Prática de atividade física e estado nutricional de universitários em Uberlândia, MG

Autores

  • Lycea Maria Maciel Nogueira Universidade Federal de Uberlândia
  • Hayanny Pires Netto Guimarães Universidade Federal do Triângulo Mineiro
  • Cinthia Domingos Barbosa Universidade Federal de Uberlândia
  • Barbara Virginia Caixeta Crepaldi Universidade Federal de Uberlândia
  • Larissa Santos Molina Universidade Federal de Uberlândia
  • Luana Padua Soares Universidade Federal de Uberlândia

DOI:

https://doi.org/10.13037/ras.vol14n50.4015

Palavras-chave:

atividade física, estado nutricional, estudantes, universidades

Resumo

Introdução: A prática de atividade física é fundamental para a manutenção da saúde, sendo normalmente afetada pela vida universitária. Objetivo: Avaliar a prática de atividade física e estado nutricional de estudantes, em uma universidade pública no município de Uberlândia, MG. Materiais e Métodos: A população do estudo foi composta por 379 alunos das três grandes áreas do conhecimento e em diferentes estágios dos cursos. Para avaliação do nível de atividade física, foram adaptadas questões do questionário da Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico (Vigitel) de 2011, a partir das quais foram analisados três indicadores: atividade física no lazer; atividade física no trabalho e/ou universidade; e comportamento sedentário em relação ao uso de equipamentos eletrônicos. O estado nutricional foi determinado por meio do índice de massa corporal, utilizando peso e estatura. Resultados: Observou-se que 7,2% dos universitários apresentavam magreza, 68,8% eutrofia e 24,0% excesso de peso. Em relação à prática de atividade física, 38,6% e 16,5% dos acadêmicos foram classificados como ativos no lazer e ativos no trabalho e/ou universidade, respectivamente. Observou-se ainda que 59,1% tinham um comportamento sedentário com equipamentos eletrônicos. Os homens foram significativamente mais ativos do que as mulheres no trabalho e/ou universidade. A atividade física no lazer associou-se positivamente à renda. Alunos com excesso de peso foram mais ativos no lazer e no trabalho e/ou universidade. Conclusão: Concluiu-se que, de maneira geral, os estudantes são pouco ativos e que estratégias de incentivo à prática de atividade física são necessárias.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Lycea Maria Maciel Nogueira, Universidade Federal de Uberlândia

Graduação em Nutrição, Faculdade de Medicina, Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia,
Minas Gerais, Brasil.

Hayanny Pires Netto Guimarães, Universidade Federal do Triângulo Mineiro

Programa de Residência Integrada Multiprofissional em Saúde da Universidade Federal do Triângulo Mineiro, Uberaba, Minas Gerais, Brasil.

Cinthia Domingos Barbosa, Universidade Federal de Uberlândia

Programa de Pós-Graduação em Ciências da Saúde, Faculdade de Medicina, Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia, Minas Gerais, Brasil.

Barbara Virginia Caixeta Crepaldi, Universidade Federal de Uberlândia

Programa de Pós-Graduação em Ciências da Saúde, Faculdade de Medicina, Universidade Federal de Uberlândia, Minas Gerais, Brasil.

Larissa Santos Molina, Universidade Federal de Uberlândia

Graduação em Nutrição, Faculdade de Medicina, Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia,
Minas Gerais, Brasil

Luana Padua Soares, Universidade Federal de Uberlândia

Docente do Curso de Graduação em Nutrição, Faculdade de Medicina, Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia, Minas Gerais, Brasil.

Referências

Silva DAS, Quadros TMB, Gordia AP, Petroski EL. Associação do sobrepeso com variáveis sociodemográficas e estilo de vida de universitários. Ciênc Saúde Coletiva. 2011;16(11):4473-79.

World Health Organization. Physical activity. Global strategy on

Diet, physical activity and health; 2003 [citado 2013 jun 10]. Disponível em: www.who.int/dietphysicalactivity/media/en/gsfs_pa.pdf.

Mielke GI, Ramis TR, Habeyche CE, Oliz MM, Tessmer MGS, Azevedo MR, et al. Atividade física e fatores associados em universitários do primeiro ano da Universidade de Pelotas. Rev Bras Ativ Fís Saúde. 2010;15(1):57-64.

Silva RS, Silva I, Silva RA, Souza L, Tomasi E. Atividade física e qualidade de vida. Ciênc Saúde Coletiva. 2010;15(1):115-20.

Fontes ACD, Vianna RPT. Prevalência e fatores associados ao baixo nível de atividade física entre estudantes universitários de uma universidade púbica da região Nordeste – Brasil. Rev Bras Epidemiol. 2009;12(1):20-9.

