PERCEPÇÕES PATERNAS NO ACOMPANHAMENTO DO PRÉ-NATAL

Autores

DOI:

https://doi.org/10.13037/ras.vol17n61.5934

Palavras-chave:

Cuidado pré-natal, Paternidade, Saúde do homem, Enfermagem.

Resumo

Introdução: O período gestacional compreende transformações no corpo e no cotidiano da mulher. É o momento de buscar atendimento especializado para o pré-natal e se preparar para o parto. Esse atendimento deve ser confiável, para que a gravidez se desenvolva de forma tranquila. Nessa fase também é fundamental que a gestante conte com pleno apoio familiar, principalmente do pai da criança. Objetivo: abordar a percepção dos pais sobre os possíveis benefícios proporcionados por sua presença ao pré-natal. Materiais e Métodos: trata-se de uma revisão integrativa da literatura, com busca de artigos na Biblioteca Virtual de Saúde (BVS). Os critérios de inclusão contemplaram publicações lançadas entre 2010 e 2017 e em língua portuguesa. Resultados: foram selecionados 20 artigos e sobre eles foi feita uma leitura exploratória, seguida de outra mais aprofundada com o objetivo de selecionar as informações pertinentes à pesquisa. O esforço ocasionou a elaboração de três categorias de análise: o ser homem diante da gestação da parceira; percepções sobre a participação paterna no pré-natal; e enfermagem, políticas públicas de saúde masculina e paternidade. Conclusões: a gestação constitui o momento no qual a construção da ideia de pai se inicia para o homem. Nisto, a participação paterna junto ao pré-natal é essencial para a boa compreensão de tal papel, bem como para avaliar a saúde em razão de doenças passíveis de detecção com a realização de exames. Entretanto, fatores culturais e profissionais tendem a afastar o homem do pré-natal. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

RICARDO SARAIVA AGUIAR, Universidade Paulista, Campus Brasília-DF

Mestrando em Gerontologia pela Universidade Católica de Brasília (UCB). Possui graduação em Enfermagem pela Universidade de Gurupi (UnirG) (2010) e Especialização em Saúde da Família (2013) pela Universidade de Brasília (UnB). Atualmente ocupa o cargo de Diretor na Diretoria de Enfermagem da Secretaria de Estado da Saúde do Distrito Federal (SES-DF), Professor no Curso de Enfermagem da Universidade Paulista (UNIP - Campus Brasília/DF) e Facilitador Nacional da Estratégia AIDPI Neonatal pelo Ministério da Saúde (MS). É sócio fundador da Associação Brasileira de Enfermagem de Família e Comunidade (ABEFACO), sendo que ocupa atualmente a função de vice-diretor da ABEFACO seção Distrito Federal. Tem experiência na área de Enfermagem, com ênfase na Saúde da Família, Gestão em Saúde Pública e Atenção à Saúde nos Ciclos de Vida.

Referências

Camillo BS, Nietsche EA, Salbego C, Cassenote LG, Dal Osto DS, Böck A. Ações de educação em saúde na Atenção Primária a gestantes e puérperas: revisão integrativa. Rev enferm UFPE, 2016;10(Supl. 6):4894-901.

Santos SC, Kreutz, CM. O envolvimento do pai na gestação do primeiro filho. Rev Pensando Famílias, 2014;18(2):62-76.

Ruivo PVA. Representações sociais de pais adolescentes acerca do “ser pai” na adolescência [dissertação]. Rio Grande: Universidade Federal do Rio Grande, 2010.

Ministério da Saúde (BR). Guia do Pré-Natal do Parceiro para Profissionais de Saúde. Rio de Janeiro: MS/CNSH; 2015.

Nogueira JRDF, Ferreira M. O envolvimento do pai na gravidez/parto e a ligação emocional com o bebê. Rev Enferm Referência, 2012;3(8):57-66.

Ferreira IS, Fernandes AFC, Lô KKR, Melo TP, Gomes AMF, Andrade IS. Perceptions of pregnant women about the role of partners in prenatal consultations. Rev Rene, 2016;17(3):318-23.

Oliveira JPF, Barbosa RVF, Gottems LBD. A participação e as expectativas do homem na gestação e a sua adesão no pré-natal: em busca de evidências [artigo na internet]. Brasília: UCB; 2012.

Ribeiro, JP, Gomes GC, Silva BT, Cardoso LS, Silva PA, Strefling ISS. Participação do pai na gestação, parto e puerpério: refletindo as interfaces da assistência de enfermagem. Rev Espaço para a Saúde, 2015;16(3):73-82.

