SÍNDROME DE BURNOUT EM RESIDENTES MÉDICOS DE MONTES CLAROS/MG

Autores

  • Emillyo César Neves Ferreira Faculdades Integradas Pitágoras de Montes Claros
  • Frederico Victor Ribeiro Faculdades Integradas Pitágoras de Montes Claros
  • Rodrigo Pereira Santos Neto Faculdades Integradas Pitágoras de Montes Claros
  • Bruna Nathália Santos Faculdades Unidas do Norte de Minas
  • Luçandra Ramos Espirito Santo Universidade Estadual de Montes Claros
  • Karina Andrade Prince Faculdades Integradas Pitágoras de Montes Claros
  • Marcos Vinícius Macedo de Oliveira Faculdades Integradas Pitágoras de Montes Claros

DOI:

https://doi.org/10.13037/ras.vol15n53.4587

Palavras-chave:

Residência médica, estresse, medicina

Resumo

Introdução: A presença de fatores estressores e as condições de trabalho dos médicos residentes favorecem o surgimento da síndrome de burnout, síndrome caracterizada por exaustão emocional, despersonalização e reduzida realização profissional. Objetivo: Verificar a existência de associação entre a síndrome de burnout e variáveis profissionais e sociodemográficas em médicos que integram os programas de residências médicas dos principais hospitais de Montes Claros/MG. Materiais e métodos: Utilizou-se como instrumento de pesquisa o questionário Maslach Burnout Inventory, juntamente com formulário de avaliação sociodemográfica. A amostra, aleatória e simples, foi composta por 37 residentes de três hospitais de Montes Claros/MG. Resultados: Revelou-se alta ocorrência (75,7%) de burnout entre os participantes, embora não tenha ficado evidente a relação com gênero, estado civil, renda familiar ou carga horária. Conclusão: A despeito disso, que pode ter relação pela quantidade de residentes avaliados, os dados reforçam a importância de medidas de prevenção do desgaste físico e psíquico desses profissionais, como demonstrado pela elevada prevalência identificada neste estudo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Nogueira-Martins LA, Jorge MR. Natureza e magnitude do estresse na residência médica. Rev Assoc Med Bras. 1998;44(1):28-34.

Conselho Federal de Medicina. Resolução CFM nº 1973. Dispõe sobre a nova redação do Anexo II da Resolução CFM nº 1.845/08, que celebra o convênio firmado entre o Conselho Federal de Medicina (CFM), a Associação Médica Brasileira (AMB) e a Comissão Nacional de Residência Médica (CNRM) [Internet]. Brasília, DF; 1 ago 2011. [citado em 2017jul23]. Disponível em: https://goo.gl/oYJac9

Costa EFO, Santana YS, Santos ATRA, Nogueira-Martins LA, Melo EV, Andrade TM. Sintomas depressivos entre internos de medicina em uma universidade pública brasileira. Rev Assoc Med Bras. 2012;58(1):53-9.

Maslach C, Jackson SE. The role of sex and family variables in burnout. Sex Roles. 1985;12(7-8):837-51.

Gonçalves TB, Leitão AKR, Botelho BS, Marques RACC, Hosoume VSN, Neder PRB. Prevalência de síndrome de burnout em professores médicos de uma universidade pública em Belém do Pará. Rev. Bras. Med. Trab. 2011;9(2):85-9.

Hyeda A, Handar Z. Avaliação da produtividade na síndrome de burnout. Rev Bras Med Trab. 2011;9(2):78-84.

Fahrenkopf AM, Sectish TC, Barger LK, Sharek PJ, Lewin D, Chiang VW, et al. Rates of medication errors among depressed and burnt out residents: prospective cohort study. BMJ. 2008;336(7642):488-91.

Fabichak C, Silva-Júnior JS, Morrone LC. Síndrome de burnout em médicos residentes e preditores organizacionais do trabalho. Rev. Bras. Med. Trab. 2014;12(1):79-84.

Maslach C, Jackson SE. The measurement of experienced burnout. J Organ Behav. 1981;2(2)99-113.

Freudenberger HJ. The staff burn-out syndrome in alternative institutions. Psychol Psychother. 1975;12(1):73-82.

Kahill S. Symptoms of professional burnout: a review of the empirical evidence. Can Psychol. 1988;29(3):284-97.

van der Ploeg HM, van Leeuwen JJ, Kwee MGT. Burnout among dutch psychotherapists. Psychol Rep. 1990;67(1):107-12.

Ferrari R, França FM, Magalhães J. Avaliação da síndrome de burnout em profissionais de saúde: uma revisão integrativa da literatura. Gestão e Saúde. 2012;3(3):1150-65.

Cracco CLAC, Salvador JA. Identificação da síndrome de burnout na equipe de enfermagem de uma unidade de pronto atendimento [trabalho de conclusão de curso]. Lins: Unisalesiano; 2010.

Grunfeld E, Whelan TJ, Zitzelsberger L, Willan AR, Montesanto B, Evans WK. Cancer care workers in Ontario: prevalence of burnout, job stress and job satisfaction. CMAJ. 2000;(2):166-9.

Trindade LL, Lautert L. Síndrome de burnout entre os trabalhadores da Estratégia de Saúde da Família. Rev Esc Enferm USP. 2010;44(2):274-79.

Romani M, Ashkar K. Burnout among physicians. Libyan J Med. 2014;9(1):23556.

Lima FD, Buunk AP, Araújo MBJ, Chaves JGM, Muniz DLO, Queiroz LB. Síndrome de burnout em residentes da Universidade Federal de Uberlândia  2004. Rev Bras Educ Med. 2007;31(2):137-46.

Gabbe SG, Melville J, Mandel L, Walker E. Burnout in chairs of obstetrics and gynecology: diagnosis, treatment and prevention. Am J Obstet Gynecol. 2002;186(4):601-12.

Sobrinho CLN, Barros DS, Tironi MOS, Marques Filho ES. Médicos de UTI: prevalência da síndrome de burnout, características sociodemográficas e condições de trabalho. Rev Bras Educ Med.2010;34(1):106-15.

Cumbe VFJ. Síndrome de burnout em médicos e enfermeiros cuidadores de pacientes com doenças neoplásicas em serviços de Oncologia [dissertação]. Porto: Universidade do Porto; 2010.

Satterfield JM, Becerra C. Developmental challenges, stressors and coping strategies in medical residents: a qualitative analysis of support groups. Med Educ.2010;44(9):908-16.

Silva DP, Silva MNRMO. O trabalhador com estresse e intervenções para o cuidado em saúde. Trab. educ. saúde. 2015;13(1):201-14.

Katsurayama M, Gomes NM, Becker MAD, Santos MC, Makimoto FH, Santana LLO. Avaliação dos níveis de estresse psicológico em médicos residentes e não residentes de hospitais universitários. Psicol. hosp.2011;9(1):75-96.

Downloads

Publicado

18-10-2017

Edição

Seção

ARTIGOS ORIGINAIS

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)