OS EFEITOS DO MÉTODO PILATES NA FUNCIONALIDADE DO ASSOALHO PÉLVICO FEMININO E NA INCONTINÊNCIA URINÁRIA: UMA REVISÃO SISTEMÁTICA

Autores

DOI:

https://doi.org/10.13037/ras.vol17n62.6175

Palavras-chave:

Métodos Pilates, Assoalho Pélvico, Incontinência Urinária

Resumo

Introdução: É a musculatura do assoalho pélvico (MAP) que sustenta a uretra e a bexiga, que se contrai durante o esforço de forma a prevenir a perda urinária. O enfraquecimento ou lesões nesta estrutura de suporte podem levar à sua disfuncionalidade. Segundo a Associação Internacional de Uroginecologia, a Incontinência Urinária (IU) é toda perda involuntária de urina. A IU pode ser classificada em 3 principais tipos: a Incontinência Urinária de Esforço (IUE) onde a perda involuntária de urina que ocorre durante a realização de como tossir, espirrar, levantar pesos, rir ou exercitar-se, Incontinência Urinária de Urgência (IUU), caracteriza-se por um desejo súbito e abrupto de urinar, difícil de ser inibido e a Incontinência Mista (IUM) que é a IUE somada à IUU. Embora a MAP não tenha sido enfatizada no trabalho original do Método Pilates (MP), algumas escolas têm integrado o foco na MAP em sua abordagem.  O objetivo deste estudo foi revisar achados anteriores quanto aos efeitos do MP na funcionalidade do assoalho pélvico feminino e na IU. Método: Foram selecionados e analisados artigos de periódicos arbitrados e estudos presentes em bancos de dados acadêmicos. Resultados: dez estudos foram selecionados para análise dos resultados. Os estudos abordaram o efeito do MP na funcionalidade do assoalho pélvico feminino e na IU. Conclusão: Observou-se que o MP trouxe resultados positivos na maioria das variáveis analisadas em 9 dos 10 estudos selecionados, porém mais estudos são necessários.  

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ana Paula Jardim Pires do Couto, Universidade La Salle, Canoas, Brasil

Bacharel em Educação Física, Graduada pela Universidade La Salle, Canoas, Brasil

Adriana Marques Toigo, Universidade La Salle

Doutora em Ensino de Ciências pela Universidade de Burgos, Espanha

Professora do curso de Educação Física da Universidade La Salle, Canoas, Brasil

Referências

(1) Moore KL, Agur AMR. Fundamentos da anatomia clínica. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan; 2004.

(2) Silva APS, Silva JS. A importância dos músculos do assoalho pélvico feminino, sob uma visão anatômica. Fisioterapia Brasil, 2003; 4(3): 205-211.

(3) Palma PCR, Portugal HSP. Anatomia do assoalho pélvico. In: Palma PCR. Urofisioterapia. Aplicações clínicas das técnicas fisioterapêuticas nas disfunções miccionais e do assoalho pélvico. Campinas: Personal Link Comunicações; 2009. p. 25-37.

(4) IUGA (Associação Internacional de Uroginecologia). Incontinência Urinária de Esforço: um guia para mulheres. [acesso em: 04 nov. 2018]. Disponível em: <https://www.yourpelvicfloor.org/conditions/stress-urinary-incontinence/>.

(5) Moreno AL. Fisioterapia em uroginecologia 2ª ed. Barueri: Manole; 2009.

(6) Baracho E. Fisioterapia aplicada à obstetrícia: aspectos de ginecologia e neonatologia. Rio de Janeiro: Editora Médica e Científica; 2002.

(7) Kisner C, Colby LA. Exercícios terapêuticos: fundamentos e técnicas. Barueri: Manole; 2016.

(8) Viktrup L, Rortveit G, Lose G. Risk of stress urinary incontinence twelve years after the first pregnancy and delivery. Obstetrical and Gynecological Survey, 2006; 108(2): 248-254.

(9) Caetano AS, Tavares MCGCF, Lopes MHBM. Incontinência urinária e a prática de atividades físicas. Rev Bras Med Esporte, 2007(4): 270-274.

(10) Naves PP. Avaliação da qualidade de vida em mulheres com sintomas de Incontinência Urinária de Esforço e Praticantes de Atividade Física. Revista Inspirar Movimento e Saúde, 2016; 2(37).

