AVALIAÇÃO DOS EFEITOS DA PANDEMIA DA COVID-19 EM IDOSOS PRATICANTES DE ATIVIDADES FÍSICAS

Avaliação dos efeitos da pandemia da Covid-19 em idosos

Autores

DOI:

https://doi.org/10.13037/2359-4330.8794

Palavras-chave:

Saúde do idoso, Isolamento social, Comportamento sedentário

Resumo

Introdução: A pandemia tem alterado o estilo de vida da população. Objetivo: avaliar os
efeitos da pandemia da COVID-19 em idosos frequentadores do Serviço Social do Comercio
(SESC). Materiais e Métodos: Pesquisa quantitativa, desenvolvida com idosos com idade
igual ou maior que 60 anos. Os dados foram coletados por meio de entrevistas
semiestruturadas realizadas de forma remota via ligações telefônicas com 120 idosos,
levantando informações relacionadas a dados sociodemográficos; saúde emocional;
atividade física e saúde. Resultados: Mais de 50% dos participantes praticaram o isolamento
social e afirmou que a pandemia influenciou no seu estado emocional. Houve associação
entre atividade física e horas sentadas por dia. Conclusão: Conforme os resultados, a
pandemia influenciou no aspecto emocional dos participantes e quem praticou atividade
física permaneceu menos tempo sentado.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Evelin Aline Nobre Peniche, Universidade Federal do Pará, Castanhal, Pará, Brasil.

Graduada em Educação Física pela Universidade Federal do Pará, Campus de Castanhal. Castanhal-PA, Brasil. Orcid: 0000-0002-2804-617X.

Fábia Évine Garcia Leal, Universidade Federal do Pará, Castanhal, Pará, Brasil.

Discente da Universidade Federal do Pará, Faculdade de Educação Física, Campus de Castanhal. Castanhal-PA, Brasil. Orcid: 0000-0003-4281-5446.

Hildeana Nogueira Dias Souza, Serviço Social do Comércio (SESC) - Castanhal-PA, Brasil.

Mestre pelo Programa de Pós-Graduação de Estudos Antrópicos da Amazônia - PPGEAA/UFPA (2022), Castanhal, Pará, Brasil. Assistente técnico da Atividade do Trabalho Social com Idosos do Serviço Social do Comércio (SESC), Castanhal, Pará, Brasil. Orcid: 0000-0001-9151-6341.

Juciléia Barbosa Bezerra, Universidade Federal do Pará, Castanhal, Pará, Brasil.

Doutora em Ciências Fisiológicas pela Universidade Federal de São Carlos. São Carlos-SP, Brasil. Docente da Universidade Federal do Pará, Campus de Castanhal. Castanhal-PA, Brasil. Orcid: 0000-0003-4512-7542.

Referências

Cascella M, Rajnik M, Cuomo A, Dulebohn, SC, Di Napoli R. Features, evaluation and treatment coronavirus (Covid-19). Statpearls - Ncbi Bookshelf 2020.

Jiménez-Pavón D, Carbonell-Baeza A. Physical exercise as therapy to fight against The mental and physical consequences of covid-19 quarantine: Special focus in older people. Progress in Cardiovascular Diseases 2020; 63: 386–388.

Schempft S, Jackowska M, Hamer M, Steptoe A. Associations between social isolation, loneliness and objective physical activity in older men and women. BMC Public Health. London; 2019; 19(74):1-10.

Costa CLA, Costa TM, Barbosa Filho VC, Bandeira PFR, Siqueira RCL. Influência do distanciamento social no nível de atividade física durante a pandemia do covid-19.Rev Bras Ativ Fis Saúde. Londrina; 2020; 25:0123.

Araújo B, Chiamulera G, Saretto C. O impacto da pandemia covid-19 sobre a fragilidade física e a capacidade funcional de idosos. Fisisenectus 2021; 9(1):16-30.

Salman D, Beaney T, Robb CE, Loots CAJ, Giannakopoulou P, Udeh-Momoh CT, et al. Impact of social restrictions during the covid-19 pandemic on the physical activity levels of adults aged 50–92 years: A baseline survey of the chariot covid-19 rapid response prospective cohort study. Bmj Open 2021; 11:E050680.