Marcondelli P, Costa THM, Schmitz BAS. Nível de atividade física e hábitos alimentares de universitários do 3º ao 5º semestres da área da saúde. Rev Nutr. 2008;21(1):39-47.

Martins MCC, Ricarte IF, Rocha CHL, Maia RB, Silva VB, Veras AB, et al. Pressão arterial, excesso de peso e nível de atividade física em estudantes de uma universidade pública. Arq Bras Cardiol. 2010;95(2):192-99.

World Health Organization. BMI classification. [citado 2016 out 26]. Disponível em: http://apps.who.int/bmi/index.jsp?introPage=intro_3.html

Knuth AG, Malta DC, Dumith SC, Pereira CA, Neto OLM, Temporão JG, et al. Prática de atividade física e sedentarismo em brasileiros: resultados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD) 2008. Ciênc Saúde Coletiva. 2011;16(9):3697-705.

Malta DC, Moura EC, Castro AM, Cruz DKA, Neto OLM, Monteiro CA. Padrão de atividade física em adultos brasileiros: resultados de um inquérito por entrevistas telefônicas, 2006. Epidemiol Serv Saúde. 2009;18(1):7-16.

Florindo AA, Hallal PC, Moura EC, Malta DC. Prática de atividade física e fatores associados em adultos, Brasil, 2006. Rev. Saúde Pública. 2009;43 Supl 2:S65-73.

Malta DC, Sardinha LMV, Mendes I, Barreto SM, Giatti L, Castro IRR, et al. Prevalência de fatores de risco e proteção de doenças crônicas não transmissíveis em adolescentes: resultado da Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar (PeNSE), Brasil, 2009. Ciênc Saúde Coletiva. 2010;15 Supl 2:S3009-19.

Reichert FF, Barros AJ, Domingues MR, Hallal PC. The role of perceived personal barriers to engagement in leisure-time physical activity. Am J Public Health. 2007;97(3):515-9.

Salles-Costa R, Heilborn ML, Werneck GL, Faerstein E, Lopes CS. Gênero e prática de atividade física de lazer. Cad Saúde Pública. 2003;19 Supl 2:S325-33.

Silva GSF, Bergamaschine R, Rosa M, Melo C, Miranda R, Filho MB. Avaliação do nível de atividade física de estudantes de graduação das áreas saúde/biológica. Rev Bras Med Esporte. 2007;13(1):39-42.

Monteiro CA, Conde WL, Matsudo SM, Matsudo VR, Bonseñor IM, Lotufo PA. A descriptive epidemiology of leisure-time physical activity in Brazil, 1996-1997. Rev Panam Salud Publica. 2003;14(4):246-54.

Paixão LA, Dias RMR, Prado WL. Estilo de vida e estado nutricional de universitários ingressantes em cursos da área da saúde do Recife, PE. Rev Bras Ativ Fís Saúde. 2010;15(3):145-50.

Hamilton MT, Healy GN, Dunstan DW, Zderic TW, Owen N. Too little exercise and too much sitting: inactivity physiology and the need for new recommendations on sedentary behavior. Curr Cardiovasc Risk Rep. 2008;2(4):292-8.

Cardoso RCL, Sampaio H. Estudantes universitários e o trabalho. Rev Bras Ciênc Soc. 1994;26:30-50.

Simão CB, Nahas MV, Oliveira ES. Atividade física habitual, hábitos alimentares e prevalência de sobrepeso e obesidade em universitários da Universidade do Planalto Catarinense – Uniplac, Lages, SC. Rev Bras Ativ Fís Saúde. 2012;11(1):3-12.

Alves JGB, Montenegro FMU, Oliveira FA, Alves RV. Prática de esporte durante a adolescência e atividade física de lazer na vida adulta. Rev Bras Med Esporte. 2005;11(5):291-4.

Erlichman J, Kerbey AL, James WP. Physical activity and its impact on health outcomes. Paper 1: the impact of physical activity on cardiovascular disease and all-cause mortality: an historical perspective. Obes Rev. 2002;3(4):273-87.

Cardoso LM, Ovando RGM, Silva SF, Ovando LA. Aspectos importantes na prescrição do exercício físico para o diabetes mellitus tipo 2. RBPFEX. 2007;1(6):59-69.

Hallal PC, Dumith SC, Bastos JP, Reichert FF, Siqueira FV, Azevedo MR. Evolução da pesquisa epidemiológica em atividade física no Brasil: revisão sistemática. Rev Saúde Pública. 2007;41(3):453-60.

Downloads

Publicado

23-11-2016

Edição

Seção

ARTIGOS ORIGINAIS