IMPACTOS À SAÚDE BUCAL DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES VÍTIMAS DE VIOLÊNCIA NA CIDADE DE BELÉM DO PARÁ – BRASIL.

Kelly Lene Lopes Calderaro Euclides, Wallace Rafael Conde Barros, Dimitra Castelo Branco, Ana Cristina Campos, Flávia Sirotheau Pontes, Liliane Silva do Nascimento

Resumo


Introdução: a violência destaca-se pelo impacto e ameaça à vida; tem merecido lugar de destaque entre as preocupações cotidianas, gerando necessidade de atençaõ e políticas públicas. Objetivo: caracterizar os impactos à saúde bucal de crianças e adolescentes vítimas de violência na cidade de Belém do Pará, Brasil. Materiais e Métodos: A amostra foi de 129 participantes atendidos no Pró-Paz Integrado do Centro de Perícias Científicas Renato Chaves. O exame clínico foi realizado individualmente em sala específica do Pró-Paz. Foi utilizada ficha de coleta validada com questões de identificação, condições da violência e avaliação da saúde bucal utilizando o índice CPO-D/ceo-d. Resultados: a maior parte da amostra sofreu violência sexual (89,9%), o estupro foi o principal subtipo encontrado (50,4%) e a penetração vaginal foi a mais prevalente (51%). O CPO-D médio dos analisados foi de 2,5. Observou-se a formação de três grupos com perfis para os episódios de violência. Crianças de 2-6 anos, sem cárie, vítimas de outros tipos de violência. Meninos, brancos, de 7-12 anos com cárie dentária vítimas de violência sexual associada a outros tipos de violência no ambiente extrafamiliar. Meninas pardas e negras de 13-17 anos, vítimas de violência sexual no ambiente intrafamiliar. Conclusões: o profissional de Odontologia encontra-se em uma posição única para detectar e relatar sobre o abuso, este profissional pode contribuir para que medidas de prevenção da violência sejam adotadas pelas autoridades afim de que a vítima não sofra outros tipos de violência associadas à cárie dentária.


Palavras-chave


Saúde bucal, Maus-Tratos infantis,Violência

Texto completo:

PDF

Referências


BREGAGNOLO, L. A. et al. Oral and maxillofacial trauma in Brazilian children and adolescents. Brazilian Dental Journal, São Paulo, v. 24, n. 4, p. 397-401, 2013.

SANTI, L.N.; NAKANO, A.M.S.; LETIERRE A. Percepção de mulheres em situação de violência sobre suporte e apoio recebido em seu contexto social. Texto & Contexto em Enfermagem, Florianópolis, v. 19, n. 3, p. 417-24, 2010.

D´ÁVILA, S. et al. Caracterização de vítimas de agressão e de acidentes de transporte atendidas no Instituto de Medicina e Odontologia Forense – Campina Grande, Paraíba, Brasil – 2010. Ciência & Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 20, n. 3, p. 887-94, 2015.

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA. Secretaria de Estado de Direitos Humanos. Sociedade Brasileira de Pediatria. Guia de atuação frente a maus-tratos na infância e adolescência: orientação para pediatras e demais profissionais de saúde. Rio de Janeiro: SBP, 2001.

PESSALACIA, J. D. R.; MENEZES, E. S.; MASSUIA, D. A vulnerabilidade do adolescente numa perspectiva das políticas de saúde pública. Revista Bioetnicos, São Paulo, v. 4, n. 4, p. 423-30, set. 2010.

SILVA JUNIOR, A. S. A. H.; ROSAS JÚNIOR, J.R. Violência sexual contra crianças e adolescentes: conceitos-chave. Revista do Laboratório de Estudos da Violência da UNESP, São Paulo, v. 14, p. 145-160, nov. 2014.

MINAYO, M. C. S. Violência e Saúde Pública. In: MINAYO, M. C. S. Violência e saúde. Rio de Janeiro: Editora FIOCRUZ, 2006. cap 2, p. 45-83.

WORLD HEALTH ORGANIZATION. Report of the consultation on Child Abuse Prevention. Geneva, 1999.