Souza EC, Oliveira AC, Lima SV, Melo GC, Araújo KCG. Impactos do isolamento social na funcionalidade de idosos durante a pandemia da covid-19: Uma revisão integrativa. Research, Society and Development 2021; 10(10).

The Whoqol Group. Development of the world health organization whoqol bref quality of life assessment. Psychological Medicine 1998; 28: 551–558.

Fleck MP, Louzada S, Xavier M, Chachamovich E, Vieira G, Santos L, et al. Aplicação da versão em português do instrumento abreviado de avaliação da qualidade de vida “Whoqol-Bref”. Rev Saúde Pública 2000; 34(2):178-83.

World Health Organization. Obesity: Preventing and managing the global epidemic. Who technical report series, 894. Geneva: World Health Organization 2000.

Bezerra AC, Silva CEM, Soares FR, Silva JA. Fatores associados ao comportamento da população durante o isolamento social na pandemia de covid-19. Ciênc. Saúde Colet. 2020; 25(1): 2411-2421.

Barros, MBA, Lima MG, Malta DC, Szwarcwald CL, Azevedo RCS, Romero D, et al. Relato de tristeza/depressão, nervosismo/ansiedade e problemas de sono na população adulta brasileira durante a pandemia de covid-19. Epidemiol. Serv. Saude. Brasília, 2020; 299(4):1-12.

Mautong H, Rumbea JAG, Villa GEA, Cadena JCF, Molina DA, Román CEO, et al. Assessment of depression, anxiety and stress levels in the ecuadorian general population during social isolation due to the covid-19 outbreak: A cross-sectional study. BMC Psychiatry 2021; 21(212):1-15.

Gomes LO, Costa ALP, Ferreira WAS, Costa AC, Rodrigues GM, Pedra EC, et al. Qualidade de vida de idosos antes e durante a pandemia da covid-19 e expectativa na pós-pandemia. Revista Kairós-Gerontologia 2020; 23,(28):9-28.

Botero JP, Farah BQ, Correia MA, Prado MCL, Cucato GG, Shumate G, Dias RM, et al. Impacto da permanência em casa e do isolamento social, em função da covid-19, sobre o nível de atividade física e o comportamento sedentário em adultos brasileiros. Einstein 2021; 19: 1-6.

Gronvted A, Frank B. Television viewing and risk of type 2 diabetes, cardiovascular disease, and all-cause mortality a meta-analysis. JAMA 2011; 305(23):2448–2455.

Cândido LM, Wagner KJP, Costa ME, Pavesi E, Avelar NCP, Danielewicz AL, et al. Comportamento sedentário e associação com multimorbidade e padrões de multimorbidade em idosos brasileiros: Dados da pesquisa nacional de saúde de 2019. Cad de Saúde Pública 2022; 38(1):1-14.

Santos RG, Medeiros JC, Schmitt BD, Meneguci J, Santos DAT, Damião R, et al. Comportamento sedentário em idosos: Uma revisão sistemática. Motricidade 2015; 11(3):171-186.

Galvão LL, Tribess L, Meneguci J, Santos ECO, Santos RG, Dórea VR, et al. Valores normativos do comportamento sedentário em idosos. Arquivos de Ciências do Esporte 2018; 6(2) :71-74.

Wang X, Breneman CB, Sparks JR, Blair SN. Sedentary time and physical activity in older women undergoing exercise training. Med Sci Sports Exerc 2020; 52(12):2590–2598.

Lynch BM, Nguyen NH, Moore MM, Reeves MM, Rosenberg DE, Boyle T, et al. A randomized controlled trial of a wearable technology-based intervention for increasing moderate to vigorous physical activity and reducing sedentary behavior in breast cancer survivors: The activate trial. Cancer 2019; 125(16):2846-2855.

Kim H, Kang M. Sedentary behavior and metabolic syndrome in physically active adults: National health and nutrition examination survey 2003-2006. American Journal of Human Biology 2019.

Publicado

2023-12-20

Edição

Seção

ARTIGOS ORIGINAIS

Artigos Semelhantes

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.