Dráuzio Varella e Atila Iamarino: uma análise dos canais do YouTube dos influenciadores digitais como fontes de informação na pandemia da Covid-19

Dráuzio Varella and Atila Iamarino: an analysis of the YouTube channels of digital influencers as sources of information in the COVID-19 pandemic

Autores

Palavras-chave:

covid-19, influenciador digital, YouTube

Resumo

Em meio às polêmicas envolvendo a pandemia da Covid-19, o cidadão se deparou com o desafio de buscar informações seguras sobre o novo coronavírus. Este artigo problematiza os conteúdos produzidos sobre a doença e suas repercussões nos canais do YouTube de Dráuzio Varella e Atila Iamarino. Analisamos o fenômeno social desses influenciadores digitais, considerando a evolução epidemiológica. Os resultados indicaram que os experts da saúde e da ciência ganharam mais visibilidade no enfrentamento à desinformação, transformando-se em influenciadores mais populares e revelando novas tendências de divulgação de informações em epidemias.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marcelo Robalinho, Universidade Federal de Alagoas

Jornalista, mestre em Comunicação pela Universidade Federal de Pernambuco e doutor em Informação e Comunicação em Saúde pelo Programa de Pós-Graduação em Informação e Comunicação em Saúde da Fundação Oswaldo Cruz, com estágio doutoral pela Université Paris XIII. Professor adjunto do curso de Jornalismo da Universidade Federal de Alagoas. E-mail: marcelo.robalinho@ichca.ufal.br.

Sheila Borges , Universidade Federal de Pernambuco

Professora adjunta do Núcleo de Design e Comunicação da UFPE. Doutora em Sociologia, mestra em Comunicação, jornalista e publicitária. Desenvolve projetos de pesquisa e extensão em jornalismo, mídias sonoras, política, sociologia e mídias sociais. É autora do livro O repórter-amador: uma análise das disposições sociais motivadoras das práticas jornalísticas do cidadão comum e uma das organizadoras de Os impactos das novas mídias na comunicação - Volumes 1 e 2. 

Adriano Pádua

Mestre em comunicação pela Universidade Federal de Minas Gerais com foco em engajamento em redes sociais online, transmídia e jornalismo.

Referências

ALZAMORA, G. Entre a TV e a internet: mediações sobrepostas em IReport for CNN. In: SOSTER, D.; LIMA JR., W. (Orgs.). Jornalismo digital: audiovisual, convergência e colaboração. Santa Cruz do Sul: Edunisc, 2011. p. 84-104.

ALZAMORA, G.; TÁRCIA, L. A narrativa jornalística transmidiática: considerações sobre o prefixo trans. In: LONGHI, R.; D’ANDRÉA, C. (Orgs.). Jornalismo convergente: reflexões e experiências. Florianópolis: Insular, 2012, p.15-32.

BOURDIEU, P. Razões práticas. São Paulo: Papirus, 1997.

______. A economia das trocas simbólicas. São Paulo: Perspectiva, 1999.

______. O poder simbólico. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2003.

BRUNS, Axel. User-Generated Content. In: KLAUS, B. et al. The international encyclopedia of communication theory and philosophy. London, UK: John Wlley & Sons Inc., 2016.

CASTELLS, M. A sociedade em rede: a era da informação: economia, sociedade e cultura. Vol. I. São Paulo: Paz e Terra, 2002.

CHAPARRO, M. Jornalismo: linguagem e espaço público dos conflitos da atualidade. São Paulo, 2009. Inédito.

______. Linguagem e discurso. São Paulo: Contexto, 2009.

CHARAUDEAU, P.; MAINGUENEAU, D. Dicionário de Análise do Discurso. São Paulo: Contexto, 2008.

D’ANDREA, C. Conexões intermidiáticas entre transmissões audiovisuais e redes sociais online: possibilidades e tensionamentos. In: Encontro Anual da Compósocial, 23., 2014, Belém: Associação Nacional de Programas de Pós-graduação em Comunicação. Anais...

FERRAZ, L. M. R. Saúde e política na crise da Covid-19: apontamentos sobre a pandemia na imprensa brasileira. Reciis, Rio de Janeiro, v. 14, n. 2, p. 273-8, abr.-jun. 2020.

JENKINS, H.; FORD, S.; GREEN, J. Spreadable media: creating value and meaning in a networked culture. Nova York, Londres: New York University Press, 2014.

JOST, F. Compreender a televisão. Porto Alegre: Sulina, 2011.

LAGE, N. A reportagem: teoria e técnica de entrevistas e pesquisa jornalística. Rio de Janeiro: Record, 2005.

MACHADO, E. O ciberespaço como fonte para os jornalistas. Florianópolis: Calandra, 2003.

MAINGUENEAU, D. Análise de textos de comunicação. 6. ed. São Paulo: Cortez Editora, 2013.

OLIVEIRA, F. de. Jornalismo científico. 2. ed. São Paulo: Contexto, 2007.

PRIMO, A. Transformações no jornalismo em rede: sobre pessoas comuns, jornalistas e organizações; blogs, twitter, facebook e flipboard. In: ENCONTRO SBPJOR, 9., 2011, Anais... Rio de Janeiro: Associação Brasileira de Pesquisadores em Jornalismo, nov. 2011.

WHAT IS AN INFLUENCER? Vídeo apresentado por Ed Lawrence. Copenhagen, Denmark: Influencer Marketing Hub, May 26, 2020. 1 vídeo (8min40seg). Publicado pelo canal Influencer Marketing Hub Inglês. Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?time_continue=1&v=PYIj1YvU9pI&feature=emb_title>. Acesso em: 23 ago. 2020.

MAINGUENEAU, D. Análise de textos de comunicação. 6. ed. São Paulo: Cortez Editora, 2013.

MELO, P. B. Sujeito sem voz: agenda e discurso sobre o índio na mídia em Pernambuco. UFPE, Recife: 2003. Mimeo.

MESQUITA, G. B. Jornalismo participativo e as novas relações entre imprensa e audiência na produção de notícia. In: CONGRESSO DE CIÊNCIAS DA COMUNICAÇÃO NA REGIÃO NORDESTE, 13., 2010. Anais... Campina Grande, PB: Intercom Regional, jun. 2010.

MIRANDA, J. M. G. de M. El periodismo em el siglo XXI: uma profesión em crisis ante la digitalización. Madrid: Editorial Dykinson, SL, 2008.

OLIVEIRA, F. de. Jornalismo científico. 2. ed., São Paulo: Contexto, 2007. (Coleção comunicação)

OPAS. Entenda a infodemia e a desinformação na luta contra a covid-19. Brasília: Departamento de Evidência e Inteligência para Ação em Saúde, 2020. (Página informativa n. 5).

GIDDENS, A. As consequências da modernidade. São Paulo: Editora Unesp, 1991.

GÓMEZ, G. O. Comunicação social e mudança tecnológica: um cenário de múltiplos desordenamentos. In: MORAES, D. de (Org.). Sociedade Midiatizada. Rio de Janeiro: Mauad, 2006.

______. O que o Brasil precisa fazer nos próximos dias. 20 mar. 2020. (1h16min42seg). Acesso em: 20 ago. 2020.

MIGUEL, L. F. O jornalismo como sistema perito. Tempo social. São Paulo, v. 11, n. 1, mai. 1999.

PRIMEIRO caso de Covid-19 no Brasil permanece sendo o de 26 de fevereiro. Ministério da Saúde, Brasília, 17 de jul. 2020.

BRASIL. Pronunciamento do presidente da República, Jair Bolsonaro. 24 mar. 2020. (4min58seg). Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=Vl_DYb-XaAE>. Acesso em: 23 ago. 2020.

SANTOS, R. Jornalistas e fontes de informação. Coimbra: Edições Minerva Coimbra, 2003.

SCHMITZ, A. A. Fontes de notícias: ações e estratégias das fontes no jornalismo. Florianópolis: Combook, 2011.

SILVA, G. Para pensar critérios de credibilidade. In: SILVA, G.; SILVA, M. P. da; FERNANDES, M. L. (Orgs.). Critérios de noticiabilidade: problemas conceituais e aplicações. Florianópolis: Insular, 2014. p. 51-69.

SOARES, I.; BRITO, F. Ministro da saúde anuncia previsão de colapso do sistema no fim de abril. Correio Braziliense, Brasília, 20 mar. 2020. Política.

VARELLA, D. Quem minimiza a situação do coronavírus é um irresponsável. 19 mar. 2020. (1m40s). Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=9loHh2xjSRw&feature=youtu.be>. Acesso em: 20 ago. 2020.

VAN DIJCK, J.; POELL, T. Understanding Social Media Logic. Media and communication, Lisbon, Portugal, v. 1, n. 1, 12 August 2013.

WHO. Coronavirus disease 2019 (COVID-19): situation report 51. Geneva, Switzerland: World Helth Organization, 11 March 2020.

Downloads

Publicado

03-11-2020

Edição

Seção

Dossiê Comunicação & Inovação em Tempos de Pandemia