Perfil nutricional de crianças de uma escola em Belém, PA

Larissa do Socorro Ferreira dos Santos, Sheila Cristina Martins e Silva, Edson Marcos Leal Soares Ramos

Resumo


Introdução: No Brasil, vêm ocorrendo mudanças no perfil nutricional da população que acometem não somente os adultos, mas também crianças e adolescentes, sendo perceptível o aumento do sobrepeso e da obesidade em idades cada vez mais precoces. Objetivo: Este estudo tem como objetivo traçar o perfil nutricional de crianças em idade pré-escolar matriculadas na Escola de Educação Infantil Jesus, localizada na cidade de Belém (PA). Metodologia: Trata-se de uma pesquisa de tipo transversal com crianças de 3 a 6 anos de idade, de ambos os sexos, realizada no período de novembro de 2015 a agosto de 2016. Foram coletado dados relativos a medidas de peso, estatura, idade e índice de massa corporal (IMC) das crianças. Posteriormente, a fim de determinar o diagnóstico nutricional, foram calculados os índices antropométricos de IMC por idade (IMC/I) e peso por estatura (P/E) em escore Z, segundo parâmetros estabelecidos em 2006/2007 pela Organização Mundial da Saúde (OMS). Resultados: Foram avaliadas 76 crianças, sendo 40 (52,63%) do sexo masculino e 36 (47,36%) do sexo feminino. Do total de crianças avaliadas, 67 (88,15%) apesentaram diagnóstico nutricional adequado, 3 (3.94%) apresentaram déficit e 6 (7,89%) apresentaram excesso. Conclusão: Pôde-se concluir que a maioria das crianças obteve diagnóstico de eutrofia, o que pode ser atribuído ao acompanhamento nutricional e psicológico e à alimentação equilibrada oferecidos pela escola na qual estudam.


Palavras-chave


Estado Nutricional, Saúde da Criança, Pré-Escolar, Antropometria

Texto completo:

PDF

Referências


Carvalho AP, Oliveira VB, Santos LC. Hábitos alimentares e práticas de educação nutricional: atenção a crianças de uma escola municipal de Belo Horizonte, Minas Gerais. Pediatria (São Paulo). 2010;32(1):20-7.

Pandolfi MM, Sandrini F, Oliveira MR, Arnmond JE, Zollner ACR, Juliano Y, et al. Desnutrição em escolares em região urbano-rural do extremo sul do município de São Paulo. Einstein. 2011;9(4 Pt1):508-13.

Valmórbida JL, Vitolo MR. Fatores associados ao baixo consumo de frutas e verduras entre pré-escolares de baixo nível socioeconômico. J Pediatr. 2014;90(5):464-71.

Silva MC, Capanema FD, Lamounier JA, Silva ACA, Oliveira BM, Rodrigues J. Perfil nutricional de crianças pré-escolares em creches públicas de Belo Horizonte – Minas Gerais beneficiárias ou não do Programa Bolsa Família. Perc Acad. 2014;4(7):88-104.

Schmitz BAS, Recine E, Cardoso GT, Silva JRM, Amorim NFA, Bernardon R, et al. A escola promovendo hábitos alimentares saudáveis: uma proposta metodológica de capacitação para educadores e donos de cantina escolar. Cad Saúde Pública. 2008;24(2):s312-s322.

Brasil. Ministério da Saúde. Incorporação das curvas de crescimento da Organização Mundial da Saúde de 2006 e 2007 no SISVAN [Internet]. Brasília: Ministério da Saúde; 2007 [citado em 2016 jan 18]. Disponível em: http://bit.ly/2lHN99o

World Health Organization. WHO Anthro (version 3.2.2, January 2011) and macros [Internet]. Geneva: World Health Organization; c2017 [citado em 2017 mar 9]. Disponível em: http://bit.ly/2n49r5G

Monteiro F, Schmidt ST, Costa IB, Almeida CCB, Matuda NS. Bolsa Família: insegurança alimentar e nutricional de crianças menores de cinco anos. Ciên Saúde Coletiva. 2014;19(5):1347-58.

Cabral MJ, Vieira KA, Sawaya AL, Florencio TMMT. Perfil socioeconômico, nutricional e de ingestão alimentar de beneficiários do Programa Bolsa Família. Estud Av. 2013;27(78):71-87.

Goulardt RMM, Banduk MLS, Taddei JAAC. Uma revisão das ações de nutrição e do papel do nutricionista em creches. Rev Nutr. 2010;23(4):655-65.

Brasil. Ministério da Educação. Fundo nacional de desenvolvimento da educação. Resolução/CD/FNDE nº 38, de 16 de julho de 2009 [citado em 25 ago 2016]. Dispõe sobre o atendimento da alimentação escolar aos alunos da educação básica no Programa Nacional de Alimentação Escolar – PNAE. Disponível em: http://bit.ly/2n3joQO

Pontes R, Slompo RB, Luz PA, Passoni CMS. Influência da merenda escolar no estado nutricional. Estado nutricional e merenda escolar. Cad Esc Saúde. 2014;4(1):64-77.

Boccaletto EMA, Mendes RT. Alimentação, atividade física e qualidade de vida dos escolares do município de Vinhedo/SP. Campinas: IPES; 2009.

Brasil. Ministério da Saúde. Protocolos do sistema de vigilância alimentar e nutricional SISVAN. Brasília: Ministério da Saúde; 2014 [citado em 26 ago 2016]. Disponível em: http://bit.ly/2nji9sL

Romagna ES, Silva MCA, Ballardin PAZ. Prevalência de sobrepeso e obesidade em crianças e adolescentes de uma unidade básica de saúde em Canoas, Rio Grande do Sul, e comparação do diagnóstico nutricional entre os gráficos do CDC 2000 e da OMS 2006. Sci Med. 2010;20(3):228-31.

Brasil. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Pesquisa de orçamentos familiares, 2002- 2003: análise da disponibilidade domiciliar de alimentos e do estado nutricional de crianças e adolescentes no Brasil. Rio de Janeiro: IBGE; 2004 [citado em 27 ago 2016]. Disponível em: http://bit.ly/2naHBBp

Ronsani MM, Silva ST, Ribeiro RSV. Atuação do nutricionista na atenção básica à saúde. Rev Programa Resid Multiprofissional Atenção Básica. 2013;1(1):94-109.

Izidoro GSL, Santos JN, Oliveira TSC, Martins-Reis VO. A influência do estado nutricional no desempenho escolar. Rev Cefac. 2014;16(5):1541-7.

Alves MN, Muniz LC, Vieira MFA. Consumo alimentar entre crianças brasileiras de dois a cinco anos de idade: Pesquisa Nacional de Demografia e Saúde (PNDS), 2006. Ciênc Saúde Coletiva. 2013;18(11):3369-77.

Fernandes FM. Alimentação e nutrição entre escolares: caso dos alunos de uma escola do município, Vitória – ES [monografia]. Vitória: Universidade Veiga de Almeida; 2006.




DOI: https://doi.org/10.13037/ras.vol15n51.4279

Indexadores: