ALEITAMENTO MATERNO: ORIENTAÇÕES RECEBIDAS POR GESTANTES ACOMPANHADAS PELA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA

Maria Gabriela Cabrera Ferreira, Maria Fernanda Pereira Gomes, Lislaine Aparecida Fracolli

Resumo


Objetivo: Identificar as orientações sobre aleitamento materno recebidas pelas gestantes atendidas pela Estratégia Saúde da Família no município de Palmital/SP. Métodos: Trata-se de uma pesquisa descritiva e exploratória. Participaram da pesquisa 24 mulheres que frequentaram o grupo de educação em saúde para gestantes, cujos encontros são realizados uma vez por mês no município para todas as grávidas. O instrumento utilizado para coleta de dados foi um questionário elaborado pelos autores com base nas orientações que a gestante deve saber sobre o aleitamento materno, contidas no Caderno de Atenção Básica nº 23. Resultados: A maioria das gestantes participantes da pesquisa estão entre a faixa etária de 18 a 30 anos e possuem ensino médio completo. As gestantes são orientadas principalmente sobre a importância do aleitamento materno, sobre como o leite materno é completo e sobre complementar a amamentação com outros alimentos após seis meses. As gestantes são menos orientadas quanto a mitos, crenças, medos, preocupações e fantasias relacionados ao aleitamento materno. Conclusão: Os profissionais de saúde devem conhecer as dúvidas, medos, expectativas, mitos e crenças referentes ao aleitamento materno que as gestantes atendidas apresentam, para desmistificar as crenças consolidadas que influenciam de forma negativa na adesão ao aleitamento materno.


Palavras-chave


Aleitamento materno; Estratégia Saúde da Família; saúde da criança

Texto completo:

PDF

Referências


Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Saúde da criança: nutrição infantil: aleitamento materno e alimentação complementar. Brasília, DF: Editora do Ministério da Saúde; 2009. (Cadernos de Atenção Básica, n. 23) (Série A. Normas e Manuais Técnicos).

Amorim MM, Andrade ER. Atuação do enfermeiro no PSF sobre aleitamento materno. Perspectivas online [Internet]. 2009 [citado em 2015 fev 18];3(9):93-110. Disponível em: http://bit.ly/2HH0Mwd

Ramos LC. Aleitamento materno – efeito de intervenção educativa com equipe de enfermagem na orientação a nutrizes [dissertação]. Goiânia (GO): Universidade Federal de Goiás; 2014.

Santana JM, Brito SM, Santos DB. Amamentação: conhecimento e prática de gestantes. Mundo Saúde. 2013;37(3):259-67.

Marques ES, Cotta MM, Priore SE. Mitos e crenças sobre o aleitamento materno. Ciênc saúde coletiva. 2011;16(5):2461-68.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Políticas de Saúde. Área Técnica de Saúde da Mulher. Parto, aborto e puerpério: assistência humanizada à mulher. Brasília, DF: Ministério da Saúde; 2001.

Souza TO, Bispo TC. Aleitamento materno exclusivo e o Programa Saúde da Família da Chapada, município de Aporá (BA). Rev baiana saúde pública. 2007;31(1):38-51.

Marques ES, Cotta RMM, Magalhães KA, Sant’Ana LFR, Gomes AP, Siqueira-Batista R. A influência da rede social da nutriz no aleitamento materno. Ciênc saúde coletiva. 2010;15(Supl. 1):1391-400.

Maciel APP, Gondim APS, Silva AMV, Barros FC, Barbosa GL, Albuquerque KC, et al. Conhecimento de gestantes e lactantes sobre o aleitamento materno exclusivo. Rev Bras Promoc Saúde. 2013;26(3):311-17.

Rodrigues NA, Gomes ACG. Aleitamento materno: fatores determinantes do desmame precoce. Enferm Rev. 2014;17(1):30-48.

Souza MAS, Lopes NAR, Borges FV. A importância do enfermeiro da Estratégia Saúde da Família para redução da morbimortalidade materna. Rev Cient Interdisciplinar. 2014;1(1):72-89.

Giugliani ERJ. Problemas comuns na lactação e seu manejo. J Pediatr. 2004;80(5):s147-54.

Silva MAP, Menezes RCE, Oliveira MAA, Longo-Silva G, Asakura L. Atenção Básica em Alagoas: expansão da Estratégia Saúde da Família, do Nasf e do componente alimentação/nutrição. Saúde Debate. 2014;38(103):720-32.

Guerreiro EM, Rodrigues DP, Queiroz ABA, Ferreira MA. Educação em saúde no ciclo gravídico-puerperal: sentidos atribuídos por puérperas. Rev Bras Enferm. 2014;67(1):13-21.

King FS, Thomsom Z, Gordon ON, tradutoras. Como ajudar as mães a amamentar. 4ª ed. Brasília, DF: Ministério da Saúde; 2001.

Souza LMBM, Almeida JAG. História da alimentação do lactente no Brasil – do leite fraco à biologia da excepcionalidade. Rio de Janeiro: Revinter; 2004.

Aires RMB, Guimarães LBE. Relato de experiência de um grupo de residentes em enfermagem obstétrica sobre práticas de organização do processo de trabalho. Rev enferm UFPE on line. 2017;11(Supl. 2):1103-7

Silva IA. O profissional reconhecendo a família como suporte social para a prática do aleitamento materno. Fam Saúde Desenv. 2001;3(1):7-14.




DOI: http://dx.doi.org/10.13037/ras.vol16n55.4888