WORLD HEALTH ORGANIZATION. Sexual Violence: prevalence, dynamics and consequences. In: WORLD HEALTH ORGANIZATION. Guidelines for medical-legal care for victims of sexual violence. Geneva: WHO Library Cataloguing in Publication Data, 2003. Cap. 2, p. 6-13.

AZEVEDO, M.A. Pesquisando a violência doméstica contra crianças e adolescentes. A ponta do iceberg. Brasil 1996 a 2005. São Paulo: LACRI, Universidade de São Paulo, 2003.

DESLANDES, S.F.; ASSIS, S.G.; SANTOS, N.C. Violência envolvendo crianças no Brasil: um plural estruturado e estruturante. In: BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Impacto da violência na saúde dos brasileiros. Brasília : Ministério da Saúde, 2005.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância de Doenças e Agravos Não Transmissíveis e Promoção da Saúde. Viva: Vigilância de Violências e Acidentes : 2013 e 2014. Brasília : Ministério da Saúde, 2017.

SILVERMAN, A.B.; REINHERZ, H.Z.; GIACONIA, R.M. The long-term sequelae of child and adolescent abuse: a longitudinal study. Child Abuse & Neglect; v. 20, n. 8, p. 709-23, aug. 1996.

CAVALCANTI, A.L. Prevalência e características de ferimentos na cabeça e na região orofacial em crianças e adolescentes abusados fisicamente: um estudo retrospectivo em uma cidade do Nordeste do Brasil. Revista de Cirurgia e Traumatologia Buco-maxilo-facial, Pernanbuco, v. 26, n. 6, p.149-53, 2010.

CHALK, R.; GIBBONS, A.; SCARUPA H. J. The multiple dimensions of child abuse and neglect: new insights into an old problem. Child Trends, Washington, DC, 2002.

SILLEVIS, S.H.; DE LEEUW, J.; DE VRIES, T. Association between severe dental caries and child abuse and neglect. Journal of Oral and Maxillofacial Surgery, v. 0, n. 0, 2017.

MOTA, J.C; VASCONCELOS, A.G.G; ASSIS, S.G. Correspondence analysis: a method for classifying similar patterns of violence against women. Cadernos de Saúde Pública, v. 24, n. 6, p. 1397-1406, 2008.

BRASIL. Ministério da Saúde. Conselho Nacional de Saúde. Resolução n o 466, de 12 de dezembro de 2012. Resolução que aprova diretrizes e normas regulamentadoras de pesquisas envolvendo seres humanos. Brasília, DF, 2012 Disponível em: . Acesso em: 29 set. 2017.

VALENTE, L.A. et al. Domestic Violence Against Children and Adolescents: Prevalence of Physical Injuries in a Southern Brazilian Metropolis. Brazilian Dental Journal, v. 26, n.1, p. 55-60, 2015.

MARTINS, M.J.D. Agressão e vitimação entre adolescentes, em contexto escolar: um estudo empírico. Análise Psicológica, v. 23, p. 401-425, 2005.

CREIGHTON, S.J. Prevalence and incidence of child abuse: international comparisons. National Society for the Prevention of Cruelty to Children Information Briefings, United Kingdown, 2004.

SECRETARIA ESTADUAL DE SAÚDE DO RIO DE JANEIRO. Dados Epidemiológicos: notificação de maus-tratos contra a criança e o adolescente. 2004. Disponível em: .

ALVES, M. F. A.; SILVA, B.O.; SILVA, E. G. Abuso sexual na infância e adolescência: perfil social e médico-assistencial no centro de referência de Belém. Revista Paraense de Medicina, Pará, v. 26, n. 2, 2012.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Análise Epidemiológica da Violência sexual contra crianças e adolescentes no Brasil, 2010 a 2017. Boletim Epidemiológico, Brasília, v. 49, n. 27, 2018.

CAVALCANTI, A.L. Lesões no complexo maxillofacial em vítimas de violência no ambiente escolar. Ciência e Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 14, n. 5, p.1835-42, 2009.

GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ. Fundação Santa Casa de Misericórdia do Pará. PROPAZ. Belém, PA, 2014. Disponível em: < http://www.santacasa.pa.gov.br/programas/propaz/>. Acesso em: 22 jul. 2017.




DOI: https://doi.org/10.13037/ras.vol17n61.5668

Indexadores: