ALEITAMENTO MATERNO: ORIENTAÇÕES RECEBIDAS POR GESTANTES ACOMPANHADAS PELA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA

Autores

  • Maria Gabriela Cabrera Ferreira Universidade Paulista
  • Maria Fernanda Pereira Gomes Universidade Paulista
  • Lislaine Aparecida Fracolli Universidade de São Paulo

DOI:

https://doi.org/10.13037/ras.vol16n55.4888

Palavras-chave:

Aleitamento materno, Estratégia Saúde da Família, saúde da criança

Resumo

Objetivo: Identificar as orientações sobre aleitamento materno recebidas pelas gestantes atendidas pela Estratégia Saúde da Família no município de Palmital/SP. Métodos: Trata-se de uma pesquisa descritiva e exploratória. Participaram da pesquisa 24 mulheres que frequentaram o grupo de educação em saúde para gestantes, cujos encontros são realizados uma vez por mês no município para todas as grávidas. O instrumento utilizado para coleta de dados foi um questionário elaborado pelos autores com base nas orientações que a gestante deve saber sobre o aleitamento materno, contidas no Caderno de Atenção Básica nº 23. Resultados: A maioria das gestantes participantes da pesquisa estão entre a faixa etária de 18 a 30 anos e possuem ensino médio completo. As gestantes são orientadas principalmente sobre a importância do aleitamento materno, sobre como o leite materno é completo e sobre complementar a amamentação com outros alimentos após seis meses. As gestantes são menos orientadas quanto a mitos, crenças, medos, preocupações e fantasias relacionados ao aleitamento materno. Conclusão: Os profissionais de saúde devem conhecer as dúvidas, medos, expectativas, mitos e crenças referentes ao aleitamento materno que as gestantes atendidas apresentam, para desmistificar as crenças consolidadas que influenciam de forma negativa na adesão ao aleitamento materno.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maria Gabriela Cabrera Ferreira, Universidade Paulista

Universidade Paulista – São Paulo (SP), Brasil.

Maria Fernanda Pereira Gomes, Universidade Paulista

Universidade Paulista – São Paulo (SP), Brasil.

Lislaine Aparecida Fracolli, Universidade de São Paulo

Universidade de São Paulo – São Paulo (SP), Brasil.

Referências

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Saúde da criança: nutrição infantil: aleitamento materno e alimentação complementar. Brasília, DF: Editora do Ministério da Saúde; 2009. (Cadernos de Atenção Básica, n. 23) (Série A. Normas e Manuais Técnicos).

Amorim MM, Andrade ER. Atuação do enfermeiro no PSF sobre aleitamento materno. Perspectivas online [Internet]. 2009 [citado em 2015 fev 18];3(9):93-110. Disponível em: http://bit.ly/2HH0Mwd

Ramos LC. Aleitamento materno – efeito de intervenção educativa com equipe de enfermagem na orientação a nutrizes [dissertação]. Goiânia (GO): Universidade Federal de Goiás; 2014.

Santana JM, Brito SM, Santos DB. Amamentação: conhecimento e prática de gestantes. Mundo Saúde. 2013;37(3):259-67.

Marques ES, Cotta MM, Priore SE. Mitos e crenças sobre o aleitamento materno. Ciênc saúde coletiva. 2011;16(5):2461-68.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Políticas de Saúde. Área Técnica de Saúde da Mulher. Parto, aborto e puerpério: assistência humanizada à mulher. Brasília, DF: Ministério da Saúde; 2001.

Souza TO, Bispo TC. Aleitamento materno exclusivo e o Programa Saúde da Família da Chapada, município de Aporá (BA). Rev baiana saúde pública. 2007;31(1):38-51.

Marques ES, Cotta RMM, Magalhães KA, Sant’Ana LFR, Gomes AP, Siqueira-Batista R. A influência da rede social da nutriz no aleitamento materno. Ciênc saúde coletiva. 2010;15(Supl. 1):1391-400.

Maciel APP, Gondim APS, Silva AMV, Barros FC, Barbosa GL, Albuquerque KC, et al. Conhecimento de gestantes e lactantes sobre o aleitamento materno exclusivo. Rev Bras Promoc Saúde. 2013;26(3):311-17.

Rodrigues NA, Gomes ACG. Aleitamento materno: fatores determinantes do desmame precoce. Enferm Rev. 2014;17(1):30-48.

Souza MAS, Lopes NAR, Borges FV. A importância do enfermeiro da Estratégia Saúde da Família para redução da morbimortalidade materna. Rev Cient Interdisciplinar. 2014;1(1):72-89.

Giugliani ERJ. Problemas comuns na lactação e seu manejo. J Pediatr. 2004;80(5):s147-54.

Silva MAP, Menezes RCE, Oliveira MAA, Longo-Silva G, Asakura L. Atenção Básica em Alagoas: expansão da Estratégia Saúde da Família, do Nasf e do componente alimentação/nutrição. Saúde Debate. 2014;38(103):720-32.

Guerreiro EM, Rodrigues DP, Queiroz ABA, Ferreira MA. Educação em saúde no ciclo gravídico-puerperal: sentidos atribuídos por puérperas. Rev Bras Enferm. 2014;67(1):13-21.

King FS, Thomsom Z, Gordon ON, tradutoras. Como ajudar as mães a amamentar. 4ª ed. Brasília, DF: Ministério da Saúde; 2001.

Souza LMBM, Almeida JAG. História da alimentação do lactente no Brasil – do leite fraco à biologia da excepcionalidade. Rio de Janeiro: Revinter; 2004.

Aires RMB, Guimarães LBE. Relato de experiência de um grupo de residentes em enfermagem obstétrica sobre práticas de organização do processo de trabalho. Rev enferm UFPE on line. 2017;11(Supl. 2):1103-7

Silva IA. O profissional reconhecendo a família como suporte social para a prática do aleitamento materno. Fam Saúde Desenv. 2001;3(1):7-14.

Downloads

Publicado

2018-04-13

Edição

Seção

ARTIGOS ORIGINAIS

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)