(11) Santos CRS, Santos VLCG. Prevalência da incontinência urinária em amostra randomizada da população urbana de Pouso Alegre, Minas Gerais, Brasil. Rev. Latino-Am. Enfermagem, 2010; 18(5): [8 telas].

(12) Siler B. O corpo Pilates: um guia completo para fortalecimento, alongamento e tonificação sem o uso de máquinas. São Paulo: Summus; 2008.

(13) Aparício E, Pérez J. O autêntico Método Pilates: a arte do controle. São Paulo: Editora Planeta do Brasil; 2005.

(14) Muscolino, JE, Cipriani S. Pilates and “Powerhouse” I. Journal of Bodywork and Movement Therapies, 2004; (8)1: 15-24.

(15) Cintas J. A ciência do pilates: Como otimizar suas aulas pela biomecânica. São Paulo: Sarvier; 2018.

(16) Isacowitz, R; Clippinger, K. Anatomia do Pilates. Barueri, São Paulo: Manole, 2013.

(17) Andreazza EI, Serra E. A influência do Método Pilates no fortalecimento do assoalho pélvico. Disponível em: http://activepilates.com.br/producoes/A-INFLUÊNCIA-DO-MÉTODO-PILATES-NO-FORTALECIMENTO-DO-ASSOALHO.pdf Acesso em: 19 Jul 2019.

(18) Culligan PJ, Scherer J, Dyer K, Priestley J.L, White GG, Delvecchio D, Vangeli M. A randomized clinical trial comparing pelvic floor muscle training to a Pilates exercise program for improving pelvic muscle strength. International Urogynecology Journal, 2010; 21(4): 401-408.

(19) Diniz MF, Vasconcelos TB, Pires JLVR, Nogueira MM, Arcanjo GN. Assessment of the strength of the pelvic floor musculature in women who practice Mat Pilates. Man. Ther., Posturology Rehabil. J., 2014; 12: 126-130.

(20) Ferla L, Paiva LL, Darki C, Vieira A. Comparison of the functionality of pelvic floor muscles in women who practice the Pilates method and sedentary women: a pilot study. International Urogynecology Journal, 2015; 27(1): 123-128.

(21) Laycock J, Jerwood D. Pelvic floor assessment; the PERFECT scheme. Physiotherapy, 2001; 87(12): 631-642.

(22) Pereira AJ, Spiller MG, Garcia EP, Correa RG. Influência do Método Pilates na incontinência urinária de urgência dupla. Revista Hórus, 2016; 11(1): 68-80.

(23) Tamanini JTN, Dambros M, D’Ancona CAL, Palma PCR, Netto Jr. NR. Validação para o português do International Consultation on Incontinence Questionnaire - Short Form (ICIQ-SF). Revista Saúde Pública, 2004; 38(3):438-444.

(24) Bertoldi J, Medeiros AM, Goulart SO. The method pilates effects on pelvic floor of climacteric women: a case of study. Cinergis, 2015; 16(4): 255-260.

(25) Silva Filho CR, Baracat EC, Conterno LO, Haidar MA, Ferraz MB. Climacteric symptoms and quality of life: validity of women's health questionnaire. Rev. Saúde Pública, 2005; 39(3): 333-339.

(26) Souza LM, Pegorare ABGS, Christofoletti G, Barbosa SRM. Influence of a protocol of Pilates exercises on the contractility of the pelvic floor muscles of non-institutionalized elderly persons. Rev. bras. geriatr. gerontol., 2017; 20(4): 484-492.

(27) Torelli L, Di Bella ZIKJ, Rodrigues CA, Stüpp A, Girão MJBC, Sartori MGF. Effectiveness of adding voluntary pelvic floor muscle contraction to a Pilates exercise program: an assessor-masked randomized controlled trial. International Urogynecology Journal, 2016; 27(11): 1743-1752.

(28) Schrader EP, Frare JC, Comparin KA, Diamante C, Araújo BG, Danielli C, Murbach LD. Eficácia do método Pilates e do biofeedback manométrico em mulheres na menopausa com incontinência urinária. Sêmina: Ciências Biológicas e da Saúde, 2017; 38(1): 61-78.

(29) Coelho KC, Silva DC, Barbosa TFC, Witting DS, Palácio SG, Perin O. A eficácia do Método Pilates no tratamento de mulheres com incontinência urinária de esforço. Revista Científica JOPEF, 2018; 25(01): 5-15.

Downloads

Publicado

21-01-2020