INVESTIGAÇÃO DA SÍNDROME DE BURNOUT EM TRABALHADORES DA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA DE UM MUNICÍPIO DO INTERIOR DO ESTADO DE SÃO PAULO

Autores

Palavras-chave:

Síndrome de Burnout, Estratégia Saúde da Família, Saúde do Trabalhador

Resumo

Introdução: O esgotamento profissional se tornou um problema e tem sido motivo de estudo por vários profissionais de diferentes áreas. Esse esgotamento tem sido associado a exigências que cada vez mais o trabalho tem cobrado dos trabalhadores como mais qualidade, produtividade e qualificação. Objetivo: investigar a prevalência da síndrome de Burnout nos profissionais que trabalham na Estratégia Saúde da Família (ESF) do município de Assis, interior do Estado de São Paulo. Materiais e Métodos: Trata-se de uma pesquisa exploratória e descritiva, realizada com os profissionais que trabalham nas equipes de saúde da família de um município do interior do Estado de São Paulo. A coleta de dados foi realizada por meio de um questionário sociodemográfico e o instrumento Inventário de Burnout de Maslach (MBI). Os dados foram digitados, organizados e analisados percentualmente com a ajuda do Microsoft Excel.  Resultados e conclusões: Participaram da pesquisa 47 trabalhadores: 21 (44,68%) agentes comunitários de saúde (ACS), 13 (27,66%) auxiliares de enfermagem, 4 (8,51%) enfermeiros, 3 (6,38%) dentistas, 3 (6,38%) auxiliares de saúde bucal, 1 (2,13%) médico e 2 (4,25%) auxiliares administrativos. Os enfermeiros, ACS e auxiliares de enfermagem apresentaram os maiores valores percentuais indicativos para a síndrome. Os dados desse estudo evidenciaram a importância do diagnóstico precoce dos fatores que possam desencadear a síndrome de Burnout, bem como instaurar ações de prevenção que ajudem os trabalhadores a lidar com os enfrentamentos do dia – a – dia, com as diferenças interpessoais, a reorganização da rotina da ESF e como material de apoio para novas pesquisas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Guerrer FJL, Bianchi ERF. Caracterização do estresse nos enfermeiros da unidade de terapia intensiva. Rev. esc. enferm. USP. 2008;42(2): 355-62.

Trindade LL, Lautert L. Síndrome de Burnout entre os trabalhadores da Estratégia de Saúde da Familia. Rev. esc. enferm. USP. 2010;44(2): 274-920.

Secretaria da Saúde do Tocantins. Saúde do trabalhador [Internet]. Tocantins; 2010. [atualizado 2010; citado 2020 jan. 6]. Disponível em: https://saude.to.gov.br/saude-do-trabalhador/

Guanaes-Lorenzi C, Pinheiro RL. A (des)valorização do agente comunitário de saúde na Estratégia Saúde da Família. Ciênc. saúde coletiva. 2016;21(8):2537-2546.

Peres CRFB, Caldas Júnior AL, Silva RF, Marin MJS. O agente comunitário de saúde frente ao processo de trabalho em equipe: facilidades e dificuldades. Rev. esc. enferm. USP. 2011; 45(4):905-911.

França TLB, Oliveira ACBL, Lima LF, Melo JKF, Silva RAR. Síndrome de Burnout: Características, diagnósticos, prevenção e tratamento. Rev enferm UFPE on line. 2014;8(10):3539-46.

Carvalho CG, Magalhães SR. Síndrome de Burnout e suas consequências nos profissionais de enfermagem. Revista da Universidade Vale do Rio Verde. 2011;9(1):200-210.

Wiltenburg DCD, Klein RB. Síndrome de burnout: conhecer para prevenir-se, uma intervenção necessária. São Mateus do Sul: Secretaria de Estado da Educação; 2009. Disponível em: http://www.diaadiaeducacao.pr.gov.br/portals/pde/arquivos/2338-8.pdf

Acesso: 06 jan. 2020.

Diehl L, Carlotto MS. Síndrome de Burnout: indicadores para a construção de um Diagnostico. Psicol. clin. 2015;27(2):161-179.

Pereira DG. Síndrome de Burnout em trabalhadores do Programa de Saúde da Família: uma revisão de literatura [monografia]. Belo Horizonte: Faculdade de Medicina, Universidade Federal de Minas gerais; 2011.

Fonseca JJS. Metodologia da pesquisa científica. Fortaleza: Universidade Estadual do Ceara; 2002. Disponível em: http://www.ia.ufrrj.br/ppgea/conteudo/conteudo-2012-1/1SF/Sandra/apostilaMetodologia.pdf

Piovesan A, Temporini ER. Pesquisa exploratória: procedimento metodológico para o estudo de fatores humanos no campo da saúde pública. Rev. Saúde Pública. 1995;29(4):318-325.

Sala de Apoio a Gestão Estratégica (SAGE) do Ministério da Saúde [homepage na internet]. Brasília: Ministério da Saúde; 2017. [citado 2017 nov 10]. Disponível em: http://sage.saude.gov.br/.

Jodas DA, Haddad MCL. Síndrome de Burnout em trabalhadores de enfermagem de um pronto socorro de hospital universitário. Acta paul. enferm. 2009; 22(2):192-197.

Moreira DS, Magno RF, Sakae TM, Magajewski FRL. Prevalência da síndrome de burnout em trabalhadores de enfermagem de um hospital de grande porte da Região Sul do Brasil. Cad. Saúde Pública. 2009;25(7):1559-1568.

Trigo TR, Teng CT, Hallak JEC. Síndrome de Burnout ou estafa profissional e os transtornos psiquiátricos. Rev. psiquiatr. clín. 2007;34(5):223-233.

Carlotto MS. Síndrome de Burnout em professores: prevalência e fatores associados. Psic.: Teor. e Pesq. [online]. 2011;27(4):403-410.

Maia LDG, Silva ND, Mendes PHC. Síndrome de Burnout em agentes comunitários de saúde: aspectos de sua formação e prática. Rev. bras. saúde ocup. 2011; 36(123): 93-102.

Zanatta AB, Lucca SR. Prevalência da síndrome de burnout em profissionais da saúde de um hospital oncohematológico infantil. Rev. esc. enferm. USP. 2015;49(2):0253-0258.

Oliveira JR. A síndrome de Burnout nos cirurgiões-dentistas de Porto Alegre, RS [dissertação]. Porto Alegre: Faculdade de Odontologia, Universidade Federal do Rio Grande do Sul; 2001.

Morais AJD, Teles CB, Rocha LF, Silveira MF, Pinho, L. Síndrome de Burnout em Médicos de Estratégia Saúde da Família de Montes Claros, MG, e Fatores Associados. Rev Bras Med Fam Comunidade. 2018;13(40):1-15.

Downloads

Publicado

26-10-2020

Edição

Seção

ARTIGOS ORIGINAIS

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)