessional information literacy course: impact on student abilities and attitudes. J. med. libr. assoc. 2018; 106:464-70.

Montanari PM. Formação para o trabalho no ensino das graduações em saúde. Saúde Soc. 2018; 27:980-86.

Peduzzi M, Norman IJ. Validação de instrumento de medida do aprendizado interprofissional para trabalho em equipe. Encontro Internacional de Pesquisa em Enfermagem. São Paulo: EE-USP, 2012.

Alexandre NMC, Coluci MZO. Validade de conteúdo nos processos de construção e adaptação de instrumentos de medidas. Cien. Saude Colet. 2011; 16:3061-68.

Marcussen M, Nørgaard B, Borgnakke K, Arnfred S. Interprofessional clinical training in mental health improves students’ readiness for interprofessional collaboration: a nonrandomized intervention study. BMC med. educ. 2019; 27:1-10.

Mowat S, Hein C, Walsh T, MacDonald L, Grymonpre R, Sisler J. Changing health professionals´ attitudes and practice behaviors through interprofessional continuing education in oral-systemic health. J. dent. educ. 2018; 81:1421-29.

Publicado

19-04-2021

Edição

Seção

ARTIGOS DE REVISÃO