Internações e óbitos por neoplasia de esôfago em Montes Claros, MG

Bruno Pires Santos, Ewerton Nogueira Tolentino, Frederico Raelmi Lopes Nobre, Rafael Dourado Borges, Henrique Cézar Lancuna, Marcos Vinícius Macedo de Oliveira

Resumo


Introdução: O câncer de esôfago está em sexto lugar entre as principais causas de neoplasia maligna do mundo, representando, portanto, um desafio na medicina. Objetivo: Caracterizar as internações e óbitos por neoplasia de esôfago no município de Montes Claros, Minas Gerais. Materiais e Métodos: Trata-se de um estudo retrospectivo, transversal, de delineamento quantitativo. Apresentou-se como universo de pesquisa a base de dados do Sistema de Informações Hospitalares do Sistema Único de Saúde referente à taxa de internações e óbitos por neoplasia de esôfago no município de Montes Claros, no período de 2008 a 2015. Utilizou-se o software Microsoft Office Excel 12.0 para gerenciamento e análise dos dados. Resultados: O total de internações e óbitos por câncer de esôfago no período analisado foi equivalente a 3.055 e 274, respectivamente, tendo o ano de 2014 o maior registro de internações e óbitos. O sexo masculino apresentou 82% das internações e 78,46% dos óbitos, a faixa etária mais prevalente entre 50 a 69 anos (59,67% e 58,03%), sendo a maioria dos atendimentos em caráter de urgência (92,93% e 89,78%) e em regime privado (98,99% e 98,17%). Conclusão: O câncer de esôfago está entre as principais neoplasias no mundo, sendo considerado um grave problema de saúde pública. Diante deste fato, pode-se questionar a ineficiência das políticas de saúde no controle dessa enfermidade.


Palavras-chave


Neoplasia, Esôfago, Epidemiologia

Texto completo:

PDF

Referências


Santos BPD, Schwartz E, Feijó AM, Muniz RM, Zillmer JGV, Viegas ADC. Prontuário oncológico: instrumento de informação da doença e do tratamento. Rev Aten Saúde. 2015;13(46):99-106.

Cavalcante MLF, Chaves F, Ayala ALM. Câncer de mama: sentimentos e percepção das mulheres mastectomizadas. Rev Aten Saúde. 2016;14(49):41-52.

Pennathur A, Gibson MK, Jobe BA, Luketich JD. Oesophageal carcinoma. The Lancet. 2013;381(9864):400-12.

Arantes V, Forero Piñeros EA, Yoshimura K, Toyonaga T. Avanços na abordagem do carcinoma precoce de esôfago. Rev Col Bras Cir. 2012;39(6):534-43.

Felin FD, Felin ID, Muller GH, Nedel DL, Nunes TF, Fernandes EL. O câncer de esôfago sob o enfoque da Biologia molecular. Blucher Med Proceedings. 2014;1(5):36.

Zhang Y. Epidemiology of esophageal cancer. World J Gastroenterol. 2013;19(34):5598-606.

Ximenes M, Piauilino MA, Vaz Neto JP. Linfoma esofágico primário. Rev Col Bras Cir. 2012;39(3):243-6.

Mota OM, Curado MP, Oliveira JC, Martins E, Cardoso DMM. Risk factors for esophageal cancer in a low-incidence area of Brazil. Sao Paulo Med J. 2013;131(1):27-4.

Rêgo MAV, Fonseca AAD. Tendência da mortalidade por câncer de esôfago na cidade de Salvador e no estado da Bahia, Brasil, 1980 a 2012. Rev Bras de Cancerologia. 2014;60(1):25-33.

Castro C, Bosetti C, Malvezzi M, Bertuccio P, Levi F, Negri E, et al. Patterns and trends in esophageal cancer mortality and incidence in Europe (1980-2011) and predictions to 2015. Ann Oncol. 2014;25(1):283-90.

Oliveira JFP, Koifman RJ, Monteiro GTR. Câncer de esôfago: tendência da incidência e da mortalidade no município de Fortaleza, Ceará. Cad Saúde Coletiva. 2012;20(3):359-66.

Razuk Filho M, Martinez JC. Caracterização das neoplasias malignas de esôfago e estômago no conjunto hospitalar de Sorocaba. Rev Fac Cienc Méd Sorocaba. 2014;16(1):19-21.

Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva. Estimativa 2016: incidência de câncer no Brasil. Rio de Janeiro: INCA; 2016.

Modena CM, Martins AM, Ribeiro RBN, Almeida SSL. Os homens e o adoecimento por câncer: um olhar sobre a produção científica brasileira. Rev Baiana Saúde Pública. 2013;37(3):644-60.

Falcão PR, Freitas R, Cola C, Guimarães-Filho MC. Urgências em cirurgia oncológica abdominal para o cirurgião geral. Rev Hosp Univ Pedro Ernesto. 2009;8(1):89-94.

Feil CC, Dal Bosco SM. Câncer de esôfago e desnutrição: estudo de caso. Dest Acad. 2015;7(3):31-5.

Aquino R, Rodrigues M. Acesso e itinerário terapêutico dos pacientes com câncer: principais dificuldades enfrentadas para este percurso. Rev Saúde.com. 2016;12(1):11-9.




DOI: https://doi.org/10.13037/ras.vol15n51.4273

Indexadores: