EFEITOS DA REALIDADE VIRTUAL EM HEMIPARÉTICOS CRÔNICOS PÓS ACIDENTE VASCULAR ENCEFÁLICO

Autores

  • Marcelo Durigon Sardi
  • Rodrigo Costa Schuster Faculdade da Serra Gaúcha
  • Luiz Fernando Calage Alvarenga Faculdade da Serra Gaúcha

DOI:

https://doi.org/10.13037/rbcs.vol10n32.1584

Palavras-chave:

Realidade Virtual, Acidente Vascular Encefálico, Hemiparesia.

Resumo

Introdução: A hemiparesia é um comprometimento parcial do hemicorpo, acarretando em seqüelas sensitivas, motoras e cognitivas causando incapacidade funcional, dependência e diminuição da qualidade de vida, afetando a integração social dos indivíduos. Objetivo: Avaliar os efeitos da utilização da realidade virtual na força muscular, grau de recuperação do membro superior e qualidade de vida de hemiparéticos crônicos pós AVE. Método: Foram selecionados 6 pacientes, de forma intencional, com diagnóstico funcional de hemiparesia por AVE. Todos foram submetidos a avaliação fisioterapêutica e submetidos a um treinamento funcional com auxílio do programa interativo do videogame Nintendo Wii®, ao final desse período todos foram reavaliados por um avaliador independente. Resultados: houve significância estatística em quase todos os movimentos avaliados, sendo que somente os movimentos de extensão de ombro, flexão de cotovelo, flexão de punho, extensão de punho e desvio radial não obtiveram significância estatística quanto à amplitude de movimento; na análise dos desfechos qualidade de vida, força muscular e grau de recuperação motora, pode-se observar significância estatística (valor de p). Quanto à destreza manual, pôde-se observar um incremento na média de cubos transportados de uma caixa a outra, sendo que no membro afetado, que foi realizado a intervenção, teve uma média pré-intervenção de 2,3 cubos transportados e pós intervenção de 3,6 cubos transportados.Conclusão: Pôde-se observar que a intervenção por meio da realidade virtual proporcionou aumento na força muscular, grau de recuperação do membro superior e qualidade de vida hemiparéticos crônicos pós AVE, obtendo, assim, mais um recurso terapêutico na fisioterapia.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marcelo Durigon Sardi

Fisioterapeuta graduado pela Faculdade da Serra Gaúcha - FSG

Rodrigo Costa Schuster, Faculdade da Serra Gaúcha

Especialista em Ciências Morfofisiológicas - UDESC

Mestre em Ciências Médicas - UFRGS

Docente da Faculdade da Serra Gaúcha - FSG

Luiz Fernando Calage Alvarenga, Faculdade da Serra Gaúcha

Mestre em Educação - UFRGS

Docente da Faculdade da Serra Gaúcha - FSG

Downloads

Publicado

27-09-2012

Edição

Seção

ARTIGOS ORIGINAIS