Prática de atividade física e estado nutricional de universitários em Uberlândia, MG

Lycea Maria Maciel Nogueira, Hayanny Pires Netto Guimarães, Cinthia Domingos Barbosa, Barbara Virginia Caixeta Crepaldi, Larissa Santos Molina, Luana Padua Soares

Resumo


Introdução: A prática de atividade física é fundamental para a manutenção da saúde, sendo normalmente afetada pela vida universitária. Objetivo: Avaliar a prática de atividade física e estado nutricional de estudantes, em uma universidade pública no município de Uberlândia, MG. Materiais e Métodos: A população do estudo foi composta por 379 alunos das três grandes áreas do conhecimento e em diferentes estágios dos cursos. Para avaliação do nível de atividade física, foram adaptadas questões do questionário da Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico (Vigitel) de 2011, a partir das quais foram analisados três indicadores: atividade física no lazer; atividade física no trabalho e/ou universidade; e comportamento sedentário em relação ao uso de equipamentos eletrônicos. O estado nutricional foi determinado por meio do índice de massa corporal, utilizando peso e estatura. Resultados: Observou-se que 7,2% dos universitários apresentavam magreza, 68,8% eutrofia e 24,0% excesso de peso. Em relação à prática de atividade física, 38,6% e 16,5% dos acadêmicos foram classificados como ativos no lazer e ativos no trabalho e/ou universidade, respectivamente. Observou-se ainda que 59,1% tinham um comportamento sedentário com equipamentos eletrônicos. Os homens foram significativamente mais ativos do que as mulheres no trabalho e/ou universidade. A atividade física no lazer associou-se positivamente à renda. Alunos com excesso de peso foram mais ativos no lazer e no trabalho e/ou universidade. Conclusão: Concluiu-se que, de maneira geral, os estudantes são pouco ativos e que estratégias de incentivo à prática de atividade física são necessárias.

 


Palavras-chave


atividade física; estado nutricional; estudantes; universidades

Texto completo:

PDF

Referências


Silva DAS, Quadros TMB, Gordia AP, Petroski EL. Associação do sobrepeso com variáveis sociodemográficas e estilo de vida de universitários. Ciênc Saúde Coletiva. 2011;16(11):4473-79.

World Health Organization. Physical activity. Global strategy on

Diet, physical activity and health; 2003 [citado 2013 jun 10]. Disponível em: www.who.int/dietphysicalactivity/media/en/gsfs_pa.pdf.

Mielke GI, Ramis TR, Habeyche CE, Oliz MM, Tessmer MGS, Azevedo MR, et al. Atividade física e fatores associados em universitários do primeiro ano da Universidade de Pelotas. Rev Bras Ativ Fís Saúde. 2010;15(1):57-64.

Silva RS, Silva I, Silva RA, Souza L, Tomasi E. Atividade física e qualidade de vida. Ciênc Saúde Coletiva. 2010;15(1):115-20.

Fontes ACD, Vianna RPT. Prevalência e fatores associados ao baixo nível de atividade física entre estudantes universitários de uma universidade púbica da região Nordeste – Brasil. Rev Bras Epidemiol. 2009;12(1):20-9.

Marcondelli P, Costa THM, Schmitz BAS. Nível de atividade física e hábitos alimentares de universitários do 3º ao 5º semestres da área da saúde. Rev Nutr. 2008;21(1):39-47.

Martins MCC, Ricarte IF, Rocha CHL, Maia RB, Silva VB, Veras AB, et al. Pressão arterial, excesso de peso e nível de atividade física em estudantes de uma universidade pública. Arq Bras Cardiol. 2010;95(2):192-99.

World Health Organization. BMI classification. [citado 2016 out 26]. Disponível em: http://apps.who.int/bmi/index.jsp?introPage=intro_3.html

Knuth AG, Malta DC, Dumith SC, Pereira CA, Neto OLM, Temporão JG, et al. Prática de atividade física e sedentarismo em brasileiros: resultados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD) 2008. Ciênc Saúde Coletiva. 2011;16(9):3697-705.