Bento AV. Como fazer uma revisão da literatura: considerações teóricas e práticas. Rev JA 2012; 7(65):42-44.

Mendes KDS, Silveira RCCP, Galvão CM. Revisão integrativa: método de pesquisa para a incorporação de evidências na saúde e na enfermagem. Rev Texto Contexto Enferm 2008;17(4):758-64.

Cardelli AAM, Tanaka ACA. Ser/estar pai: uma figura de identidade. Cienc Cuid Saude 2012;11(suplem.):251-58.

Henz GS, Medeiros CRG, Salvadori M. A inclusão paterna durante o pré-natal. Rev Enferm Atenção Saúde 2017;6(1):52-66.

Silva BT, Silva MRS, Bueno MEN. Eventos intra e extrafamiliar significativos no processo de construção da paternidade. Rev. Esc Anna Nery Enferm 2014;18(4):710-15.

Santos SC, Kreutz CM. O envolvimento do pai na gestação do primeiro filho. Pensando fam 2014;18(2):62-76.

Nogueira JFDF, Ferreira M. O envolvimento do pai na gravidez/parto e a ligação emocional com o bebê. Rev Enf Ref 2012;3(8):57-66.

Zampieri MFM, Guesser JC, Buendgens BB, Junckes JM, Rodrigues IG. O significado de ser pai na ótica de casais grávidos: limitações e facilidades. Rev Eletr Enf 2012;14(3):483-93. 17. Bordignon SS, Cruz VD, Harter J, Meincke SMK, Carraro TE, Collet N. Participação paterna e reação familiar frente à gravidez na adolescência. Rev enferm UFPE 2013;7(6):4459-65.

Albuquerque GA, Campos LSD, Barros APP, Lima BLP, Serafim VVD, Bezerra SJB et al. Percepção dos pais sobre a importância do pré-natal na qualidade de vida do binômio mãe e filho. Convibra - V Congresso Online - Gestão, Educação e Promoção da Saúde, 16-19 nov. 2016

Oliva TA, Nascimento ER, Espírito Santo FR. Percepções e experiências de homens relativas ao pré-natal e parto de suas parceiras. Rev Enferm 2010;18(3):435-40.

Reberte LM, Hoga LAK. A experiência de pais participantes de um grupo de educação para saúde no pré-natal. Ciencia y Enfermería 2010;15(1):105-14.

Figueiredo MGAV, Marques AC. Pré-natal: experiências vivenciadas pelo pai. Cogitare Enferm 2011;16(4):708-13.

Silva MMJ, Cardoso EP, Calheiros CAP, Rodrigues EOMA, Leite EPRC, Rocha LCD. O envolvimento paterno na gestação sob o olhar de gênero. J Nurs UFPE 2013;7(5):1376-81. 23. Ferreira TN, Almeida DR, Brito HM, Cabral JF, Marin HA, Campos FMC et al. A importância da participação paterna durante o pré-natal: percepção da gestante e do pai no município de Cáceres-MT. Rev Elet Gestão & Saúde 2014; 5(2):337-45.

Ferreira IS, Fernandes AFC, Lô KKR, Melo TP, Gomes AMF, Andrade IS. Percepções de gestantes acerca da atuação dos parceiros nas consultas de pré-natal. Rev Rene 2016;17(3):318-23.

Cabrita BAC, Silveira ES, Souza AC, Alves VH. A ausência do companheiro nas consultas de pré-natal: desafios e conquistas. Rev Pesq Fundam Online 2012;4(3):2645-54. 26. Costa SF, Taquette SR. Atenção à gestante adolescente na Rede SUS - o acolhimento do parceiro no pré-natal. Rev Enferm UFPE 2017;11(Supl. 5):2067-74.

Carvalho IS, Costa Júnior PB, Oliveira JBP, Brito RS. O pré-natal e o acompanhante no processo parturitivo: percepção de enfermeiros. Rev Bras Pesq Saúde 2015;17(2):70-7.

Gomes R, Albernaz L, Ribeiro CRS, Moreira MCN, Nascimento M. Linhas de cuidados masculinos voltados para a saúde sexual, a reprodução e a paternidade. Cienc & Saúde Colet 2016;21(5):1545-52.

Hermann A, Silva ML, Chakora ES, Lima DC. Guia do pré-natal do parceiro para profissionais de saúde. Rio de Janeiro: Ministério da Saúde; 2016.

Downloads

Publicado

09-12-2019