PERFIL CLÍNICO EPIDEMIOLÓGICO DA POPULAÇÃO ATENDIDA NUM PROGRAMA DE RASTREAMENTO DE CÂNCER DE PRÓSTATA

Autores

Palavras-chave:

Medicina, Oncologia, Rastreamento, Prevenção

Resumo

RESUMO

Introdução: O câncer de próstata éo segundo câncer mais comum entre os homens, e o aumento da sua incidência deve-se àevolução diagnóstica e ao aumento da expectativa de vida. Entretanto, o desconhecimento e preconceitos em relação ao seu rastreio são realidade, o que torna importante a identificação de fatores predisponentes para o câncer e a influência do rastreamento no diagnóstico precoce. Objetivo: descrever o perfil clínico epidemiológico da população assistida durante o 9° Mutirão de Prevenção ao Câncer - 2019, realizado no município de Montes Claros, MG. Metodologia: estudo analítico descritivo com base em características sociodemográficas, histórico familiar, hábitos, e presença de sinais/sintomas relacionados a alteração prostática. Os dados clínicos foram obtidos por toque prostático. Para a análise foram utilizadas tabelas de frequência e gráficos. Resultados: foram realizados anamnese e toque prostático em 603 indivíduos com idade média de 61 anos: 39,6% relataram história familiar de câncer; 52,6% eram fumantes e 41,7% etilistas. Ao exame, 28,9% apresentaram próstata aumentada, 3,9% superfície prostática irregular, 11,3% assimétrica, 2% com consistência pétrea. Foram solicitadas 39 biópsias, 31 realizadas, e 14 com resultado positivo para adenocarcinoma prostático. Conclusão: apesar das controvérsias sobre o rastreamento do câncer de próstata, os dados apresentados por esse estudo e as fontes estudadas demonstraram que a prevenção dessa neoplasia deve ser considerada a partir de uma fundamentação que integra pesquisa básica, clínica e epidemiologia, visando o diagnóstico precoce, tratamento eficaz e melhor prognóstico.

RESUMO

Introdução: O câncer de próstata éo segundo câncer mais comum entre os homens, e o aumento da sua incidência deve-se àevolução diagnóstica e ao aumento da expectativa de vida. Entretanto, o desconhecimento e preconceitos em relação ao seu rastreio são realidade, o que torna importante a identificação de fatores predisponentes para o câncer e a influência do rastreamento no diagnóstico precoce. Objetivo:descrever o perfil clínico epidemiológico da população assistida durante o 9° Mutirão de Prevenção ao Câncer - 2019, realizado no município de Montes Claros, MG. Metodologia: estudo analítico descritivo com base em características sociodemográficas, histórico familiar, hábitos, e presença de sinais/sintomas relacionados a alteração prostática. Os dados clínicos foram obtidos por toque prostático. Para a análise foram utilizadas tabelas de frequência e gráficos. Resultados:foram realizados anamnese e toque prostático em 603 indivíduos com idade média de 61 anos: 39,6% relataram história familiar de câncer; 52,6% eram fumantes e 41,7% etilistas. Ao exame, 28,9% apresentaram próstata aumentada, 3,9% superfície prostática irregular, 11,3% assimétrica, 2% com consistência pétrea. Foram solicitadas 39 biópsias, 31 realizadas, e 14 com resultado positivo para adenocarcinoma prostático. Conclusão: apesar das controvérsias sobre o rastreamento do câncer de próstata, os dados apresentados por esse estudo e as fontes estudadas demonstraram que a prevenção dessa neoplasia deve ser considerada a partir de uma fundamentação que integra pesquisa básica, clínica e epidemiologia, visando o diagnóstico precoce, tratamento eficaz e melhor prognóstico.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Bray, F., Ferlay, J., Soerjomataram, I., Siegel, R.L., Torre, L.A. and Jemal, A. Global cancer statistics 2018: GLOBOCAN estimates of incidence and mortality worldwide for 36 cancers in 185 countries. CA: A Cancer Journal for Clinicians 2018, 68: 394-424.

INCA. Câncer de próstata. 24/07/2019 [24/07/2019;24/08/2019].

Ministério da Saúde. Estimativa 2018 Incidência de Câncer no Brasil. Rio de Janeiro: Coordenação de ensino; 2017.

Pron G. Prostate-Specific Antigen (PSA)-Based Population Screening for Prostate Cancer: An Evidence-Based Analysis. Ont Health Technol Assess Ser. 2015; 15(10):1–64.

Lima AVMS, Azevedo BMB, Galvão CCL, Moisés G, Luana C, Porto AMCG. Fatores associados à realização dos exames de rastreamento para o câncer de próstata: um estudo de base populacional. Cad. Saúde Pública [Internet] 2011; 27(2): 347-356.

Cuzick J, Thorat MA, Andriole G, et al. Prevention and early detection of prostate cancer. Lancet Oncol 2014; 15(11):e484–e492.

Sociedade Brasileira de urologia. Nota oficial 2018 - Rastreamento do câncer depróstata. 14/09/2018

Instituto Nacional de Câncer [homepage da internet] O que causa o câncer? [acesso em 10 de set 2019]. Disponível em: https://www.inca.gov.br/causas-e-prevencao/o-que-causa-cancer

Bashir MN. Epidemiology of Prostate Cancer. Asian Pacific Journal of Cancer Prevention [Internet] 2015;16(13):5137–41.

Gomes R, Rebello LEFS, Araújo FC, Nascimento EF. A prevenção do câncer de próstata: uma revisão da literatura. Ciênc. saúde coletiva [Internet] 2019; 13(1): 235-246.

Romero, F. R. Fatores de risco para câncer de próstata em uma amostra da população de Curitiba, PR. Tese (Doutorado) – Programa de Pós-Graduação em Clínica Cirúrgica do Setor de Ciências da Saúde. Universidade Federal do Paraná.

Centro de informações sobre saúde e álcool [homepage da internet]. Consumo de álcool, finasterida e risco de câncer de próstata - Resultados do Estudo de Prevenção do Câncer de Próstata. [acesso em 17 de set de 2019]. Disponível em: http://www.cisa.org.br/artigo/442/consumo-alcool-finasterida-risco-cancer-prostata.php

Lima LR, Silva ILC, Alves DC. Investigação e prevalência dos fatores de risco para elevação e desenvolvimento de câncer de próstata e elevação do PSA: uma revisão de literatura. Revista interdisciplinar ciências e saúde 2017; 4: 11-16.

Sarris AB, Fernando JLFC, Carlos RPF, Rodrigo LS, Allan CKT, Bernardo PS. Câncer de Próstata: uma breve revisão atualizada. Visão Acadêmica 2018; 19(1), 137-151.

Steffen Ricardo Ewbank, Trajman Anete, Santos Marisa, Caetano Rosângela. Rastreamento populacional para o câncer de próstata: mais riscos que benefícios. Physis [Internet]. 2018 [cited 2019 Oct 17] ; 28( 2 ): e280209.

Downloads

Publicado

26-10-2020

Edição

Seção

ARTIGOS ORIGINAIS

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)