Para uma educação inclusiva das minorias sexualmente distintas: a relevância da formação dos professores

Sandra Maria Fodra

Resumo


Pesquisas recentes demonstram que o bullying homofóbico, ocorrido principalmente nas escolas, é responsável pelo sofrimento de jovens em vários países. Os educadores não abordam esses assuntos e dizem que, nas escolas onde trabalham não há casos de discriminação. Eles não se sentem à vontade para tratar de temas como homossexualidade, orientação e diversidade sexual. A escola é um espaço privilegiado para a convivência com as diversidades, para discussão sobre o preconceito, além da aprendizagem com a resolução de conflitos; mas é onde mais acontecem casos de intolerância de forma velada. Embora existam leis e orientações sobre o tema, ainda há um grande despreparo dos educadores e repertório adequado para tratar destas questões. Este é um problema emergente da Educação, pois os tabus e o desrespeito são reproduzidos na própria escola,promovendo a evasão de alunos. É necessário investir em formação e espaços para discussão sobre a sexualidade no cotidiano escolar.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.13037/rea-e.vol1n1.4269

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Indexadores de que a REAe faz parte: 

BBE: http://pergamum.inep.gov.br/pergamum/biblioteca/

CZ3 : http://ezb.uni-regensburg.de/

DIADORIN: diadorim.ibict.br/

Google Scholar: https://scholar.google.com.br/scholar

IRESIE: iresie.unam.mx/

LATINDEX:http://www.latindex.org/latindex/inicio

LiVre - http://livre.cnen.gov.br/Inicial.asp

SUMARIOS: https://sumarios.org

 

 

      

 

 

A REAe utiliza o software iThenticate para detecção e prevenção de plágio.