OS DESAFIOS DA ATENÇÃO FARMACÊUTICA ÀS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA AUDITIVA

The challenges of pharmaceutical care

Autores

DOI:

https://doi.org/10.13037/2359-4330.8944

Palavras-chave:

Farmacêuticos, Língua de Sinais, Orientação

Resumo

Introdução: A Atenção Farmacêutica consiste em um conjunto de ações de cuidado, direcionadas à promoção, proteção e recuperação da saúde, visando o uso racional de medicamentos. No entanto, este cuidado requer atenção especial quando o atendimento é direcionado às pessoas com deficiência. Objetivos: O objetivo desta pesquisa foi refletir sobre os desafios enfrentados pela Atenção Farmacêutica no atendimento às pessoas com deficiência auditiva, no intuito de garantir o direito ao acesso à uma boa orientação farmacêutica. Métodos: Trata-se de uma revisão integrativa em fontes de busca no Google Acadêmico e em bases de dados: SciELO, LILACS, PUBMED, e nos repositórios das universidades brasileiras, entre 2012 e 2022. Resultados: De acordo com a revisão de literatura, os resultados apontaram a importância de o atendimento farmacêutico ser inclusivo. Para isso, é imprescindível o conhecimento de Libras para se ter uma comunicação eficaz com pacientes surdos, ao passo que as ações de leitura labial, escrita ou mímica são paliativas. Conclusões: Conclui-se que os principais desafios enfrentados na Atenção Farmacêutica para pessoas surdas ou com deficiência auditiva são a falta de conhecimento de Libras e interesse em conhecer e compreender a cultura das pessoas surdas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Dlanio Lima Medeiro, Centro Universitário Maurício de Nassau

Graduação em Farmácia pelo Centro Universitário Maurício de Nassau, Fortaleza, Ceará, Brasil. ORCID: https://orcid.org/0000-0001-8274-8941

Edilene Gadelha de Oliveira, Centro Universitário Maurício de Nassau

Graduação em Farmácia, Mestrado e Doutorado em Ciências Farmacêuticas. Docente do Centro Universitário Maurício de Nassau, Fortaleza, Ceará, Brasil. ORCID: https://orcid.org/0000-0001-7568-8717

Referências

Brasil. Conselho Nacional de Saúde (CNS). Resolução nº 338, de 06 de maio de 2004. Brasília, DF. [citado em 2022 Set 20]. Disponível em: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/cns/2004/res0338_06_05_2004.html.

Costa LF et al. Atenção Farmacêutica para portadores de cuidados especiais. Rev Eletrônica Farm. Suplemento. Goiânia, 2006; 3 (2): 19-21. [citado em 2022 Set 20]. Disponível em: https://revistas.ufg.br/REF/article/view/2098.

Ivama AM et al. Atenção farmacêutica no Brasil: trilhando caminhos – relatório 2001-2002. Brasília: Organização Pan-americana da Saúde, 2002 a. 46p. [citado em 2022 Out 02]. Disponível em: www.opas.org.br/medicamentos/docs/atenfar.pdf.

Brasil. Lei nº 13.146, de 6 de julho de 2015. Institui a Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa com Deficiência (Estatuto da Pessoa com Deficiência). [Diário Oficial da União]. Brasília, DF, 07 de julho de 2015. [citado em 2022 Set 19]. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2015/lei/l13146.htm.

Brasil. Conselho Federal de Farmácia (CFF). Resolução nº 662, de 25 de outubro de 2018. Estabelece as diretrizes para a atuação do farmacêutico no atendimento à pessoa com deficiência. [Diário Oficial da União]. Brasília, DF, 19 de novembro de 2018. [citado em 2022 Set 20]. Disponível em: https://www.in.gov.br/web/guest/materia/-/asset_publisher/Kujrw0TZC2Mb/content/id/50681997/do1-2018-11-19-resolucao-n-662-de-25-de-outubro-de-2018-50681708.

Cunha AGFR, Dias EC. A dependência dos surdos em administrar medicamentos no cotidiano: dificuldades e estratégias de solução. Anais. VII Conedu. 2020. [citado em 2022 Set 30]. Disponível em: https://editorarealize.com.br/artigo/visualizar/67554

De Paula KC, Mendes Francisco GSA, De Sá TM, Miranda ES. Experiências de práticas de cuidado farmacêutico para pessoas surdas: uma revisão integrativa da literatura. Res Soc Dev. Rio de Janeiro, 2022; 11(1): e12411124604. [citado em 2022 Set 30]. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/download/24604/21693/292056.

Araújo DCSA, Santos JS, Barros IMC, Cavaco AMN, Mesquita AR, De Lyra Júnior DP. Sign Language in Brazilian Pharmacy Education. Am J Pharm Educ. 2019 Oct; 83(8): 1676-80. doi: https://doi.org/10.5688/ajpe7239

Viana TA. Clientes surdos: como o setor farmacêutico de Açailândia – MA percebe a importância do atendimento inclusivo. 2020. 29f. Trabalho de Conclusão de Curso. Curso de Administração da Faculdade Vale do Aço (Favale). Açailândia-MA. [citado em 2022 Out 01]. Disponível em: http://repositorio.favale.edu.br:8080/jspui/bitstream/123456789/27/1/TCC%20FINALIZADO%20-%20Thoniel%20de%20Araujo%20Viana.pdf.

Ferguson McK, Liu M. Communication needs of patients with altered hearing ability: Informing pharmacists’ patient care services through focus groups. J Am Pharm Assoc. 2015 Mar-April; 5(2): 153-60. doi: https://doi.org/10.1331/JAPhA.2015.14147

Ferguson McK, Shan L. Survey evaluation of pharmacy practice involving deaf patients. J Pharm Pract. 2016 Oct; 29(5): 461-6. doi: https://doi.org/10.1177/0897190014568379

Hyoguchi N, Kamauchi T , Hoshino M , Kubota T . Survey of Pharmacists’ knowledge, actions and Confidence and Medication Education to Patients with hearing disabilities. Yakugaku Zasshi. 2020; 140(10): 1295-8. doi: https://doi.org/10.1248/yakushi.20-00100

Publicado

2024-01-15

Edição

Seção

ARTIGOS DE REVISÃO

Artigos Semelhantes

1 2 3 4 5 6 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.