CUIDADOS FAMILIARES PARA PROMOÇÃO DA SAÚDE DA CRIANÇA NUM MUNICÍPIO DO INTERIOR DO ESTADO DE SÃO PAULO

Autores

DOI:

https://doi.org/10.13037/ras.vol19n68.7612

Resumo

Introdução: A Saúde da Criança brasileira ampara-se em políticas e programas que tentam garantir o direito do Estatuto da Criança e do Adolescente de que a criança tem direito a proteção integral, incluindo o que se refere ao desenvolvimento físico, mental, espiritual e social. Objetivo: Identificar os cuidados de promoção da saúde prestados pelos familiares de crianças com idade entre 0 a 6 anos matriculados na rede pública de ensino de Assis-SP. Método: Pesquisa exploratória, de delineamento transversal e abordagem quantitativa, realizada por meio de questionário autoaplicado e elaborado com base no “Projeto Nossas Crianças: Janelas de Oportunidades” que aborda questões referentes à alimentação, saúde, higiene, brincadeiras, amor e segurança e foi aplicado aos pais. Resultados: Participaram da pesquisa 81 pais e responsáveis com média de idade de 32,52 anos, a maioria do sexo feminino e com o ensino médio completo. Sobre os cuidados de Higiene e Saúde observou-se que 5 (6,17%) dos familiares referem que as vezes higienizam as mãos para preparar os alimentos e para cuidar da criança. Foi possível observar também que muitos pais não aderiram ao aleitamento materno exclusivo até os 06 meses de vida e que as relações familiares de vínculo e afeto com as crianças são satisfatórias. Conclusão: Conclui-se, portanto que as ações de saúde voltadas para a promoção da saúde da criança precisam melhorar em alguns aspectos como intensificar a educação em saúde sobre o aleitamento materno, cuidados de higiene, importância da imunização e das relações familiares para o desenvolvimento e crescimento infantil.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Fernando Antônio Regis da Silva, Universidade Paulista campus de Assis-SP

Graduando do curso de enfermagem da Universidade Paulista – UNIP. Assis, SP, Brasil.

Maria Fernanda Pereira Gomes, Universidade Paulista campus de Assis-SP

Professora Doutora do curso de enfermagem da Universidade Paulista – UNIP. Assis, SP, Brasil. 

Mariana Souza Santos, Universidade Paulista campus de Assis-SP

Professora Mestra e Coordenadora do curso de enfermagem da Universidade Paulista – UNIP. Assis, SP, Brasil. 

Valéria Cristina dos Santos Carvalho, Universidade Paulista campus de Assis-SP

Professora Mestra do curso de enfermagem da Universidade Paulista – UNIP. Assis, SP, Brasil. Orcid:

Daiane Suele Bravo, Universidade Paulista campus de Assis-SP

Professora Mestra do curso de enfermagem da Universidade Paulista – UNIP. Assis, SP, Brasil.

Vanessa Ramos Lopes Valverde, Universidade Paulista campus de Assis-SP

Professora Mestra do curso de enfermagem da Universidade Paulista – UNIP. Assis, SP, Brasil

Lislaine Aparecida Fracolli, Universidade Paulista campus de Assis-SP

Professora Doutora do Departamento de Enfermagem em Saúde Coletiva da Escola de Enfermagem da Universidade de São Paulo – EEUSP. São Paulo, SP, Brasil.

Referências

Brasil. Lei n. 8.069, de 13 de julho de 1990. Dispõe sobre o Estatuto da Criança e do Adolescente e dá outras providências. Diário Oficial da união, Brasília, 16 jul.

Araújo JP, Silva RMM, Collet N, Neves ET, Toso BRGO, Viera CS. História da saúde da criança: conquistas, políticas e perspectivas. Rev. bras. enferm. 2014;67(6):1000-1007.

Brasil. Ministério da Saúde. Portaria GM n. 1.130, de 5 de agosto de 2015. Institui a Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Criança (PNAISC) no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). Brasília; 2015.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Saúde da criança: crescimento e desenvolvimento / Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. – Brasília: Ministério da Saúde, 2012.

São Paulo. Secretaria Municipal de Saúde. Programa Saúde da Família. Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF). “toda hora é hora de cuidar” Manual de apoio. São Paulo; 2003.

Brasil. Ministério da Saúde. Conselho Nacional de Saúde. Resolução n. 466, de 12 de dezembro de 2012. Aprova diretrizes e normas regulamentadoras de pesquisas envolvendo seres humanos. Diário Oficial da União, Brasília; 2012.

Chiesa AM, Verissimo MDLOR. A ficha de acompanhamento dos cuidados para a promoção da saúde da criança. In: Chiesa AM, Zoboli ELCP, Fracolli LA. Promoção da saúde da criança: a experiência do projeto Nossas Crianças: janelas de oportunidades. São Paulo. 2009; p. 75-94.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Saúde da criança: aleitamento materno e alimentação complementar. 2. ed. Brasília: Ministério da Saúde; 2015.

Braga NP, Rezende MA, Fugimori E. Amamentação em creches no Brasil. Rev Bras Crescimento Desenvolv Hum. 2009;19(3):465-474.

Oliveira FA, Ximenes FJM, Monteiro ACS, Farias OO, Mendes IC, Silva CF et al. Competências familiares relacionadas à prevenção e tratamento das doenças nas crianças de até seis anos. Saúde e Pesquisa. 2018;11(2):257-265.

Aquilante AG, Bastos JR, Sales Peres SH, Leal RB, Higa AM. Análise do nível de educação odontológica dos pais/responsáveis de escolares da 3ª série do 1º grau e sua relação na motivação e educação odontológica de seus filhos. Rev Odontol UNICID. 2002;14:25-34

Chaves AP. Ludicidade e família: o brincar e sua importância no contexto familiar. In: Anais do XI Congresso Nacional de Educação - EDUCERE; 2013; set. 23-26; Curitiba. Curitiba: Pontifícia Universidade Católica do Paraná; 2013. p. 31125-31138.

Gomes JAM; Brasil RMC. Intervenções que promovem as competências familiares e o desenvolvimento infantil. Extensão em Ação. 2016;2(11): 50-63.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Linha de cuidado para a atenção integral à saúde de crianças, adolescentes e suas famílias em situação de violências: orientação para gestores e profissionais de saúde. Brasília: Ministério da Saúde; 2010.

Brasil. Lei nº 13.010, de 26 de junho de 2014. Altera a Lei nº 8.069, de 13 de julho de 1990 (Estatuto da Criança e do Adolescente), para estabelecer o direito da criança e do adolescente de serem educados e cuidados sem o uso de castigos físicos ou de tratamento cruel ou degradante, e altera a Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Diário Oficial da União, Brasília, 26 jun. 2014.

Ribeiro JM. O uso do castigo físico em crianças e adolescentes como prática educativa: algumas perspectivas da Sociologia, Filosofia e Psicologia. Pesqui. prát. psicossociais [Internet]. 2014 [citado 2019 maio 19]9(2):213-221. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1809-89082014000200007

Publicado

30-06-2021

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)