UTILIZAÇÃO DE MEDICAMENTOS POR GESTANTES: UMA REVISÃO SISTEMÁTICA DA LITERATURA

Autores

DOI:

https://doi.org/10.13037/ras.vol17n62.6083

Palavras-chave:

Gestantes. Uso de medicamentos. Farmacoepidemiologia.

Resumo

Introdução: A gravidez é período em que o organismo da mulher sofre grandes alterações, sendo a maioria dessas alterações não patológicas e em decorrência dessas alterações fisiológicas. Objetivo: Analisar a produção científica acerca do uso de medicamentos no período da gestação. Metodologia: Realizou-se uma revisão sistemática da literatura onde foram analisados artigos indexados nas bases de dados LILACS, SCIELO e MEDLINE com os descritores: Gestantes, Uso de medicamentos e Farmacoepidemiologia, no período entre 2013 e 2018. Resultados: A revisão sistemática foi estruturada por meio de 11 artigos e após a análise dos dados constatou-se que com exceção do ácido fólico, a maioria das gestantes relatadas nos estudos fez uso de pelo menos um medicamento, sendo os antibióticos os mais prescritos. A maior parte dos medicamentos utilizados são pertencentes a classes que o seu uso é considerado seguro durante a gravidez. Em relação à automedicação, observou-se que muitas mulheres gestantes fazem uso de medicamentos por contra própria para tratar sintomas comuns à gravidez, sendo o percentual mais alto de automedicação antes do início do pré-natal. Conclusão: Assim conclui-se que as gestantes apresentam desconhecimento dos riscos da automedicação e que o profissional farmacêutico é de fundamental importância no acompanhamento da gestante, visando prevenir possíveis complicações tanto na mãe quanto no feto.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

LÍCIA KAIRA PEREIRA SILVA, Estácio FMJ - Juazeiro do Norte - CE

Farmacêutica.

Ensino Médio (2o grau) pelo placido aderaldo castelo, Brasil(2008)
coordenadora do Central de abastecimento Farmacêutico , Brasil

Ana Emilia Formiga Marques, Estácio FMJ - Juazeiro do Norte - CE

 

Mestrado em Ciências Naturais e Biotecnologia pela Universidade Federal de Campina Grande, Brasil(2016)
PROFESSORA da Faculdade de Medicina Estácio de Juazeiro do Norte , Brasil

Professora de Farmacologia e Quimica Analitica da Estácio FMJ

Referências

ROQUE, A. T. F.; CARRARO, T. E. Narrativas sobre a experiência de ser puérpera de alto risco. Revista Escola Anna Nery, v. 19, n. 2, p. 272-278, 2015.

BRUM, L.F.S. et al. Utilização de medicamentos por gestantes usuárias do Sistema Único de Saúde no município de Santa Rosa (RS, Brasil). Ciência & Saúde Coletiva, v.16, n.5, p. 2435-2442, 2011.

NICARETTA, F.M.R. Utilização de medicamentos por gestantes usuárias do Sistema Único de Saúde em um Município do Vale do Taquari – RS. Destaques Acadêmicos, Lajeado, v. 8, n. 3, p. 7-19, 2016.

NASCIMENTO, A.M. et al. Avaliação do uso de medicamentos por gestantes em Unidades Básicas de Saúde de Rondonópolis, Mato Grosso. Revista Eletrônica Gestão & Saúde. v.7, n.1, p. 96-12, 2016.

COSTA, D.B; COELHO, H.L.L.; SANTOS, D.B. Utilização de medicamentos antes e durante a gestação: prevalência e fatores associados. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro , v. 33, n. 2, e00126215, 2017 . Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102311X2017000205005&lng=pt&nrm=iso>. Acesso em 20 set. 2018.

SOARES, C.B.; et al. Revisão integrativa: conceitos e métodos utilizados na enfermagem. Rev Esc Enferm USP. v.48, n. 2, p. 335-45, 2014.

LUNARDI M.T; SCHUELTER T.F; GALATO, D. Uso de medicamentos no primeiro trimestre de gravidez: avaliação da segurança dos medicamentos e uso de ácido fólico e sulfato ferroso. Rev. Bras. Ginecol. Obstet., Rio de Janeiro , v. 36, n. 12, p. 541-547, dez. 2014. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S010072032014001200541&lng=pt&nrm=iso. Acesso em 20 set. 2018.

KASSADA, D.S et al. Prevalência e fatores associados ao uso de drogas em gestantes atendidas na atenção primária. Texto contexto - enferm. , Florianópolis, v. 24, n. 3, p. 713-721, set. 2015. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S010407072015000300713&lng=en&nrm=iso. Acesso em 20 set. 2018.

DILLON, P., et al. Prevalence of prescribing in pregnancy using the Irish primary care research network: a pilot study. BMC Pregnancy and Childbirth , n. 15, v. 67, 2015. Disponível em: http://doi.org/10.1186/s12884-015-0489-0. Acesso em 20 set. 2018.

TINKER, S. C. et al. “Prevalence of Prescription Medication Use among Non-Pregnant Women of Childbearing Age and Pregnant Women in the United States – NHANES, 1999 – 2006.” Maternal and child health jornal. n.19, v. 5, p. 1097–1106, 2015. Disponível em: http://doi.org/10.1007/s10995-014-1611-z. Acesso em 20 set. 2018.

YAMAMOTO, A, et al. Disparities in antidepressant use in pregnancy. Journal of Perinatology : Official Journal of the California Perinatal Association, n. 35, v. 4, p. 246–251, 2015. Disponível em: http://doi.org/10.1038/jp.2014.197. Acesso em 20 set. 2018.

MOTHUPI, M. C. (2014). Use of herbal medicine during pregnancy among women with access to public healthcare in Nairobi, Kenya: a cross-sectional survey. BMC Complementary and Alternative Medicine, n. 14, p. 432. Acesso em: http://doi.org/10.1186/1472-6882-14-432. Acesso em 20 set. 2018.

FRITZEN J.S, COLET C.F, OLIVEIRA K.R. Uso de antimicrobianos por gestantes no serviço público de saúde. Rev Bras Promoç Saúde, Fortaleza, n.27, v.2, p.198-206, abr./jun., 2014.

HERNANDEZ, L.R. et al . Prescripción de metildopa en el tratamiento de pacientes con enfermedad hipertensiva en el embarazo. MEDISAN, Santiago de Cuba , v. 21, n. 8, p. 960-968, 2017. Disponível em:http://scielo.sld.cu/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S102930192017000800001&lng=es&nrm=isso. Acesso em 20 set. 2018.

BARRAL, M.F.M. et al . Risk factors of hiv-1 vertical transmission (vt) and the influence of antiretroviral therapy (art) in pregnancy outcome. Rev. Inst. Med. trop. S. Paulo, São Paulo , v. 56, n. 2, p. 133-138, Apr. 2014 . Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S003646652014000200133&. Acesso em 20 set. 2018.

CAMPOVERDE P. V, et al . PTI y embarazo: Una experiencia con Rituximab. Rev. chil. obstet. ginecol., Santiago , v. 82, n. 1, p. 80-83, 2017. Disponível em: https://scielo.conicyt.cl/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S071775262017000100012&lng=es&nrm=iso>. Acesso em 20 set. 2018.

Downloads

Publicado

21-01-2020