INATIVIDADE FÍSICA NO LAZER EM ESTUDANTES DE EDUCAÇÃO FÍSICA, BAHIA

Autores

  • Dayana Chaves Franco Universidade Federal do Triângulo Mineiro
  • Thiago Ferreira de Sousa Universidade Federal do Triângulo Mineiro

DOI:

https://doi.org/10.13037/ras.vol15n53.4735

Palavras-chave:

Comportamento de risco, estudantes, educação física, atividades de lazer

Resumo

Introdução: A inatividade física é um dos principais fatores de risco relacionados à mortalidade mundial, com grandes implicações em doenças crônicas não transmissíveis. Em relação aos universitários, a inatividade física representa um comportamento prevalente. Objetivo: estimar a prevalência e os fatores associados à inatividade física no lazer em universitários de um curso de educação física. Metodologia: trata-se de um estudo de caráter transversal, realizado em uma instituição de ensino superior pública do estado da Bahia, com os universitários do curso de educação física. A inatividade física no lazer é o desfecho investigado e a medida de associação foram as Razões de Prevalências (RP). O nível de significância adotado foi de 5%. Resultados: Participaram deste estudo 111 estudantes. A prevalência de universitários inativos no lazer foi de 14,4%. O sexo feminino associou-se à inatividade física no lazer (RP: 6,22; IC95%: 1,62 – 23,90). Além disso, os universitários de maior faixa etária foram menos inativos quando comparados aos mais jovens (RP: 0,18; IC95%: 0,04 – 0,92), e os universitários casados foram mais inativos. Conclusão: A prevalência de inatividade física no lazer dos estudantes de Educação Física foi baixa. Os universitários do sexo feminino com idade entre 18 e 20 anos e casados tiveram maiores prevalências de inatividade física no lazer.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Dayana Chaves Franco, Universidade Federal do Triângulo Mineiro

Programa de Pós-Graduação em Educação Física da Universidade Federal do Triângulo Mineiro.

Thiago Ferreira de Sousa, Universidade Federal do Triângulo Mineiro

Programa de Pós-Graduação em Educação Física da Universidade Federal do Triângulo Mineiro.

Referências

World Health Organization. Global recommendations on physical activity for health. Geneva: WHO; 2010. 58 p.

Kohl HW, Craig CL, Lambert EV, Inoue S, Alkandari JR, Leetongin G, et al. The pandemic of physical inactivity: global action for public health. Lancet. 2012;380(9838):294-305.

Bueno DR, Marucci MFN, Codogno JS, Roediger MA. Os custos da inatividade física no mundo: estudo de revisão. Cien Saude Colet. 2016;21(4):1001-10.

Hallal PC, Victora CG, Wells JCK, Lima RC. Physical inactivity: prevalence and associated variables in Brazilian adults. Med Sci Sports Exerc. 2003;35(11):1894-900.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Secretaria de Gestão Estratégica e Participativa. Vigitel Brasil 2012: vigilância de fatores de risco e proteção para doenças crônicas por inquérito. Brasília, DF: Ministério da Saúde; 2012.

Siqueira FV, Facchini LA, Piccini RX, Tomasi E, Thumé E, Silveira DS, et al. Atividade física em adultos e idosos residentes em áreas de abrangência de unidades básicas de saúde de municípios das regiões Sul e Nordeste do Brasil. Cad Saude Publica. 2008;24(1):39-54.

Alves JGB, Siqueira FV, Figueiroa JN, Facchini LA, Silveira DS, Piccini RX, et al. Prevalência de adultos e idosos insuficientemente ativos moradores em áreas de unidades básicas de saúde com e sem Programa Saúde da Família em Pernambuco, Brasil. Cad Saude Publica. 2010;26(3):543-56.

World Health Organization. World health statistics 2008. Geneva: WHO; 2008. 110 p.

Sousa TF. Inatividade física em universitários brasileiros: uma revisão sistemática. Rev Bras Ciên Saúde. 2011;29(9):47-55.

Bielemann RM, Karine G, Azevedo MR, Reichert FF. Prática de atividade física no lazer entre acadêmicos de educação física e fatores associados. Rev Bras Ativ Fís Saúde. 2007;12:(3)65-72.

Mielke GI, Ramis TR, Habeyche EC, Oliz MM, Tessmer MGS, Azevedo MR, et al. Atividade física e fatores associados em universitários do primeiro ano da Universidade Federal de Pelotas. Rev Bras Ativ Fís Saúde. 2010;15(1):57-64.

Santos TS, Leão OAA, Leite JS, Silva MC. Atividade física em acadêmicos de educação física: um estudo longitudinal. Rev Bras Ativ Fís Saúde. 2017;22(1):76-84.

Sousa TF, Santos SFS, Pie ACS, Rossato LC. Associação entre indicadores de prática de atividades físicas na adolescência com o nível atual de prática de atividades físicas no lazer em acadêmicos de um curso de educação física no Nordeste do Brasil. Pensar Prát. 2009;12(3):1-12.

World Health Organization. World Health Report 2002: reducing risks, promoting healthy life. Geneva: WHO; 2002. 250 p.

World Health Organization. Obesity: preventing and managing the global epidemic: report of a WHO consulation of obesity. Geneva: WHO; 1997. 252p.

Resende MA, Resende RBV, Tavares RS, Santos CRR, Barreto-Filho JAS. Estudo comparativo do perfil pró-aterosclerótico de estudantes de medicina e educação física. Arq Bras Cardiol. 2010;95(1):1-9.

Santos SFS, Freitas Junior IF, Alvarenga AM, Fonseca SA, Virtuoso Junior JS, Sousa TF. Prevalence and factors associated with leisure-time physical activity: survey repeated in university students. Rev Bras Cineantropom Hum. 2016;18(5):577-90.

Sousa TF, José HPM, Barbosa AR. Condutas negativas à saúde em estudantes universitários brasileiros. Cienc Saude Colet. 2013;18(12):3563-75.

Del Duca GF, Nahas MV, Garcia LMT, Peres MA. Como gênero e escolaridade interagem nos padrões de inatividade física em diferentes domínios em adultos? Rev. Bras. Educ. Fís. Esporte. 2015;29(4):653-61.

Pazin J, Duarte MFS, Borgatto AF, Peres MA, Poeta LS. Atividade física no lazer, deslocamento, apoio social e percepção do ambiente urbano em homens e mulheres de Florianópolis/SC. Rev. Bras. Educ. Fís. Esporte. 2016;30(3):743-55.

Palma A, Abreu RA, Cunha CA. Comportamento de risco e vulnerabilidade entre estudantes de educação física. Rev Bras Epidemiol. 2007;10(1):117-26.

Monteiro CA, Conde WL, Matsudo SM, Matsudo VR. Bonseñor IM, Lotufo PA. A descriptive epidemiology of leisure-time physical activity in Brazil, 1996-1997. Rev Panam Salud Publica. 2003;14(4):246-54.

Gonçalves H, Hallal PC, Amorim TC, Araújo CLP, Menezes AMB. Fatores socioculturais e nível de atividade física no início da adolescência. Rev Panam Salud Publica. 2007;22(4):256-53.

Sousa TF, Barbosa AR. Validade das medidas referidas da massa corporal e estatura em universitários. ABCS Health Sci. 2016;41(2):71-7.

Downloads

Publicado

18-10-2017

Edição

Seção

ARTIGOS ORIGINAIS