Malta DC, Moura EC, Castro AM, Cruz DKA, Neto OLM, Monteiro CA. Padrão de atividade física em adultos brasileiros: resultados de um inquérito por entrevistas telefônicas, 2006. Epidemiol Serv Saúde. 2009;18(1):7-16.

Florindo AA, Hallal PC, Moura EC, Malta DC. Prática de atividade física e fatores associados em adultos, Brasil, 2006. Rev. Saúde Pública. 2009;43 Supl 2:S65-73.

Malta DC, Sardinha LMV, Mendes I, Barreto SM, Giatti L, Castro IRR, et al. Prevalência de fatores de risco e proteção de doenças crônicas não transmissíveis em adolescentes: resultado da Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar (PeNSE), Brasil, 2009. Ciênc Saúde Coletiva. 2010;15 Supl 2:S3009-19.

Reichert FF, Barros AJ, Domingues MR, Hallal PC. The role of perceived personal barriers to engagement in leisure-time physical activity. Am J Public Health. 2007;97(3):515-9.

Salles-Costa R, Heilborn ML, Werneck GL, Faerstein E, Lopes CS. Gênero e prática de atividade física de lazer. Cad Saúde Pública. 2003;19 Supl 2:S325-33.

Silva GSF, Bergamaschine R, Rosa M, Melo C, Miranda R, Filho MB. Avaliação do nível de atividade física de estudantes de graduação das áreas saúde/biológica. Rev Bras Med Esporte. 2007;13(1):39-42.

Monteiro CA, Conde WL, Matsudo SM, Matsudo VR, Bonseñor IM, Lotufo PA. A descriptive epidemiology of leisure-time physical activity in Brazil, 1996-1997. Rev Panam Salud Publica. 2003;14(4):246-54.

Paixão LA, Dias RMR, Prado WL. Estilo de vida e estado nutricional de universitários ingressantes em cursos da área da saúde do Recife, PE. Rev Bras Ativ Fís Saúde. 2010;15(3):145-50.

Hamilton MT, Healy GN, Dunstan DW, Zderic TW, Owen N. Too little exercise and too much sitting: inactivity physiology and the need for new recommendations on sedentary behavior. Curr Cardiovasc Risk Rep. 2008;2(4):292-8.

Cardoso RCL, Sampaio H. Estudantes universitários e o trabalho. Rev Bras Ciênc Soc. 1994;26:30-50.

Simão CB, Nahas MV, Oliveira ES. Atividade física habitual, hábitos alimentares e prevalência de sobrepeso e obesidade em universitários da Universidade do Planalto Catarinense – Uniplac, Lages, SC. Rev Bras Ativ Fís Saúde. 2012;11(1):3-12.

Alves JGB, Montenegro FMU, Oliveira FA, Alves RV. Prática de esporte durante a adolescência e atividade física de lazer na vida adulta. Rev Bras Med Esporte. 2005;11(5):291-4.

Erlichman J, Kerbey AL, James WP. Physical activity and its impact on health outcomes. Paper 1: the impact of physical activity on cardiovascular disease and all-cause mortality: an historical perspective. Obes Rev. 2002;3(4):273-87.

Cardoso LM, Ovando RGM, Silva SF, Ovando LA. Aspectos importantes na prescrição do exercício físico para o diabetes mellitus tipo 2. RBPFEX. 2007;1(6):59-69.

Hallal PC, Dumith SC, Bastos JP, Reichert FF, Siqueira FV, Azevedo MR. Evolução da pesquisa epidemiológica em atividade física no Brasil: revisão sistemática. Rev Saúde Pública. 2007;41(3):453-60.




DOI: https://doi.org/10.13037/ras.vol14n50.4015

Indexadores: